conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: "Evil Dead" (2012)

Publicados

em

evil-dead05
Por Jarmeson de Lima
Esta resenha está dividida em duas partes para facilitar sua compreensão. Uma parte é dirigida para quem já viu o filme original e a outra pra quem ainda não viu a primeira versão de “Evil Dead”. Se você se enquada na segunda opção, leia só até o próximo parágrafo. Se já viu o primeiro filme, aproveite para ler tudo.
Os neófitos ou o público adultescente que está ansioso por novidades no mundo do Terror e que cresceram vendo franquias como “Premonição”, “O Albergue” e “Jogos Mortais” talvez se impressione com o conteúdo do “novo” “A Morte do Demônio”. Afinal, tem mutilações sem dó nem piedade, litros de sangue e cenas de dar agonia com instrumentos afiados… Hmmm, se bem que isso tudo já viram em Jogos Mortais. Mas é provável que se assustem com o clima tenso em que parece que ninguém vai poder escapar da morte… “Ah, mas isso rola em Premonição…”. Verdade… bem, resta então temer pela história de um grupo de jovens em uma cabana que vai morrendo em situações sinistras e… É, não dá. Tá parecendo clichê. Faça o seguinte: veja o original e volte aqui.
Muito bem, já que você viu o “Evil Dead” original e quer arriscar este aqui, saiba logo que esta refilmagem vale bem mais pela curiosidade do que pelo conjunto. E olha que parecia promissor desde as primeiríssimas cenas antes do créditos principais.
Uma vez que sabemos que não seria nada original levar um grupo de jovens para a floresta a troco de nada, criaram um motivo mais interessante. A premissa parece simplória, mas funciona. Uma garota está em reabilitação e seus amigos e seu irmão a levam para a antiga casa de campo da família. Sendo assim, qualquer atitude anormal da garota poderia ser considerada sintoma de abstinência e a regra entre eles é a de não tirar a menina dali, custe o que custar.
1160932 - Evil Dead
Como já sabemos o que vai acontecer, então daria pra pressupor que o filme seguiria um bom caminho. O que nós espectadores não contavam é com o comportamento questionável dos personagens diante das situações. Afinal, quem em sã consciência vê um objeto lacrado com arame farpado, avisos para não abrir, não ler e faz exatamente o contrário? Se no filme original, temos uma gravação em fita que ajuda a liberar a entidade maligna, nesta nova filmagem aparece um personagem autodidata que manja tudo de idiomas arcaicos e linguagem satânica pra fazer o que não deve.
Relevando este fato, ainda dá para se deleitar ao longo da primeira hora do filme com as angustiantes consequências da libertação da entidade maligna. Com ligação direta com o primeiro filme, ainda vemos a tomada de câmera correndo em plano subjetivo pelas árvores e ainda aquela cena do “estupro”, mas com um novo desdobramento.
Fora isso, graças a este remake, agora ficamos sabendo que há mais maneiras de derrotar o “demônio” de acordo com as regras do livro feito de carne humana. De repente pode ser útil pra você, quem sabe…
O fato é que da metade em diante tudo se torna constrangedor, colocando o que resta do filme a perder por conta de um sentimentalismo barato. Chega a ser risível conferir o destino que deram a certos personagens que à beira da morte ainda tem que dar discursos de amizade e confiança.
Mas justiça seja feita. Esse demônio é mais poderoso do que o primeiro. Consegue fazer até chover! Já a tagline de “O filme mais apavorante que você verá nesta vida” está longe de ser verdade. A menos, claro que você decida esquecer os que já assistiu ou não veja mais nenhum outro filme de terror em sua passagem pela Terra.
*O autor agradece a Espaço Z pela oportunidade de ver o filme na sessão cabine de imprensa.

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Danielle Silva

    12 de julho de 2015 a 14:10

    Achei bem bosta esse filme. O antigo é mais legalzinho.

  2. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending