conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: R.I.P.D. – Agentes do Além (2013)

Publicados

em

ripd_ver2
Por Geraldo de Fraga
É impossível não comparar R.I.P.D. – Agentes do Além com MIB – Homens de Preto. O filme dirigido por Robert Schwentke, e estrelado por Jeff Bridges e Ryan Reynolds, tem praticamente a mesma premissa do longa sobre os agentes do governo americano que policiam os alienígenas no planeta Terra. Em R.I.P.D. saem os ETs e entram fantasmas e demônios.
filmes_2410_RIPD-1
Baseado na HQ de Peter Lenkov, Lucas Maragon e Randy Emberlin, R.I.P.D conta a história do policial Nick Cruz (Reynolds) que é assassinado e, no “Além”, entra para a polícia espectral chamada Rest in Peace Departament. Lá, ele é apresentado a seu parceiro, Roy, um oficial veterano (Bridges) que caça espíritos desde os anos 1800. A primeira missão importante de ambos envolve a morte de Cruz, que começa a descobrir diversos problemas relacionados à sua vida terrestre.
Um agente novato, fazendo um trabalho inimaginável, ao lado de um parceiro muito mais experiente. É ou não é parecido com MIB – Homens de Preto? Sim. Mas porque, ao contrário do filme com Tommy Lee Jones e Wil Smith, R.I.P.D. não funciona? Por causa de uma coisa primordial para qualquer filme e que vem sendo esquecida em várias oportunidades por quem faz blockbusters em Hollywood: Roteiro.
ripd-undead
A química entre Jeff Bridges e Ryan Reynolds até funciona em determinados momentos, mas tudo em R.I.P.D. acontece muito rápido. O começo do filme é todo corrido e os detalhes que se danem. – “Ei, cara, você era policial durante a vida e vai ser policial agora que morreu, ok?” – “Ok.” – “Esse é seu parceiro, vá caçar monstros.” – “Sim, senhor.”
Tudo bem que é um filme de comédia/aventura e que o que o expectador quer é desligar o cérebro durante 1h30 e ver efeitos especiais e piadas, mas assim também é demais. O plano do vilão, interpretado por um Kevin Bacon pra lá de preguiçoso, é algo que já foi visto em trocentas histórias de super-heróis. E tudo de mal feito durante todo o filme descamba para um final muito, mas muito, clichê.
ripd24
Se tem algo de legal é o lance dos avatares que os agentes usam para se relacionarem no mundo vivos e que rende realmente momentos engraçados. A explicação para que os mortos não consigam se comunicar com a pessoas e lhes contem o que acontece “do outro lado” também entra na pequena lista de fatos positivos.
O papel de Jeff Bridges é algo como uma mistura dos personagens que ele interpretou em Bravura Indômita e Coração Louco. Pena o érsonagem ter sido tão mal aproveitado. Ryan Reynolds continua com sua cara de banana, mas não compromete. O que prejudicou a premissa, que apesar de batida, poderia render algo interessante foi mesmo o roteiro fraquíssimo. Li por aí que a produção não foi bem na bilheterias americanas, então não deveremos ter um R.I.P.D. 2. Amém.
Nota: 4,0
Título original: R.I.P.D.
Direção: Robert Schwentke
Roteiro: Phil Hay, Matt Manfredi
Elenco: Ryan Reynolds, Jeff Bridges, Mary-Louise Parker
Origem: EUA
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=NliUQ_Kdg0o&w=640&h=360]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Júlio César Carvalho

    12 de outubro de 2013 a 16:58

    Confio no parecer do ferinha… Talvez um dia eu veja.

  2. JC Carvalho

    24 de agosto de 2014 a 16:15

    E esses efeitos de uns 10 anos atrás? Praticamente da época do Playstation1…

  3. jessica

    18 de outubro de 2015 a 20:54

    Nosss essse filme é mto lokooo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Os Estranhos – Caçada Noturna (2018)

Publicados

em

Caçada Noturna

[Por Felipe Macedo]

O medo da violência atinge a todos nós, cada vez mais assustados com a quantidade de casos assim em todo o mundo. Sendo assim, o único lugar em que nos sentimos seguros é nossa casa, certo? Mas imagina se um trio de assassinos mascarados começa a fazer jogos macabros para te aterrorizar e logo depois te caçar sem piedade? Essa é a trama do primeiro Os Estranhos (2008) e que foi alterada quase que por completo em sua tardia sequência. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: As Fábulas Negras (2015)

Publicados

em

Fábulas Negras

Por Jota Bosco

Rodrigo Aragão, diretor de Mangue Negro (2008), A Noite do Chupacabras (2011) e Mar Negro (2013) lança seu mais novo longa, As Fábulas Negras. Projeto que envolve, além dele, claro, alguns dos principais nomes do gênero no país como Petter Baiestorf e Joel Caetano. E pra fechar com chave de ouro, nada mais que José Mojica Marins (Sim!! José Mojica Marins, porra!!!!). (mais…)

Continue lendo

Trending