conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: “Evil Dead” (2012)

Publicados

em

"Evil Dead"
Por Queops Negronski

Confesso que antes de ir assistir ao filme tive muita vontade de rever o original. No fim das contas, decidi não fazê-lo por achar que seria injusto com a nova obra, pois chegaria munido de lembranças recentes e ao invés de me divertir, perderia o meu tempo fazendo comparações.

Dito isso, que venham as primeiras coisas primeiro: esse “Evil Dead” não é um remake e sim, uma outra história passada no mesmo universo, só que décadas depois. Vemos o carro de Ash abandonado e enferrujado como parte da paisagem do lugar. Isso mesmo: Ash (interpretado por Bruce Campbell nos três filmes anteriores da franquia) e companhia não estão lá, apenas a cabana… e o Livro dos Mortos.

O filme começa muito bem, mostrando uma outra possessa tendo o coisa-ruim tirado de seu corpo de maneira não muito salutar, enchendo de esperança os corações de nós, fãs do gênero. Pouco depois, vemos um grupo de amigos indo passar alguns dias na cabana (que conta apenas com um caminho para chegar e sair) por um motivo deveras nobre: ajudar uma delas, Mia (Jane Levy), irmã de David (Shiloh Rodriguez), a passar por um processo de desintoxicação por causa do vício em drogas ilícitas, fato que cria um interessante ponto de tensão, abrindo caminho para um outro tipo de horror.

Notem que falei que um grupo de “pessoas” e não de “amigos” estão na empreitada. É muito claro que um dia eles já foram mais próximos, mas as relações estão desgastadas (por exemplo, não é a primeira vez que eles se reúnem para ajudar Mia a se desintoxicar), e a convivência que se vê dentro da cabana é de mais de “questão de honra” do que de amizade propriamente dita. E num ambiente assim, nada melhor a fazer do que se distrair como se pode.

É quando um deles, Eric (Lou Taylor Pucci, de Carriers), decide ler/decifrar um livro amarrado com arame farpado (!) achado horas antes no porão da cabana (que reconhecemos como o lugar onde aconteceu o exorcismo que abre o filme). O livro que diz explicitamente com caligrafia escrita com sangue (!!) para não fazê-lo e se fazê-lo, não folheá-lo e se folheá-lo, não dizer em voz alta certas palavras que ali estão.

No entanto, este é um filme de terror, certo? É lógico que o rapaz desconsidera os avisos e tudo começa a dar errado. Muito errado! Começando com uma crise aguda de abstinência (que convenhamos, aconteceria com ou sem demônios vindos do inferno) que faz com que Mia tente fugir do lugar, encontrando no caminho a entidade liberada por Eric ao mesmo tempo em que ela empreende a fuga.

E então chegamos ao momento mais temido pelo apreciador do cinema de horror: a ladeira abaixo. Mesmo com algumas mudanças para melhor, como os efeitos especiais que pouco ou nada se utilizaram do digital e a fotografia, que faz com que o lugar onde a trama se passa pareça ser o melhor lugar do mundo para se viver ou morrer, tudo fica guiado pelo fácil e pelo clichê. Ao invés dos roteiristas se desvincularem o mais que pudessem da história original, a partir de um certo momento o filme se torna mero pastiche da obra de 1981.

Enfim, Evil Dead, apesar do alarde, está muito longe de ser o filme de horror do ano. De qualquer ano.

*O autor agradece a Espaço Z pela oportunidade de ver o filme na sessão cabine de imprensa.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Castlevania (2017)

Publicados

em

Castlevania

[Por Felipe Macedo]

Sou gamer desde de quando me entendo por gente e passei boa parte da minha vida me divertindo (e me estressando) com essa mídia. Conheci a série Castlevania nos 16bits e já sabia que era uma franquia já bastante estabelecida antes (em 8 bits), mais precisamente no nintendinho. Passei várias tardes dando chicotadas em lobisomens, medusas, zumbis e claro no vampirão mais famoso do mundo: O Conde Drácula. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending