conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Wer (2013)

Publicados

em

Wer2013BrentBellMoviePoster

Por Geraldo de Fraga

Certas vezes, um filme de terror se torna relevante por recriar alguma figura clássica, dando a ele uma nova abordagem ou uma origem diferente. São muitos os diretores que tentaram dar um novo gás e reformular alguns personagens clássicos. Porém, para fazer um bom filme não basta só isso. Sem um roteiro consistente e atuações que cativem o espectador, apenas uma premissa interessante não segura a onda.

E foi o que aconteceu com William Brent Bell ao tentar revigorar o mito do lobisomem em Wer, filme de 2013, onde também escreveu o roteiro junto com Matthew Peterman. Ambos já haviam feito essa dobradinha em Stay Alive – Jogo Mortal (2006) e A Filha do Mal (2012).

Wer-Movie

Em Wer, acompanhamos a saga da advogada Kate Moore (A.J. Cook) que assume a defesa de Talan Gwynek (Brian Scott O’Connor) um morador do interior da França, acusado de estripar uma família de turistas ingleses que passava férias no local. Assegurado pela sua equipe investigativa de que o ataque foi na verdade provocado por um animal, ela tenta provar a inocência do seu cliente.

O filme faz uso do estilo found footage, mas a maioria das cenas foram rodadas da forma tradicional. Tecnicamente o filme não é tão fraco. Há poucas cenas de efeitos especiais, mas são bem feitas, na medida do possível, para um filme de baixo orçamento.

E na sua intenção de “reciclar” as histórias de lobisomens, William Brent Bell até que não decepciona. Sai de cena a clássica maldição, e a condição de ficar sob o domínio da lua vira algo hereditário, passado de pai para filho, em várias gerações da família Gwynek.

wertoppic1

O filme também acerta em não transformar a “licantropia” em uma simples doença. Há, sim, algo de sobrenatural naquele lobisomem, mas o diretor deixa subentendido. O que é legal, pois dá margem para outras interpretações. As cenas de violência também são bem feitas.

O que complica mesmo é a história ruim e os vários furos no roteiro. Primeiro, o filme demora muito a engrenar. São quase 40 minutos para alguma coisa relevante acontecer. O que é algo sem sentido para um filme que dura apenas 1h30m. Uma trama paralela sobre a morte do pai de Talan tenta dar uma profundidade maior ao argumento, mas falha.

As motivações dos protagonistas também não convencem. Impossível ter simpatia com personagens tão rasos. Além disso, quando a transformação do lobisomem se dá por completo, vem junto com ela uma ação desenfreada que transforma Wer em um longa de perseguição, deixando o mistério de lado e se concentrando em lutas e embates entre a polícia e o monstro, no melhor estilo “O Incrível Hulk”.

https://www.youtube.com/watch?v=7fx5arSbm3A

Em se tratando de um filme de lobisomem, é claro que esperamos o monstro ser caçado impiedosamente, mas as cenas parecem que saíram de uma comédia de erros. Com direito a uma cena final envolvendo a protagonista que mais parece ter sido escrita por alguém que estava com preguiça de imaginar um desfecho melhor.

Costumamos dizer nos podcasts do Toca o Terror que o lobisomem é um dos monstros mais azarados do cinema, pois são poucas as produções sobre ele que são realmente relevantes. Wer mantém essa maldição sobre a criatura da lua cheia.

Nota: 3,0

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending