conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: My Amityville Horror (2012)

Publicados

em

MyAmytivilleHorror_poster
Por Geraldo de Fraga
Danny Lutz tinha apenas 10 anos quando, em 1976, mudou-se com a mãe, o padastro e os dois irmãos mais novos para o número 112 da Ocean Avenue em Amityville, Nova York. Nos 28 dias em que viveu nesse endereço, Danny vivenciou um dos casos de casas assombradas mais famosos da história, que deu origem a um livro, que posteriormente foi adaptado aos cinemas e virou uma franquia de filmes.
Mas ao contrário de sua mãe e padrasto, Kathy e George Lutz, Danny fez questão de fugir de tudo ligado ao caso. Hoje, aos 47 anos, o sobrevivente de Amityville fala sobre o que aconteceu naquela casa pela primeira vez na frente das câmeras. É nisso que o documentário My Amityville Horror (2012), dirigido por Eric Walter, tenta se manter para recontar mais uma vez essa história.
My_Amytivilleprofile-pic
Mas para fazer um documentário sobre algo tão grande, apenas sustentado pelo ponto de vista de um personagem é preciso que esse personagem seja alguém muito carismático, ou ao menos interessante, e que traga um novo viés para a história. Nesse segundo ponto, o filme até acerta. De acordo com Danny, George Lutz, que fez fama e dinheiro, divulgando excessivamente o caso de Amityville em programas de TV, era um grande de um safado. Danny ainda levanta a hipótese de o fenômeno paranormal em Amityville ter sido despertado pelo seu próprio padrasto que, segundo ele, era entusiasta do ocultismo e realizava sessões de magia negra com seus amigos naquela casa.
Porém, Danny não é um personagem interessante a ponto de segurar uma hora e meia de filme. Na maioria das vezes, só ouvimos ele se lamentar de como aquele incidente atrapalhou sua vida e de como foi difícil crescer sendo o “garoto de Amityville”. Se a idéia do diretor era fazer que que o espectador se compadecer com Danny, não funcionou. Em certas horas, você não aguenta mais suas lamentações.
MyAmityville99621_gal
O filme ainda conta com a participação de pessoas importantes no caso, como os jornalistas que cobriram o evento e a famosa investigadora paranormal Lorraine Warrem. Porém a abordagem fica muito centrada em Danny. Não que essa não fosse a idéia do filme, mas deixou tudo muito chato..
Quem quer ver um documentário sobre Amityville espera sempre por muitas imagens de arquivo, já que o caso foi coberto pela mídia na época. Esse foi outro detalhe que o filme ficou devendo. No mais, My Amityville Horror só deve agradar quem realmente tem bastante interesse na história e quer mais um DVD para ter na estante.
Nota: 5,0
Direção: Eric Walter
Roteiro: Neal Parks, Eric Walter
Elenco: Daniel Lutz, Susan Bartell, Laura DiDio
Origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. musicaefantasia

    27 de outubro de 2013 a 11:35

    Talvez o filme ficasse mais interessante se Danny Lutz, o entrevistado, fizesse um grande desmentido, à moda cética de de tudo que aconteceu. E demonstrasse como seu padrasto forjou tudo. 😎
    Claro que aí ficaria pouco interessante para os amantes do terror. 😎
    Parabéns por mais uma postagem muito legal: divertida, informativa e crítica.

  2. Pingback: COMEMORAÇÃO: 1 Ano | Toca o Terror

  3. Rodrigo Orso (@TecnologiaOrso)

    7 de julho de 2014 a 03:29

    Como fã incondicional de suspense e terror também assisti ao filme e concordo com sua colocação. A meu ver a interrogação deixada entre o sobrenatural e o padrasto armando tudo foi pouco explorada. Na minha opinião vale pipoca e boas horas de conversa sobre todo o universo. Parabéns!

  4. Leandro

    25 de outubro de 2015 a 09:46

    Acho que não entenderam que o filme não era para ficar bonitinho para os olhos de todos, mas como uma forma de Daniel extravasar a verdade. O cara está visivelmente abalado por tudo que passou durante toda a vida dele. uma criança vivendo sozinha no deserto e se virando sozinha a vida a inteira não vai ser tão bom ator quanto os filhinhos de papai de Hollywood!!!!

  5. Eduardo G N Ferreira

    14 de julho de 2016 a 15:52

    E vdd tinha tudo pra ser bem interessante mas esse Daniel so lamenta da vida além disso parece claro pra mim que ele tem problemas psicológicos… é um documentário mediano pouco coisa é reveladora e os pontos legais são muito curtos…

  6. Pingback: DICA DA SEMANA: Superstição (1982) | Toca o Terror

  7. Giancarlo Centoundici

    10 de julho de 2019 a 10:16

    Só do que disse, já perdi a vontade de correr atrás rsrs normalmente as resenhas do site batem muito bem com as minhas, já não Me arrisco mais com bombas pq tenho tempo pra ver só uns 3 filmes por semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Reality Z (2020)

Publicados

em

Reality Z

Apesar do enorme sucesso que fez a última edição do Big Brother, a impressão é que Reality Z, produção brasileira da Netflix que parodia o programa, chegou atrasada. Principalmente pelo fato de ela ser remake de uma minisérie inglesa de 2008: Dead Set. Naquela época, os zumbis estavam na crista da onda, mas hoje em dia, até sucessos como The Walking Dead lutam para se manter de pé.

Em Reality Z, temos uma atração de TV no mesmo formato do BBB que toma conta da vida dos brasileiros, sobretudo nas redes sociais. Enquanto o povo se diverte com as confusões que culminam nas eliminações dos participantes, o apocalipse zumbi explode no Rio de Janeiro. Não demora para que os mortos vivos cheguem ao estúdio e virem uma ameaça para os confinados.

O roteiro alterna entre duas tramas, uma fora e outra dentro das dependências do programa para que em um determinado momento todos os personagens se encontrem no ambiente de confinamento. Curiosamente, cada uma tem um tom diferente. Na emissora, o clima é de comédia, brincando com os clichês do Big Brother, como brigas entre os confinados, e criticando os executivos e TV que buscam audiência a qualquer custo.

Do lado fora, o drama toma conta. Enquanto fogem dos zumbis, mãe e filho se encontram com políticos e policiais corruptos, em meio a um Rio de Janeiro destruído. Mesmo com personagens caricatos demais, é interessante ver alguns debates atuais no Brasil inseridos em um contexto apocalíptico, já que vemos sempre isso em produções estrangeiras.

Na parte técnica, Reality Z faz o ‘feijão com arroz’ suficiente para dar consistência aos seus mortos vivos corredores. Mesmo com uma escorregada aqui e ali, as atuações são satisfatórias e o roteiro flui. Mas, como foi dito anteriormente, a série parece deslocada no tempo, depois de tanta coisa já feita no gênero.

Será que um fã de horror, que já viu e reviu a obra de George A. Romero, ainda aguenta assistir a mais um ‘fim do mundo’? Provavelmente não. Mas se a bagagem cultural do espectador não for tanta e se ele tiver boa vontade sobrando para dar chance a uma produção nacional, Reality Z é totalmente feita para esse público. E dá pro gasto.

Escala de tocância de terror:

Direção: Cláudio Torres e Rodrigo Monte
Roteiro: Cláudio Torres e Rodrigo Monte
Elenco: Sabrina Sato, Ana Hartmann, Ravel Andrade e Luellem de Castro
Origem: Brasil

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Torre Negra (2017)

Publicados

em

A Torre Negra

[Por Felipe Macedo]

Stephen King é um dos dos autores mais adaptados do cinema e em meio a tantos filmes, a maioria é de qualidade duvidosa. Poucos são os que merecem ser dignos de menção. O novo longa baseado em sua obra é inspirado na série de livros A Torre Negra e que de acordo com o próprio King bebe da fonte de Tolkien na construção do universo e criaturas fantásticas. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending