conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: We Are What We Are (2013)

Publicados

em

We_Are_What_We_Are_(eOne)_9
Por Geraldo de Fraga
We Are What We Are é o remake norte-americano do filme mexicano Somos Lo Que Hay (2010). Mas dessa feita, a intenção do diretor Jim Mickle não foi simplesmente refilmar o original da mesma maneira, apenas colocando atores americanos falando inglês. Nessa versão yankee, nota-se algumas mudanças no enredo.
Em We Are What We Are acompanhamos a história de uma família, cuja matriarca acaba de falecer. Ficam o pai, duas filhas jovens e o caçula, um garoto com cerca de oito anos de idade. A partir daí, o pai encarrega a filha mais velha de assumir o lugar da mãe na tarefa de “cuidar da família”, que, nesse caso, significa providenciar comida à mesa. O problema é que a comida em questão não se consegue muito fácil, já que os Parkers são uma família de canibais.
WE-ARE-WHAT-WE-ARE-FAMILY
O filme tenta explicar em flashbacks o porquê de a família comer carne humana, mas deixa mais dúvidas do quê respostas. Porém, o chefe da família é um cristão fervoroso que reza o tempo todo “lembrando” a Deus que ele e seus filhos mantém a tradição que lhes foi dada como uma missão divina. Temos aqui o personagem mais legal da trama, interpretado por Bill Sage.
Aliás, todo o elenco está bem. O que estraga We Are What We Are são os furos no roteiro. Vamos lá. O que começa a complicar as coisas para a família Parker são as fortes chuvas que começarm a cair na cidade e que, por consequência, começam a revelar vários ossos em alguns locais.
Scene-We-Are-What-We-Are-
O médico da cidade é quem encontra um desses ossos e, com a ajuda de um jovem policial, começa a investigação. Então ficamos sabendo que em cerca de 10 anos, mais de 30 pessoas desapareceram nas redondezas, incluindo a filha do médico. E ninguém, eu disse ninguém, conseguiu pegar um casal de canibais e seus três filhos pequenos nesses 10 anos, mesmo eles vivendo normalmente na cidade sem se isolar do resto da população nem nada.
A gente até relevaria esses furos de roteiro, se o filme ao menos nos mostrasse algo de interessante. Mas o marasmo é impressionante. Tudo fica para a cena final, que tenta chocar, mas depois de o filme nos deixar tão entediados, já era tarde demais para surpreender com alguma coisa. Mais uma vez, um remake descartável.
Nota: 4,0
Título nacional: Somos o que Somos
Direção: Jim Mickle
Roteiro:  Nick Damici, Jim Mickle
Elenco: Bill Sage, Ambyr Childers, Julia Garner
Origem: EUA, França

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: Somos Lo Que Hay (2010) | Toca o Terror

  2. Júlio César Carvalho

    12 de dezembro de 2013 a 19:15

    Nesse caso, o original também é descartável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]
Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “Suspiria”. A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: O Mundo Sombrio de Sabrina (2018)

Publicados

em

O Mundo Sombrio de Sabrina

[Por Jarmeson de Lima]

Ocultismo, bruxaria e paganismo em uma série para um público adolescente tem mais conteúdo macabro do que muito seriado com renome por aí. “O Mundo Sombrio de Sabrina” (Chilling Adventures of Sabrina) tem se revelado muito mais do que uma releitura da série de TV dos anos 90 que apresentava uma simpática feiticeira ajudando seus amigos com truques de mágica. (mais…)

Continue lendo

Trending