conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: R.I.P.D. – Agentes do Além (2013)

Publicados

em

ripd_ver2
Por Geraldo de Fraga
É impossível não comparar R.I.P.D. – Agentes do Além com MIB – Homens de Preto. O filme dirigido por Robert Schwentke, e estrelado por Jeff Bridges e Ryan Reynolds, tem praticamente a mesma premissa do longa sobre os agentes do governo americano que policiam os alienígenas no planeta Terra. Em R.I.P.D. saem os ETs e entram fantasmas e demônios.
filmes_2410_RIPD-1
Baseado na HQ de Peter Lenkov, Lucas Maragon e Randy Emberlin, R.I.P.D conta a história do policial Nick Cruz (Reynolds) que é assassinado e, no “Além”, entra para a polícia espectral chamada Rest in Peace Departament. Lá, ele é apresentado a seu parceiro, Roy, um oficial veterano (Bridges) que caça espíritos desde os anos 1800. A primeira missão importante de ambos envolve a morte de Cruz, que começa a descobrir diversos problemas relacionados à sua vida terrestre.
Um agente novato, fazendo um trabalho inimaginável, ao lado de um parceiro muito mais experiente. É ou não é parecido com MIB – Homens de Preto? Sim. Mas porque, ao contrário do filme com Tommy Lee Jones e Wil Smith, R.I.P.D. não funciona? Por causa de uma coisa primordial para qualquer filme e que vem sendo esquecida em várias oportunidades por quem faz blockbusters em Hollywood: Roteiro.
ripd-undead
A química entre Jeff Bridges e Ryan Reynolds até funciona em determinados momentos, mas tudo em R.I.P.D. acontece muito rápido. O começo do filme é todo corrido e os detalhes que se danem. – “Ei, cara, você era policial durante a vida e vai ser policial agora que morreu, ok?” – “Ok.” – “Esse é seu parceiro, vá caçar monstros.” – “Sim, senhor.”
Tudo bem que é um filme de comédia/aventura e que o que o expectador quer é desligar o cérebro durante 1h30 e ver efeitos especiais e piadas, mas assim também é demais. O plano do vilão, interpretado por um Kevin Bacon pra lá de preguiçoso, é algo que já foi visto em trocentas histórias de super-heróis. E tudo de mal feito durante todo o filme descamba para um final muito, mas muito, clichê.
ripd24
Se tem algo de legal é o lance dos avatares que os agentes usam para se relacionarem no mundo vivos e que rende realmente momentos engraçados. A explicação para que os mortos não consigam se comunicar com a pessoas e lhes contem o que acontece “do outro lado” também entra na pequena lista de fatos positivos.
O papel de Jeff Bridges é algo como uma mistura dos personagens que ele interpretou em Bravura Indômita e Coração Louco. Pena o érsonagem ter sido tão mal aproveitado. Ryan Reynolds continua com sua cara de banana, mas não compromete. O que prejudicou a premissa, que apesar de batida, poderia render algo interessante foi mesmo o roteiro fraquíssimo. Li por aí que a produção não foi bem na bilheterias americanas, então não deveremos ter um R.I.P.D. 2. Amém.
Nota: 4,0
Título original: R.I.P.D.
Direção: Robert Schwentke
Roteiro: Phil Hay, Matt Manfredi
Elenco: Ryan Reynolds, Jeff Bridges, Mary-Louise Parker
Origem: EUA
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=NliUQ_Kdg0o&w=640&h=360]

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Júlio César Carvalho

    12 de outubro de 2013 a 16:58

    Confio no parecer do ferinha… Talvez um dia eu veja.

  2. JC Carvalho

    24 de agosto de 2014 a 16:15

    E esses efeitos de uns 10 anos atrás? Praticamente da época do Playstation1…

  3. jessica

    18 de outubro de 2015 a 20:54

    Nosss essse filme é mto lokooo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Chalé (2020)

Publicados

em

O Chalé

Depois de fazerem barulho em 2014 com Boa Noite, Mamãe, os diretores austríacos Severin Fiala e Veronika Franz se aventuram num filme com produção em inglês. Disponível em plataformas de VOD no Brasil, “O Chalé” (The Lodge), traz em comum com o primeiro filme da dupla o universo infantil como centro do mistério e terror.

Mas falando bem sério, não gosto de Boa Noite, Mamãe. Não acho nada original e considero um quase remake de “A Inocente Face do Terror”, portanto não estava nem um pouco animado para esse projeto. Mas para minha surpresa acabei gostando de “O Chalé“, mesmo não sendo esse filmão como está sendo alardeado. A produção aborda questões interessantes.

Na trama de O Chalé, acompanhamos uma jovem que está para se tornar madrasta de dois pré adolescentes. Junto do pai das crianças, ela os acompanha em uma viagem para um chalé em lugar remoto. Na ausência do patriarca por uns dias, ficam sozinhos no tal chalé a moça e os enteados. É quando eles começam a se envolver numa trama macabra e imprevisivel onde o sobrenatural pode estar presente.

Riley Keough, no papel de Grace, carrega o filme nas costas como uma mulher traumatizada por um terrivel passado e que tenta de alguma forma se chegar nos seus enteados. Suas nuances e tranformações ajudam a dar o clima necessário de tensão para o roteiro. Os jovens atores também merecem destaque ao compor seus personagens de forma crivel.

Os diretores não tem pressa com a trama que corre a seu tempo, ficando cada vez mais opressora. Não apelam para sustos fáceis e o foco aqui são as pessoas da trama. Os enquadramentos utilizados deixam o espectador aflito. Ainda assim, nem tudo são flores na neve. O roteiro tem o uso de alguns clichês narrativos e perto do fim dá uma deslizada, mas dá aquela sacudida e se recupera com um encerramento forte e ousado.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Lodge
Direção: Severin Fiala, Veronika Franz
Roteiro: Severin Fiala, Veronika Franz, Sergio Casqui
Elenco: Riley Keough, Richard Armitage, Alicia Silverstone e outros
Ano de lançamento: 2020

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Pequenos Monstros (2019)

Publicados

em

Pequenos Monstros

Particularmente, eu não sou muito fã de comédias de terror, porém, não sou tão radical assim e sempre tem um filme aqui ou ali que caem na minha graça como o ótimo TODO MUNDO QUASE MORTO (Shaun Of The Dead, 2004). A minha dica então vem deste subgênero que me agradou: PEQUENOS MONSTROS (Little Monsters, 2019) que se encontra no catálogo do Telecine Play.

Escrito e dirigido pelo australiano Abe Forsythe, PEQUENOS MONSTROS se passa na Austrália bem no início de um apocalipse zumbi e acompanhamos os malabarismos de uma professora de primário que faz de tudo para que seus pequenos alunos não saibam o que está acontecendo, ao mesmo tempo em que tenta tirá-los de um acampamento infestado de mortos-vivos.

O destaque aqui é para a professora Caroline, vivida por ninguém menos que Lupita Nyong’o (Nós) e para as crianças, nas quais ela tenta proteger a qualquer custo. Ela não está sozinha nessa empreitada e conta com a “ajuda” de um comediante famoso e do pai de um dos alunos que só está ali pra dar em cima da moça. Aliás, esses dois caras são os personagens mais chatos do filme.

Apesar do filme se pretender bobinho e leve, a violência gráfica é até pesada, contando com bons – e nojentos – efeitos práticos que tanto podem agradar os fãs de filmes gore quanto podem chocar os pequenos que por ventura venham a assistir ao longa. Em suma, PEQUENOS MONSTROS tem seus momentos e finda num filme acima da média, mostrando-se um bom passatempo.

Título Original: Little Monsters
Direção: Abe Forsythe
Roteiro: Abe Forsythe
Elenco: Lupita Nyong’o, Alexander England, Josh Gad |
Ano: 2019
Origem: Austrália, Reino Unido, EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Caçada (2020)

Publicados

em

Caçada

Por Frederico Toscano *

Você deve ter ouvido falar de “A Caçada” (The Hunt). Era para ter saído em 2019, mas foi tanta polêmica que a estreia acabou não acontecendo. Agora o filme finalmente chega até o público, no meio da pandemia e fora dos cinemas. Traz a história de um grupo de pessoas que acorda no meio do mato e que passam a ser caçados como animais. Até aí, nenhuma novidade, a ideia é mais do que batida.

Desde o seminal The Most Dangerous Game (1932), passando pelo australiano (e brutal) Fortress (1985), o clássico de ficção científica estrelando Schwarzenegger The Running Man (1987), o japonês Battle Royale (2000), o sucesso Young Adult da franquia The Hunger Games (iniciado no cinema em 2012 e bem antes em livros) e muitos outros mais. Isso sem contar produções onde humanos são caçados por alienígenas/monstros, como a franquia Predador. E temos, claro, até mesmo um exemplo nacional e recente, o incensado filme pernambucano Bacurau, onde habitantes de uma cidadezinha no interior são caçados por gringos malvados.

Mas então, por que “A Caçada” chamou tanta atenção? É que, nesse filme, os caçadores impiedosos são membros da elite progressista (liberals é o termo mais usado, relacionado aos costumes, não ao posicionamento econômico, como ocorre no Brasil) americana, e as presas são conservadores, em uma fauna variada: donas-de-casa “pró-vida”, caipiras, negacionistas, conspiracionistas, armamentistas, militaristas e demais estereótipos.

Pois é. Até aí tudo bem. É uma obra de ficção, que claramente não se leva lá muito a sério, dentro do gênero do horror. A ideia, claro, é chocar mesmo. E tome gente morrendo de tudo que é jeito. No começo, o filme se diverte subvertendo as expectativas do público, matando todos os que parecem que vão emplacar como protagonistas. Enquanto os corpos vão se empilhando, é claro que um dos caçados vai se mostrar EXTREMAMENTE mais competente que os outros, teimando em sobreviver, começando a resistir e transformando caçadores em presa. Uma coisa meio Rambo: First Blood (sim, o primeirão, esse é o nome completo do filme, não “Rambo Um”, seus fariseus), enfim.

Nos EUA, A Caçada parece que conseguiu não agradar ninguém: Trump e os republicanos detestaram (e fizeram de tudo para melar o lançamento), talvez por medo que as pessoas assistissem e começassem a ter ideias. Democratas também odiaram, por motivos óbvios. No filme, caçadores e caçados são, quase todos, pessoas péssimas, independentemente de suas ideologias, então fica até difícil escolher um lado: vou torcer para os racistas e tiõzes homofóbicos que espalham fake news no whatsapp? Ou para os literalmente esquerdopatas, que se preocupam com apropriação cultural e em usar expressões livres de machismo enquanto desmembram pessoas?

No fim das contas, “A Caçada” não parece saber muito bem que tipo de mensagem política e/ou crítica social deseja passar, se é que deseja. É uma analogia meio abilolada da cultura do cancelamento? Uma tiração de onda com os conservadores que de fato acreditam que o mundo é dominado por uma elite progressista e politicamente correta? Uma crítica sincera à uma “esquerda festiva” e desconectada da realidade? Uma visão isentona da realidade atual, apontando o dedo para os que defendem um lado, igual ao seu primo chato que jura que votou em Amoedo no primeiro turno e nulo no segundo turno, mas que todos sabem que correu para apertar 17 em ambos os momentos?

Difícil dizer. Mas o filme tem uma sanguinolência honesta e alguns bons momentos de tensão e suspense.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Hunt
Diretor: Craig Zobel
Roteiristas: Nick Cuse e Damon Lindelof
Elenco: Betty Gilpin, Hilary Swank, Ike Barinholtz, Emma Roberts e outros
País de origem: EUA

* Especial para o Toca o Terror

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending