conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: The Den (2013)

Publicados

em

the-den_ver2_xlg

Por Jarmeson de Lima

Nada mais aterrorizante do que aquele tipo de filme baseado em situações verossímeis, onde o que estamos assistindo também pode acontecer conosco. No caso de “The Den“, dirigido pelo estreante Zachary Donohue, o terror pode ser real, ainda mais quando se adentra na “Deep Web” e quando se tem stalkers à solta por aí.

Em uma narrativa de found-footage… ou melhor, de web-footage, o filme apresenta personagens que surgem apenas em frames e janelas de gravação pela Internet mediados através de uma rede social chamada também de “The Den“. Vale ressaltar uma coisa que essa produção faz bem ao formato “footage”: não há câmeras externas ou outros pontos de vista além da webcam ou da câmera do celular ligada ao login da personagem principal.

the-den-pic

Essa rede virtual assemelha-se ao já “antigo” ChatRoullete, onde as pessoas em frente às suas webcams ficam batendo papo e se exibindo (ou se masturbando) através de janelas que aparecem aleatoriamente. Com o sucesso instantâneo que ferramentas como essa provocam, uma estudante resolve analisar o “The Den” como objeto de pesquisa. Para isso, deixa a câmera do seu macbook ligado 24h por dia gravando o que se passa na tela fulltime, incluindo até os ícones de área de trabalho.

Eis que durante uma rodada rotineira de bate-papo, ela encontra uma mulher amordaçada em frente à tela sendo torturada. Agora pare um pouco e pense… qual seria sua reação ao presenciar uma coisa dessas? Pois bem, não sei a sua, mas a dela foi a de pavor e de tentar depois avisar aos amigos e parentes o que tinha ocorrido com a figura da qual não fazia a menor noção de quem era.

The_Den_screen

A partir deste momento, o filme começa a tomar um rumo um tanto quanto previsível, mas ainda tenso. As gravações em vídeo vão mostrando as tentativas da garota em investigar o caso, apresentando as provas às autoridades e aquela coisa meio manjada de seguir as pistas por conta própria.

Mas como estamos lidando com a Internet e todas as suas possibilidades, nada pode assustar mais você, internauta, do que ver seu próprio computador ser manipulado à distância. O medo de ser hackeado aparece aqui e nos apresenta uma série de cenas interessantes em seus desdobramentos. Desta forma, a busca da protagonista pela vítima acaba lhe conduzindo a uma jornada cada vez mais sinistra até culminar em um final que, se não é tão original, pelo menos não é ruim.

the-den-photo-52f4d1257db13

Como esta é uma produção independente e os atores são desconhecidos, podemos esperar sempre algo a mais, sem esses pudores de produção mainstream ou final feliz. O interessante de “The Den” é ver como este filme pode servir como um retrato atual das profundezas da Internet (mesmo que o filme apresente essa profundeza de forma superficial) e lhe deixe tenso ao saber que tudo isso pode estar acontecendo neste momento, onde conspirações podem ser reais e você não sabe realmente se na vida virtual existe a tal da privacidade.

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: Perseguição Virtual (2014) | Toca o Terror

  2. Pingback: TRAILER: Unfriended (2015) | Toca o Terror

  3. Jeff

    6 de Maio de 2015 a 15:36

    O filme é praticamente baseado em uma das lend…digo,contos,da Deep Web.
    Assim como as “Lolittas Sex Slave Dolls”.
    Muita boa a Resenha! Nota 1000!

  4. Pingback: RESENHA: Unfriended (2014) | Toca o Terror

  5. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending