conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Sobrenatural: Capítulo 2 (2013)

Publicados

em

Por Jarmeson de Lima
Antes de mais nada, não custa avisar que quem não assistiu “Insidious” (2010), perderá um bocado de referências e entendimento da história que se passa neste novo filme de James Wan. Mas caso você tenha visto há muito tempo e esquecido, aqui a gente refresca sua memória.
O primeiro filme termina quando Josh Lambert (Patrick Wilson) finalmente acorda do mundo dos mortos e resgata seu filho perdido no meio do limbo sobrenatural. Teria sido um final feliz se não tivesse ocorrido algo inesperadamente estranho e que ficou no ar. É quando nos damos conta de que a parapsicóloga Elise Rainier (Lin Shaye) foi estrangulada e morta por alguma coisa que acredita-se que veio junto com Josh da outra dimensão.
insidious-chapter-2-image02
É a partir desta investigação que “Insidious: Chapter 2” começa. Não sem ter antes um flashback que apresenta os primeiros tratamentos realizados com Josh, quando criança para esquecer e bloquear de sua memória este “dom” de se comunicar com as almas. Basta dizer que esta cena não apareceu ali à toa. Foi encaixada ali estrategicamente para ser revisitada mais adiante por uma nova e reveladora perspectiva.
Por sinal, é jogando um pouco com estas portas entre o mundo dos vivos e dos mortos, e de presente e passado, que James Wan confere um salto maior de qualidade entre o primeiro filme e esta continuação direta. A produção segue o mesmo clima tenso e soturno de “The Conjuring“, provocando medo no espectador com os mesmos efeitos de portas se abrindo e fechando repentinamente, coisas que mudam de lugar e uma trilha que mantém um suspense sem se tornar exagerada.
insidious-2-excl-1
De exagero, na verdade, vem apenas a ânsia da trama em revelar do meio pro final a origem dos espíritos e as possíveis soluções para dar um fim a este tormento. A partir deste ponto, algumas cenas se tornam óbvias e redundantes, sendo possível até momentos de alívio cômico proporcionados pela dupla Tucker e Specs (Angus Sampson e Leigh Whannell).
Ao final dos 105 minutos de projeção, o sentimento que fica é que Insidious 1 e 2 poderiam ter sido um filme só. Se no primeiro, a tensão não engrena e o carisma dos personagens fica em segundo plano frente às aparições. Neste novo filme, ficamos entendendo melhor a aflição da família Lambert e procuramos entender como e, principalmente, o quê está apavorando a casa.
E é só. Contar mais do que isso seria correr o risco de mandar spoilers e lhe tirar a sensação de ir descobrindo pouco a pouco o que a trama desse filme tem de “sobrenatural” e o que pode ou poderia render daqui em diante.
Título original: Insidious: Chapter 2
Direção: James Wan
Roteiro: Leigh Whannell (baseado na história de James Wan)
Elenco: Patrick Wilson, Rose Byrne, Barbara Hershey
Origem: EUA, Canadá
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=NVvvQBV6_EI&w=460&h=330]
* Filme visto na Cabine de Imprensa promovido pela Espaço Z no Cinemark Rio Mar

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RETROSPECTIVA: Buscas no blog | Toca o Terror

  2. Pingback: COMEMORAÇÃO: 1 Ano | Toca o Terror

  3. Pingback: RESENHA: Sobrenatural – A Origem (2015) | Toca o Terror

  4. Pingback: RESENHA: Unfriended (2014) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending