conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Goeng Si (Rigor Mortis) (2013)

Publicados

em

rigor-mortis-poster

Por Geraldo de Fraga

A melhor coisa de Goeng Si (Rigor Mortis), escrito por Lai-yin Leung e Philip Yung, e dirigido pelo estreante Juno Mak, é o roteiro sem pé nem cabeça. O que (quase sempre) é um defeito que acaba afugentando o espectador, aqui passa despercebido. Isso porque essa produção chinesa de 2013 nos proporciona um espetáculo visual daqueles que só o cinema asiático pode dar.

O longa está sendo vendido como um filme de vampiros. Não deixa de ser, mas não falamos dos vampiros tradicionais com caninos afiados e que fogem da luz do sol. Na China, é com o “Jiang Shi” que as pessoas têm que se preocupar. Uma criatura das trevas que é combatida… com arroz!

Rigor-Mortis

A história começa quando o ator em decadência Siu-Ho Chin (que também é seu nome de batismo) se muda para um enorme prédio em Hong Kong, após um divórcio traumático. Lá, também mora Yau (Anthony Chan), um caçador de vampiros aposentado que virou cozinheiro e tem um restaurante onde o prato principal é… arroz.

Além dessa figura bizarra, temos uma maluca sensitiva que reside com o filho pequeno no subsolo do edifício. Como se seus vizinhos não fossem motivos suficientes para querer morrer, deprimido pela separação que o deixou longe do filho pequeno, Siu-Ho Chin tenta suicídio.

É nessa hora que ele conhece Yau. Mas na mesma hora que o velho salva a sua vida, ele descobre que seu apartamento é assombrado por fantasmas de irmãs gêmeas malignas. Achou pouco? Paralelo a tudo isso, existe um feiticeiro no prédio que está preparando um “experimento” que, como era de se esperar, sairá do seu controle e colocará a vida de todos em risco.

4-rigor-mortis

A junção de tanta coisa é na verdade uma série de homenagens aos filmes de terror chineses dos anos 80. Em especial a Geung si sin sang (Mr. Vampire), de 1985, onde Siu-hou Chin também atua ao lado de Anthony Chan, e que se tornou um clássico do cinema fantástico oriental.

E na função de tributo a que se propõe, Rigor Mortis é impecável. Os efeitos especiais podem não ser primorosos como em produções de Hollywood, mas trazem uma criatividade que quase nunca é vista aqui no lado ocidental. Enquanto os americanos se preocupam em copiar o design dos fantasmas asiáticos, eles nos mostram uma novidade a cada dia.

rigor_mortis1__large

Além disso, as cenas de lutas, que não poderiam ficar de fora de um longa chinês de aventura/ação/fantasia/terror/miscelânea, estão perfeitas. Além das coreografias bem ensaiadas, a belíssima fotografia dá um toque todo especial. Goeng Si (Rigor Mortis) é um espetáculo visual de alto nível.

Nota: 7,0

Direção: Juno Mak
Roteiro: Lai-yin Leung, Philip Yung
Elenco: Anthony Chan, Siu-Ho Chin, Fat Chung
Origem: Hong Kong

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=opBwIkiGtFA&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Lucas

    16 de fevereiro de 2014 a 14:22

    muito bom!

  2. Regiane Mattos

    21 de julho de 2014 a 17:51

    Um filme realmente cheio de detalhes misticos da cultura oriental. E particularidades dos personagens em cena que induzem ao lado sombrio e perturbador atingindo assim seu gênero.

  3. Ana Paula

    10 de janeiro de 2015 a 18:00

    O filme todo você fica: “Hã? O quê? Ma que…? Até chegar ao fim, quando tudo se encaixa e se explica. Depois de uma hora e quarenta achando que acabou de assistir uma bizarrice japonesa, vc finalmente entende tudo e descobre que, no final das contas, assistiu um filme bom.

  4. Diogo Soares

    17 de fevereiro de 2016 a 03:57

    Cara, como assim, fiquei pasmo no final! O filme é uma sucessão de surpresas, tudo é possível nele! E daí quando você acha que terminou, que você não entendeu porra nenhuma e que vai ficar por isso mesmo, daí vem a bomba!

  5. Yuri Big Boss

    12 de Maio de 2016 a 16:54

    Este filme é sensacional, uma obra de arte, e quase único do gênero ^-^

  6. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending