conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Sharknado (2013)

Publicados

em

sharknado
Por Geraldo de Fraga
Ninguém em sã consciência vai assistir a Sharknado (2013) achando que verá um filmaço. Afinal, é uma produção da Asylum que mostra um tornado de com vários tubarões invadindo Los Angeles. Além do roteiro extremamente absurdo, o espectador tem que levar em consideração o orçamento dessa produtora, que sempre é muito abaixo dos padrões de cinema de hoje.
O problema é que Sharknado exagera na canastrice a ponto de se transformar em um filme insuportável, pois tenta se levar a sério. Porque não fazer um roteiro escancarando na comédia? Seria muito mais interessante e, garanto, atrairia mais público.
Apesar do filme ter ficado como um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, no dia em que foi exibido na TV americana, isso se deu somente, e tão somente, pela excentricidade do enredo. A gente conhece a Asylum, estávamos dispostos a relevar furos no roteiro, mas do jeito que foi… ficou demais.
sharknado_685x385
O filme começa com um imbróglio envolvendo o capitão de um navio que pesca tubarões e um empresário que quer comprar os bichos abatidos. Eles discutem sobre o preço da negociação, e logo a discussão se transforma em um tiroteio na proa do navio… detalhe: ESSE TRECHO NÃO TEM INFLUÊNCIA NENHUMA NA HISTÓRIA.
Logo em seguida, sem mais de menos, se forma uma tempestade que “suga” todos os tubarões da costa da Califórnia e os carrega até a cidade de Los Angeles, dando início a uma chuva de tubarões. Com a cidade alagada por conta das chuvas os bichos tomam conta das ruas. Outro detalhe: TARTARUGAS? BALEIAS? POLVOS? NÃO. A MERDA DA TEMPESTADE SÓ ARRASTOU OS TUBARÕES.
A partir daí, acompanhamos quatro amigos que partem rumo a Beverly Hills para salvar a mulher e a filha do personagem principal, pois, segundo a rádio local informa, a tempestade vai aumentar. Durante a jornada pelas vias alagadas, o filme vira um espetáculo. Ruas com a água na altura do pneu dos carros, mas infestadas por tubarões brancos gigantes.
Sharknado - 2013
Ou não pagaram o salário do continuísta ou o cara é o maior troll de todos os tempos. Cenas onde, uma hora o local está submerso, mas quando corta para a cena seguinte o lugar está seco. Fato que acontece o tempo todo também com as roupas e os cabelos dos atores.
E o mais bizarro é: para não ficar apenas com cenas com tubarões computadorizados, colaram cenas onde tubarões reais aparecem no oceano, quando no filme a cena se passa em uma lugar tipo… UMA PISCINA!
Sobre o roteiro não vale a pena nem comentar. Ah, e o tornado, propriamente dito, só surge no final do filme e é uma obra prima dos efeitos especiais. Boa sorte a quem tiver coragem de assistir.
Nota: 1,0
Direção: Anthony C. Ferrante
Roteiro: Thunder Levin
Elenco: Ian Ziering, Tara Reid, John Heard
Origem: EUA
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=3saKaKXSy-A?feature=player_detailpage&w=640&h=360]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Julia

    19 de agosto de 2013 a 09:51

    Kkkkk. Sem comentarios…

  2. fernando vasconcelos

    19 de agosto de 2013 a 12:43

    doidopraver kkk

  3. Pingback: PREVIEW: Sharknado 2 | Toca o Terror

  4. Matheus Teles

    1 de fevereiro de 2015 a 09:04

    HAUAHUAHUAHUA.
    Imagino que Sharknado seja um trash contemporâneo, haha.
    E olha que amo filmes trash com todo o meu coração!
    Spoilers:
    O Fin entrando inteiro dentro do tubarão e ainda tirando Nova de lá de dentro, justamente dentre os zilhões de tubarões do tornado que podiam tê-lo pega. Não tô procurando muita coerência num filme desse, mas é que essa foi demais, huahuahauhauhua.

  5. Pingback: INTERNET: Busca de resultados curiosos | Toca o Terror

  6. Pingback: RESENHA: Sharknado – The 4th Awakens (2016) | Toca o Terror

  7. Puckio

    27 de agosto de 2017 a 17:00

    eSpectador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending