conecte-se conosco

Resenhas

HISTÓRIA: Terror no Cinema Brasileiro

Publicados

em

jovem-tataravo-03
Laura Cánepa, jornalista e doutora em Multimeios pela Unicamp, é uma especialista na história do cinema de horror no Brasil. Sua tese “Medo de quê? – Uma história do horror nos filmes brasileiros” a levou a diversos eventos do gênero e ajudou a jogar um pouco mais de luz sobre as origens do cinema fantástico no país.
No site A Janela, ela escreveu um artigo sobre a história do horror no cinema nacional. Abaixo transcrevemos parte do texto, onde dá para perceber que não necessariamente José Mojica Marins, o Zé do Caixão, foi o primeiro a fazer filmes de terror no Brasil.
Horror no cinema brasileiro
O que faz o cinema de horror brasileiro parecer um fenômeno raro é, em primeiro lugar, o registro deficiente de nossa tradição “horrífica” de maneira geral, pois esta é freqüentemente mais restrita aos relatos orais ou a manifestações tidas como “de menor importância” pelos estudiosos das artes e da cultura, como a literatura pulp e a de cordel, as histórias em quadrinhos, os relatos jornalísticos sensacionalistas, os programas populares de rádio e televisão, etc – todos, diga-se de passagem, fundamentais para a compreensão do cinema de horror brasileiro em geral, e de Mojica em particular.
Ze_doCaixao
Outro motivo é a dificuldade do cinema brasileiro de preservar sua memória, tanto no que se refere à documentação quanto aos próprios filmes, muitos deles perdidos para sempre – e isso tem impacto em obras de todos os gêneros e de vários períodos, inclusive em produções recentes. Por fim, há, entre os historiadores, certo desprezo pelo cinema popular baseado nos cânones consagrados por Hollywood, o que inclui a maior parte das experiências nacionais em relação ao horror e também ao faroeste, à ficção-científica e a outros gêneros identificados com o cinema dominante.
Apesar de tratar-se de um grupo de filmes diferentes entre si e dispersos historicamente, acredito ser possível identificar algumas grandes categorias a partir das quais se podem organizar os cerca de duzentos longas-metragens de horror brasileiros apontados por esses pesquisadores.
A primeira e mais numerosa se refere ao sensacionalismo e à exploração, e teve início com os trabalhos fundadores de Mojica nos anos 1960. Ao criar seu alter-ego psicopata perseguido por criaturas sobrenaturais, o cineasta contribuiu autoralmente para a história do cinema de horror mundial, combinando vertentes diferentes do gênero e também intensificando o realismo através da assumida precariedade de suas produções, que levavam os atores a extremos de tensão e medo durante as filmagens.
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=ASK8kzLfaRI?feature=player_detailpage&w=640&h=360]
Na esteira de seu sucesso, vários filmes aderiram a uma estética mais chocante e mesmo escandalosa, freqüentemente articulando o gênero horror ao sexploitation, durante o ciclo conhecido como “pornochanchada”, que dialogava com uma tendência verificada em vários países do mundo voltada à realização de filmes de horror divulgados com títulos sugestivos de temática sexual e de extrema violência. Entre as dezenas de filmes que poderiam ser citados, destacam-se AMADAS E VIOLENTADAS (Jean Garrett, 1976), O ESTRIPADOR DE MULHERES (Juan Bajon, 1978), A REENCARNAÇÃO DO SEXO (Luiz Castelini, 1981) e LILIAM – A SUJA (Antonio Meliande, 1981).
Outra categoria também bastante numerosa, mas que abrange títulos mais dispersos, é a dos filmes paródicos, que usaram os clichês do gênero como fonte para brincadeiras anárquicas e metalingüísticas, num paradigma chanchadesco ligado às comédias populares que se desdobrou em diversos estilos e correntes, como o cinema marginal (em obras como MEMÓRIAS DE UM ESTRANGULADOR DE LOIRAS, de Julio Bressane, 1971, e PRATA PALOMARES, de Andre Faria Jr., 1971) e o terrir de Ivan Cardoso (representado por vários sucessos, entre eles AS SETE VAMPIRAS, de 1986), estando presente também na filmografia de cineastas como Amácio Mazaropi (em O JECA CONTRA O CAPETA, 1974) e em algumas comédias menos conhecidas, como O JOVEM TATARAVÔ (Lulu de Barros, 1936) e TRÊS VAGABUNDOS (José Carlos Burle, 1952).
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=gEm3PPEf5Js?feature=player_detailpage&w=640&h=360]
Outro grupo importante de filmes brasileiros ligados ao horror buscou os parâmetros tradicionais ou “clássicos” do gênero, concentrando-se mais na criação de atmosferas ambíguas do que na exposição detalhada e explícita dos fatos horríficos. A prática teve início nos filmes góticos femininos dos estúdios paulistas nos anos 1950 (como MEU DESTINO É PECAR, de Manuel Peluffo, e VENENO, de Gianni Pons, ambos de 1952) e foi retomada por importantes autores do cinema brasileiro nos anos 1970 e 1980, entre os quais Walter Hugo Khouri e Carlos Hugo Christensen, que realizaram, respectivamente, O ANJO DA NOITE (1974) e ENIGMA PARA DEMÔNIOS (1975), entre outros.
Leia o artigo completo aqui:
http://janela.art.br/artigos/horror-no-cinema-brasileiro

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Cor Que Caiu do Espaço (2020)

Publicados

em

A cor que caiu do espaço

H.P Lovecraft voltou a ficar em evidência, seja em games como “Call of Cthulhu” (2018) e “The Sinking City” (2019) como em adaptações cinematográficas. Só neste ano de 2020 já tivemos duas obras inspiradas no autor, tendo elementos e personagens de suas obras em “Ameaça Profunda” e agora “A Cor Que Caiu do Espaço” (Color Out of Space), uma adaptação direta de um dos seus celebres contos e o motivo desse texto existir. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

GAME: Blair Witch (2019)

Publicados

em

Blair Witch

Mais de 20 anos e “A Bruxa de Blair” (The Blair Witch Project) continua relevante e presente em nossa memória influenciando ainda a indústria cinematográfica e chegando em outras mídias como os games. E em 2019, exatamente duas décadas depois do lançamento do filme original, a E3 anunciava um novo game da franquia feita pelo estudio Blooper Team, responsavel pelo elogiado Layers of Fear.

Então, a pergunta que não quer calar pra você que se interessou e ainda não jogou é… presta? Ou seria algo esquecível como as sequências e o reboot da tela grande? O estúdio sabia da responsabilidade e do peso em levar uma marca famosa de volta ao mundo dos games e utilizou o aprendizado do jogo anterior para aprimorar a experiência. Aqui novamente temos uma câmera em primeira pessoa para causar mais imersão.

Vamos lá… A trama de Blair Witch se passa no ano de 1996, bem na época em que o evento do longa original se passa. Ocorre um novo sumiço na floresta. Dessa vez é de uma criança. O caso mobiliza a força policial e a população pela busca do garoto. No game, você assume o comando de um policial local que tem um passado bem traumático e que junto com seu cachorro segue sozinho em busca do que realmente aconteceu no local. O cachorro não é mero figurante e te auxilia nas buscas encontrando caminhos, itens ou detectando inimigos.

O jogador tem acesso a walkie talkies, celulares (daquele tipo tijolão), uma bolsa que guarda itens e colecionáveis (que são muitos), lanterna e claro, uma famosa handcam que tem a utilidade de visão noturna e que também roda fitas que se encontram no caminho e que ajudam no andamento da campanha. E é claro que logo encontrará os horrores que a famosa vilã colocará no caminho.

Sua arma é a lanterna, que além de auxiliar em lugares extremamente escuros, mata as criaturas das trevas quando as ilumina. O foco do game não é o combate e sim a exploração e resolução de puzzles. Ainda assim, em determinados momentos a luta se faz necessária. A trama em si é boa, mas poderia ser melhor. Ainda assim é bem mais desenvolvida que os filmes que vieram.

A duração do jogo depende do jogador. Eu, por exemplo, num primeiro gameplay levei 7 horas para zerar, mas da segunda vez em diante levei cerca de 3 horas. E graficamente falando é um jogo bonito até, mas não espere algo maravilhoso.

O fator replay se faz presente na forma de dois finais sendo um bom e outro ruim, além dos já citados colecionáveis que fornecem informações complementares. Blair Witch tem uma pegada mais psicólogica, porém sabe assustar em alguns momentos, seja nos bem dosados momentos de jumpscare ou na ambientação sinistra. Este gameé uma viagem de horror que honra o legado do filme original.

Escala de tocância de terror:

P.S.: Existem algumas referências a obra original, mas não entrei em detalhes por conta de spoilers.

Blair Witch esta disponivel para PC, Xbox One, Xbox series (via retrocompatibilidade), Ps4, Ps5 (via retrocompatibilidade) e Nintendo Switch.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Garoto Sombrio (2015)

Publicados

em

TheBoy-cartaz

[Por Geraldo de Fraga]

Em 2011, o diretor Craig William Macneill e o escritor Clay McLeod Chapman se uniram para realizar o curta Henley, que mostrou a infância do serial killer Ted Henley e o início da sua trajetória macabra. Esse ano, os dois retomam a parceria para um projeto bem mais ambicioso: contar toda a história desse psicopata, não em um, mas em três longas.

A primeira parte da trilogia se chama The Boy e é focada nos primeiros anos de vida do futuro assassino. A história começa em 1989, com Ted Henley (Jared Breeze), então com nove anos, vivendo com seu pai, John (David Morse), num motel de beira de estrada que se encontra às moscas. O dia a dia do menino é entediante: quando não está limpando o local, brinca sozinho e procura animais mortos na rodovia.

the-boy-7

Essa rotina é quebrada quando um acidente na rodovia leva o estranho William Colby (Rainn Wilson, irreconhecível num papel dramático) a se hospedar em um dos quartos. Diferente dos outros hóspedes que já passaram pelo motel, Colby esconde alguns segredos e isso atiça a imaginação de Henley, a ponto de deixar fluir sua personalidade doentia.

Um ponto positivo de The Boy é que, ao contrário de vários outros filmes de psicopata, o protagonista aqui não se transforma no vilão por causa de um trauma ou de uma situação extrema. A maldade está nele desde sempre, esperando apenas uma brecha para vir à tona. A vontade de matar é acentuada pelo tédio e pela falta de perspectiva. Não há um julgamento moral de certo ou errado e, para o garoto, tudo é só mais um passatempo.

A negligência por parte do pai alcoólatra conta como o maior ponto para o estopim. É ele quem prende o garoto naquele ambiente hostil, o que já seria nocivo para uma criança normal. Seu estado de negação e inércia, apenas retarda o inevitável. “Esse menino tem olhos crescendo na nuca”, desabafa a Colby, em certo momento do filme, lamentando em ter razão.

The_BOY-master675

Sobre a construção do longa, a direção de Macneill é segura e consegue grandes atuações do trio de protagonistas. Jared Breeze tem tudo para ser lembrado como um dos melhores garotos problemas dos últimos anos, enquanto Morse e Wilson cumprem seus papéis com louvor. O roteiro de Chapman é afiado, com diálogos curtos, mas eficazes. Além de focar em pequenos detalhes para fazer a trama fluir. O ritmo, por muitas vezes lento, é essencial para a construção do clímax.

The Boy é um filme realista e sóbrio, esqueça todo o exagero de filmes sobre psicopatas mirins como O Anjo Malvado ou A Orfã, por exemplo. Além disso, essa primeira parte da trilogia nos brinda com um ótimo gancho para o segundo filme e já nos deixa sabendo do que Ted Henley é capaz de aprontar. E vale muito a pena acompanhá-lo em sua próxima jornada.

Escala de tocância de terror:

Nome original: The Boy
Direção: Craig William Macneill
Roteiro: Craig William Macneill e Clay McLeod Chapman
Elenco: Jared Breeze, David Morse e Rainn Wilson
Origem: EUA

Trailer

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending