conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: “Evil Dead” (2012)

Publicados

em

evil-dead05
Por Jarmeson de Lima

Esta resenha está dividida em duas partes para facilitar sua compreensão. Uma parte é dirigida para quem já viu o filme original e a outra pra quem ainda não viu a primeira versão de “Evil Dead”. Se você se enquada na segunda opção, leia só até o próximo parágrafo. Se já viu o primeiro filme, aproveite para ler tudo.

Os neófitos ou o público adultescente que está ansioso por novidades no mundo do Terror e que cresceram vendo franquias como “Premonição”, “O Albergue” e “Jogos Mortais” talvez se impressione com o conteúdo do “novo” “A Morte do Demônio”. Afinal, tem mutilações sem dó nem piedade, litros de sangue e cenas de dar agonia com instrumentos afiados… Hmmm, se bem que isso tudo já viram em Jogos Mortais. Mas é provável que se assustem com o clima tenso em que parece que ninguém vai poder escapar da morte… “Ah, mas isso rola em Premonição…”. Verdade… bem, resta então temer pela história de um grupo de jovens em uma cabana que vai morrendo em situações sinistras e… É, não dá. Tá parecendo clichê. Faça o seguinte: veja o original e volte aqui.

Muito bem, já que você viu o “Evil Dead” original e quer arriscar este aqui, saiba logo que esta refilmagem vale bem mais pela curiosidade do que pelo conjunto. E olha que parecia promissor desde as primeiríssimas cenas antes do créditos principais.

Uma vez que sabemos que não seria nada original levar um grupo de jovens para a floresta a troco de nada, criaram um motivo mais interessante. A premissa parece simplória, mas funciona. Uma garota está em reabilitação e seus amigos e seu irmão a levam para a antiga casa de campo da família. Sendo assim, qualquer atitude anormal da garota poderia ser considerada sintoma de abstinência e a regra entre eles é a de não tirar a menina dali, custe o que custar.

1160932 - Evil Dead

Como já sabemos o que vai acontecer, então daria pra pressupor que o filme seguiria um bom caminho. O que nós espectadores não contavam é com o comportamento questionável dos personagens diante das situações. Afinal, quem em sã consciência vê um objeto lacrado com arame farpado, avisos para não abrir, não ler e faz exatamente o contrário? Se no filme original, temos uma gravação em fita que ajuda a liberar a entidade maligna, nesta nova filmagem aparece um personagem autodidata que manja tudo de idiomas arcaicos e linguagem satânica pra fazer o que não deve.

Relevando este fato, ainda dá para se deleitar ao longo da primeira hora do filme com as angustiantes consequências da libertação da entidade maligna. Com ligação direta com o primeiro filme, ainda vemos a tomada de câmera correndo em plano subjetivo pelas árvores e ainda aquela cena do “estupro”, mas com um novo desdobramento.

Fora isso, graças a este remake, agora ficamos sabendo que há mais maneiras de derrotar o “demônio” de acordo com as regras do livro feito de carne humana. De repente pode ser útil pra você, quem sabe…

O fato é que da metade em diante tudo se torna constrangedor, colocando o que resta do filme a perder por conta de um sentimentalismo barato. Chega a ser risível conferir o destino que deram a certos personagens que à beira da morte ainda tem que dar discursos de amizade e confiança.

Mas justiça seja feita. Esse demônio é mais poderoso do que o primeiro. Consegue fazer até chover! Já a tagline de “O filme mais apavorante que você verá nesta vida” está longe de ser verdade. A menos, claro que você decida esquecer os que já assistiu ou não veja mais nenhum outro filme de terror em sua passagem pela Terra.

*O autor agradece a Espaço Z pela oportunidade de ver o filme na sessão cabine de imprensa.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rogai Por Nós (2021)

Publicados

em

Rogai Por Nós

Está em voga há algum tempo filmes que vão numa linha de “horror cristão“. Histórias que valorizam a união das famílias e a importância da fé em alguma entidade superior que transcende qualquer dificuldade. Nisso aí, se tirar o elemento assustador sobrenatural, vira algo que tranquilamente passaria na Sessão da Tarde.

Rogai por Nós” (The Unholy) é um filme deste tipo. Depois de uma breve trajetória nos cinemas, o longa chega agora nas plataformas de VOD (Apple TV, Google Play, Looke, NOW, SKY e Vivo Play). Com direção de Evan Spiliotopoulos debutando à frente de uma superprodução de horror depois de anos como roteirista de comédias e aventuras infanto-juvenis, notamos que esta sua bagagem não agrega muito na narrativa, mesmo com a ajuda do experiente Sam Raimi na Produção.

A história começa num estilo de flashback que mostra o que rolou há séculos atrás com a punição e a maldição de uma mulher acusada de bruxaria e satanismo. Os tempos passam na cidade de Banfield, Massachusetts e o jornalista freelancer Gerry Fenn (Jeffrey Dean Morgan) vai para lá atrás de uma pauta e inadvertidamente acaba liberando algo misterioso sem querer.

Em paralelo a estes acontecimentos, a jovem Alice (Cricket Brown), surda de nascença, começa a sussurrar suas primeiras palavras e dá um testemunho de fé junto a uma árvore petrificada atribuindo o milagre à Virgem Maria. O burburinho se espalha na região e logo a região vira ponto de peregrinação em que a jovem encarna a nova emissária da religião cristã espalhando boas novas e outras pequenas curas.

E onde está o terror em “Rogai Por Nós“? É que justamente quem está por trás dos milagres não é uma santa, não é do bem, e sim uma entidade maligna que representa as trevas e a bruxa lá de tempos atrás. Ou seja, preparem-se para uma série de sustos fáceis e muitos efeitos especiais com a aparição dessa criatura sobrenatural levando pro além as pessoas que ousam enfrentá-la.

Nas palavras do diretor, “Rogai Por Nós” é uma história de alerta para os cegamente fiéis. “O tema fundamental do filme é ter cuidado com os falsos profetas”, diz Spiliotopoulos. De fato, a “mensagem” é forte e pertinente e a intenção dele deve ter sido a melhor possível, mas sua execução cai em tantos clichês que fica difícil se apegar a uma produção assim com suas cenas que não causam o impacto que deveriam.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Unholy
Direção: Evan Spiliotopoulos
Roteiro: Evan Spiliotopoulos
Elenco: Jeffrey Dean Morgan, Cricket Brown, William Sadler, Katie Aselton
País de origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Brinquedo Assassino (2019)

Publicados

em

Brinquedo Assassino

Antes de conversar com o leitor do Toca o Terror sobre o novo Brinquedo Assassino em si, o rapaz que vos escreve gostaria de convidá-los a se lembrar de um passado recente. Um passado em que as redes sociais poderiam até existir, mas não eram tão invasivas e não chegavam a criar ou destruir tantas expectativas quanto ao consumo de um produto audiovisual (seja filme ou série de TV) que ainda será lançado daqui a uns bons meses. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Invocação do Mal 3 – A Ordem do Demônio (2021)

Publicados

em

Invocação do Mal 3

O Casal Warren está de volta com mais uma aventura tenebrosa. “Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio” (The Conjuring: The Devil Made Me Do It) estava deixando os fãs em polvorosa na internet antes da estreia. Todos estavam especulando se esse novo capítulo do invocaverso seria o melhor de todos. A dúvida era se depois de uma espera de quase um ano de adiamentos devido a pandemia do coronavirus, valeria a pena reencontrar os queridos personagens vividos por Vera Farmiga e Patrick Wilson.

O roteiro nos leva ao início dos anos 80, onde os Warren mais uma vez acompanham o exorcismo de uma criança. Desta vez, no entanto, a possessão não termina tão bem e deixa um de seus participantes sequelados pela força maligna. Tempos depois, o rapaz possuído acaba cometendo um crime bárbaro, é preso e sua defesa nos tribunais vai alegar que o diabo foi o mandante do crime. O casal instruído por sua advogada começa a fazer uma investigação paranormal para comprovar a existência do mal. O que eles não sabiam é que algo mais sinistro estava envolvido.

Eu confesso que gosto dos filmes anteriores da franquia principal e mesmo não tendo achado essa nova parte horrenda, tenho que admitir ela é bastante problemática. O longa sofre com uma grande crise de identidade. Os produtores não sabem que caminho seguir, se vão para o lado investigativo e sutil ou se continuam como um terror blockbuster convencional. Nesse impasse, foram capazes de não conseguirem agradar nenhuma das propostas.

As cenas de jumpscares são até agora as mais cretinas que já vi nesse ano de 2021. O lado bom é que são bem menos frequentes que nos outros exemplares. A investigação é morna e lotada de conveniências de roteiro, além de não desenvolver bem o que é apresentado. Tudo é literalmente jogado na cara do público.

Por um lado, temos uma novidade nesta parte 3 de “Invocação do Mal”. Somos apresentados à primeira vilã humana da franquia. Mas ela é tão genérica em todo o conceito que mesmo se fosse mais uma assombração, isso não faria diferença. Seu visual também não fica muito longe de uma Freira Valak da vida.

O lado bom é a inegável química de seus protagonistas. Não tem como não ficar do lado deles e a maior força do longa vem daqui. As partes mais sutis conseguem passar aquele clima sinistro e arrepia muito mais do que qualquer uma assombração gritalhona. Pena que são poucos os momentos assim.

O diretor Michael Chaves de “A Maldição da Chorona” demonstra uma melhora considerável na direção, mas ainda assim parece um James Wan genérico. Falando nele, o realizador original fez falta na hora de conduzir os momentos de malassombro pipoca.

Enfim, “Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio” é um filme bem fraco, mas ainda assim melhor que os últimos spin-offs do invocaverso (o que sinceramente não é algo muito difícil). O fã terá de se contentar com algumas referências bem diretas a “O Exorcista”, umas cenas mais piegas que o anterior e um pouquinho só de terror.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Conjuring – The Devil Made Me Do It
Direção: Michael Chaves
Roteiro: David Leslie Johnson-Mcgoldrick
Elenco: Vera Farmiga, Patrick Wilson, Ruairi O´Connor e outros.
Ano de lançamento: 2021

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending