conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Antisocial (2013)

Publicados

em

Antisocial 2013 movie poster

Por Geraldo de Fraga

Quando George A. Romero, lá 1968, concebeu A Noite dos Mortos-Vivos, dava-se início a uma era onde alguns filmes de horror, além de assustar, teriam suas histórias recheadas de metáforas para criticar a sociedade americana. E nenhum cenário é melhor para promover esse tipo de debate do que um cenário apocalíptico.

Seja uma invasão zumbi, a propagação de um vírus letal ou uma invasão alienígena, o caos estabelecido onde antes havia ordem é um prato cheio para esse tipo de “cinema-protesto”. O próprio Romero já criticou o consumismo deixando seus personagens isolados em um Shopping Center, enquanto do lado de fora, uma horda de mortos-vivos tentava invadir o lugar. (Rolezinho? Pesquisar…)

antisocial-1

Não foram tantos diretores assim que se propuseram a esse debate, infelizmente. Mas existe uma leva de cineastas que tendem por essa ramificação. Cody Calahan, no seu longa de estréia, Antisocial (2013), onde também assina o roteiro, monta uma obra que se ergue contra a dependência crescente das pessoas em relação às redes sociais. Fica claro que a crítica em questão é contra a super exposição e à falta de privacidade.

Acompanhamos a história de cinco amigos que decidem passar a noite de ano novo juntos, na casa de um deles. Antes, porém, ficamos sabendo que quase todos possuem perfis em um facebook fictício chamado Social RedRoom e quais são seus níveis de dependência com o site. A menina que não desgruda do Iphone e posta fotos a cada minuto, exemplifica bem.

antisocial-movie-bloody-vlog-webcam

Conforme o tempo vai passando, vários relatos chegam pela TV e pela Web de que tumultos estão acontecendo em diversas partes do mundo. Pessoas se atacando nas ruas, sem motivo ou causa aparente, inclusive, na cidade onde eles estão. Assustados, os jovens decidem se trancar dentro de casa e ficar acompanhando as notícias em segurança.

A decisão de Cody Calahan em manter os personagens em isolamento, enquanto a balbúrdia corre desenfreada mundo afora, é acertada. Isolamento é essencial nesse tipo de filme. Esqueçam as ruas de Israel sendo tomadas por zumbis em Guerra Mundial Z. Terror funciona sempre melhor com confinamento.

antisocial003

Infelizmente essa é a única decisão acertada de Cody Calahan. Quando os personagens começam a desconfiar que o vírus pode ser transmitido (e de fato é) quando se acessa a RedRoom, desfila-se aquele festival de clichês presentes em 9 de cada 10 produções do gênero, com mil e uma trapalhadas e decisões estúpidas a cada minuto.

O elenco também é fraquíssimo. Os efeitos são bons, mas como não são essenciais à história servem só de enfeite. Cody Calahan ainda conseguiu enfiar no roteiro uma história de amor pra lá de insossa. A soma de todos esses erros, claro, levou o filme a uma conclusão no mínimo patética.

E o discurso criticando a juventude viciada em redes sociais? Dava pra escrever em 140 caracteres ou postar na timeline de alguém. Não precisava de um filme.

Nota: 3,0

Direção: Cody Calahan
Roteiro: Chad Archibald, Cody Calahan
Elenco: Michelle Mylett, Cody Ray Thompson, Adam Christie
Origem: Canadá

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=wCM4Uu7DC2w&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em


[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Trending