conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Blutgletscher (2013)

Publicados

em

A1-Blutgletscher.indd

Por Geraldo de Fraga

Todo mundo sabe que, na história do cinema, existe uma infinidade de filmes parecidos uns com os outros. Não estamos falando de remakes ou de adaptações, apenas de uma idéia inicial que pode seguir caminhos diferentes e gerar obras independentes tendo apenas em comum um ponto de partida semelhante.

Existem vários filmes com a mesma premissa e que se valem de enredos diferentes para se manterem distantes, primando, claro, pela qualidade do roteiro. Infelizmente, não foi o que o austríaco Marvin Kren conseguiu fazer com Blutgletscher, seu segundo longa, lançado no ano passado. É impossível assisti-lo sem que as comparações com Enigma do Outro Mundo, de John Carpenter, surjam de cinco em cinco minutos.

Vamos à sinopse: Em uma estação de pesquisa na região dos Alpes na Áustria, uma equipe de três cientistas está realizando um trabalho de coleta geológica. A relação entre eles é tranquila. O ponto de turbulência do local fica a cargo do técnico Janek (Gerhard Liebmann) – personagem pra lá de inspirado no R.J. MacReady do Kurt Russell – que está sempre bêbado e de mau humor, a não ser com seu cachorro Tinnie.

blutgletscher12

Em meio a uma das expedições, ele e um dos cientistas encontram um material biológico que brota de uma geleira e, claro, levam uma amostra para o laboratório. A coisa se revela uma forma de vida totalmente desconhecida. Ainda durante essa expedição, Tinnie é atacado, supostamente por uma raposa, e retorna ferido.

Em uma segunda visita ao local, eles acham uma estranha criatura e a coletam para estudo. A partir daí, o roteiro descamba para uma sucessão de fatos apressados. Em apenas uma olhada no microscópio, a especialista em biologia do local já descobre do que se trata o achado. Um tipo de organismo que consegue combinar os DNAs de todas as formas de vida com as quais entra em contato através do sangue. Para explicar melhor: o organismo começa a criar animais que são uma mistura de vários bichos. Logo de cara, a estação de pesquisa começa a ser atacada por uma raposa-cachorro-pulga que deixa todo mundo em estado de alerta.

Como se não bastasse a confusão armada, está agendada para o dia seguinte a visita da ministra de Meio Ambiente austríaca às instalações da pesquisa. Enquanto a equipe de cientistas tenta esconder a descoberta da autoridade, Janek tenta alertá-los do perigo, tendo em vista que sua ex-namorada está vindo para o local junto com a comitiva da autoridade em questão.

Gletscherblut

Esse segundo núcleo do filme, onde está a mocinha, também começa a ser perseguido por algumas criaturas. E são nessas cenas que fica evidente o baixo orçamento do filme. Enquanto que na investida da raposa-cachorro-pulga, o bicho não aparece por inteiro, nesse segmento os planos são abertos e vemos um falcão mutante criado com um CGI paupérrimo, no melhor estilo SyFy Channel.

Quando os dois grupos se encontram, o filme vira simplesmente a história de um monte de gente presa em um local isolado sendo atacado por seres mutantes. Porém, ali estava a chance de Marvin Kren “enfeitar” sua obra com todo tipo de criatura bizarra, algo totalmente esperado dado a sua premissa. Mas não é o que acontece. Tirando os dois monstrinhos já citados, pouca coisa interessante surge diante das câmeras.

E quando você começa a desejar que tudo aquilo termine o mais rápido possível, pois aquela sensação de perda de tempo já lhe dominou, vem a cereja do bolo. E o que já estava ruim, piora. Piora muito. O final que Blutgletscher nos reserva é um dos desfechos mais melosos e ridículos de toda a história do terror/ficção científica. Ver esse longa austríaco só tem uma coisa de bom: dá uma vontade danada de assistir Enigma do Outro Mundo.

Nota: 1,0

Direção: Marvin Kren
Roteiro: Benjamin Hessler, Marvin Kren
Elenco: Gerhard Liebmann, Edita Malovcic, Santos
Origem: Áustria

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=Vs77XEappHA&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending