conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Afflicted (2013)

Publicados

em

MV5BMjEzOTczNzA0NF5BMl5BanBnXkFtZTgwMTgwNTYyMTE@._V1_SX640_SY720_Por Geraldo de Fraga

Com a enxurrada de filmes no estilo Found Footage que vêm surgindo nos últimos anos, já tivemos zumbis, lobisomens, fantasmas, alienígenas, trolls, psicopatas e até o Pé-Grande. Por isso, era óbvio que o personagem mais popular do cinema de horror não iria ficar de fora de toda essa festa.

Afflicted (2013) é o filme responsável por trazer os vampiros para esse universo. E o longa dirigido, escrito e até estrelado pela dupla Derek Lee e Clif Prowse, que inclusive usam seus próprios nomes em cena, consegue dar um novo gás nesse estilo já desgastado após tantas produções de baixo nível.

derek-lee-in-afflicted-(2013)

Na história, Derek é diagnosticado com um problema no cérebro que pode lhe matar a qualquer momento. Então ele resolve abandonar o emprego e partir em uma viagem ao redor do mundo no melhor estilo “aproveitar a vida”. Seu amigo de infância, o documentarista Clif, resolve acompanhá-lo na empreitada, registrando toda a aventura e postando em um vídeo blog. Assim, não espere pelo habitual found-footage com imagens caseiras. Tudo aqui é registrado com equipamentos profissionais.

Voltando a falar do enredo, os amigos começam a viagem por Barcelona e em seguida partem para Paris. E é na capital francesa onde a ação realmente começa. Após ficar com uma garota em um bar, Derek é encontrado desacordado e ferido no quarto do hotel onde estava hospedado. Devido à aparente superficialidade das lesões, ninguém se preocupa em procurar um médico e decidem seguir viagem.

afflicted-(2013)-large-picture

Na parada seguinte, em Veneza, Clif começa a perceber as mudanças apresentadas em seu amigo, como sensibilidade à luz e aumento de força e velocidade. Porém, nesse primeiro momento, o longa perde um pouco da sua característica de terror. Clif começa a registrar Derek apostando corrida com uma moto, levantando um carro e pulando de um prédio para o outro. Fica mais com cara de filme de super-herói do que qualquer outra coisa.

Mas quando a necessidade de Derek por sangue surge na trama, os diretores acertam a mão. O objetivo de mostrar novas perspectivas através dos diversos ângulos que as lentes podem proporcionar quando usadas de maneira inusitada é realmente alcançado. As cenas de ataque, quando Derek atua com uma câmera acoplada em seu peito são espetaculares.

derek-lee-in-afflicted-(2013)-large-picture

O estilo found-footage aqui não é conduzido da forma usual, com o velho argumento da fita perdida que foi encontrada e contém um segredo. Pelo contrário. Diariamente, Clif posta as filmagens no vídeo blog e, em alguns momentos, os internautas interagem com os dois através de comentários na página.

Afflicted tem as falhas recorrentes do estilo que resolveu adotar, como diálogos apressados e a ausência de maiores explicações sobre o tema abordado. Mas é tecnicamente muito bom e conseguiu se sobressair no universo do Found Footage. Deixamos aqui um alerta para a cena pós-créditos que além de servir de gancho para uma possível continuação é a melhor do filme. Na última sessão do Cineclube Toca o Terror, nosso convidado Rodrigo Carreiro deixou esse filme como dica. E ele estava certo em elogiá-lo!

Nota: 7,5

Direção: Derek Lee, Clif Prowse
Roteiro: Derek Lee, Clif Prowse
Elenco: Clif Prowse, Derek Lee, Michael Gill
Origem: Canadá e EUA

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=WkvCNae3Ip8&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Rodrigo Carreiro

    22 de julho de 2014 a 22:57

    opa, boa crítica!! (y)

  2. Mauro

    24 de julho de 2014 a 18:48

    Show de bola! Valeu, Gera! Devo ver na sexta essa aí!

  3. Pingback: LISTA: Found Footages que valem a pena serem vistos | Toca o Terror

  4. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Hora da Sua Morte (2020)

Publicados

em

A Hora da Sua Morte

Nos últimos dez anos a Blumhouse deu o tom das produções de terror de baixo orçamento. Fez filmes com boas premissas, elenco iniciante, roteiros ágeis e muito jumpscare. Eis que agora chega às telas “A Hora da Sua Morte” (Countdown), um filme que tem todas essas características, mas que NÃO É da Blumhouse. Talvez até por isso tenha se saído melhor que a média desta produtora. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Trending