conecte-se conosco

Resenhas

MEMÓRIA: Adaptações de Stephen King

Publicados

em

Stephen-King--The-Mystery-Man
Há 30 anos atrás chegava às telas do cinema três adaptações de obras de Stephen King. O escritor vivia o auge do sucesso e seus livros rapidamente viravam filmes, que foram dirigidos por gente como Brian de Palma, Stanley Kubrick, John Carpenter e David Cronenberg. Relembrando um período específico, em 1983, foram lançados os seguintes filmes:
CHRISTINE, O CARRO ASSASSINO
Dir: John Carpenter
Sinopse: Arnie Cunningham (Keith Gordon) adora Christine, um carro modelo 1958 Plymouth Fury que não está em seu melhor estado. Decidido a restaurá-la a qualquer custo, Arnie dedica todo seu tempo para ela, o que faz com que se afaste dos amigos e da própria realidade. Leigh (Alexandra Paul), sua namorada, e Dennis (John Stockwell), seu melhor amigo, procuram o antigo dono de Christine e descobrem que o mesmo aconteceu com ele, antes de vender o carro. É quando eles chegam à conclusão que o único meio de resgatar Arnie é destruindo Christine.
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=aJ5M11m9vI0?feature=player_detailpage&w=640&h=360]


CUJO
Dir
: Lewis Teague
Sinopse: Enquanto Donna e Vic Trenton (Dee Wallace e Daniel Hugh-Kelly) lutam para salvar seu abalado casamento, seu filho Tad (Danny Pintauro) se apega ao adorável cão São-Bernardo, que pertence a um mecânico. Mas eles não imaginam que uma mordida de morcego transformou Cujo em um cruel assassino. Com Vic viajando a trabalho, um problema com o carro leva Donna e Tad a viverem um pesadelo, emboscados pelo demoníaco e implacável cachorro.
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=45vzCiU01O4?feature=player_detailpage&w=640&h=360]


A HORA DA ZONA MORTA
Dir
: David Cronenberg
Sinopse: Johnny Smith (Christopher Walken) é um professor de literatura que estava prestes a se casar quando sofre um acidente de carro e fica cinco anos em coma. Ao recobrar a consciência, descobre que perdeu sua carreira e Sarah Bracknell (Brooke Adams), sua noiva, mas em compensação ganhou poderes paranormais que o permitem prever o futuro das pessoas ao tocá-las. Assim, ele tem o poder de alterar o curso dos acontecimentos e este é o seu dilema: interferir ou sofrer sozinho, sabendo das tragédias que estão por acontecer.
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=zC_7dnL4Z6U?feature=player_detailpage&w=640&h=360]


Pra saber mais de Stephen King, suas obras e adaptações pro cinema e TV, ouça o podcast que fizemos em homenagem a ele:
[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/70144116″ params=”” width=” 100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em


[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Trending