conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Amantes Eternos (2014)

Publicados

em

only_lovers_left_alive_ver5Por Geraldo de Fraga

Não é de hoje que histórias de vampiros são utilizadas em metáforas. Não é de hoje mesmo. Lá em 1897, quando Bram Stoker lançou Drácula, o personagem principal da sua obra já elegia os moradores do Leste Europeu como os vilões da Europa contra a parte mais rica do continente. Com Entrevista com o Vampiro, Anne Rice abordou a temática gay. E por aí vai….

Em Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive, 2014), que chegou aos cinemas brasileiros nesta semana, o diretor e roteirista Jim Jarmusch constrói uma narrativa em que usa os seres da noite como pano de fundo para criticar a mediocridade da produção cultural atual. Razões, infelizmente, ele tem de sobra.

only-lovers-left-alive-tom-hiddleston

Adam (Tom Hiddleston) é um vampiro secular, e também astro do rock, que vive recluso do mundo por conta do tédio que desenvolveu em relação aos humanos, aos quais ele dá a pejorativa alcunha de “zumbis”. Preocupada com a depressão dele, sua amante de longa data Eve (Tilda Swinton) decide encontrá-lo e lhe fazer companhia.

Talvez o discurso sobre a mediocridade do mundo atual soe piegas e até mesmo já gasto, mas Jarmusch consegue tornar o filme interessante em vários aspectos. Primeiro pela escolha do elenco. Tilda Swinton e Tom Hiddleston estão perfeitos. A participação de John Hurt como o escritor Christopher Marlowe, mesmo pequena, é bem marcante. Até a insossa Mia Wasikowska rouba a cena quando aparece.

Outro mérito do filme é mostrar os vampiros como seres que, devido a estarem tantos anos na Terra, possuem uma bagagem cultural enorme. E após conviverem com os maiores artistas e cientistas de todos os tempos, é natural que tudo feito nos dias de hoje os desagradem. Isso fica mais claro na obsessão de Adam por instrumentos musicais antigos e na forma como sua casa é retratada: um amontoado de livros e discos, dos quais ele reluta em se desfazer.

only-lovers-left-alive-jim-jarmusch-05

Além disso, os vampiros também evoluíram em sua natureza. Ao contrário do que acontecia por volta do século XV, como Eve cita em uma cena, eles não se alimentam mais através de ataques a humanos. Fica a cargo da personagem de Mia Wasikowska, Ava (irmã mais nova de Eve), o estigma da clássica predadora, do tipo sensual, sedenta por sangue e que não faz a mínima cerimônia em matar para se alimentar. No filme, algo como a irmã mais nova irresponsável e fútil.

Amantes Eternos não é um longa de terror, mas um que se utiliza de elementos do gênero para contar uma boa e interessante história. Principalmente se você também não aguenta mais os vampiros de True Blood e Crepúsculo. As referências culturais que Jim Jarmusch inseriu durante todo o roteiro, que nos lembra obras como Sandman, ainda é um atrativo a mais. E nem precisa ter toda a bagagem cultural de Adam e Eve para apreciar o filme.

Nota: 8,0

Título original: Only loves Left Alive
Direção: Jim Jarmusch
Roteiro: Jim Jarmusch
Elenco: Tilda Swinton, Tom Hiddleston, Mia Wasikowska
Origem: Reino unido, Alemanha, França, Grécia e Chipre

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=ycOKvWrwYFo&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Julia

    18 de agosto de 2014 a 17:40

    Adorei o filme e finalmente uma nota 8,0! Uhuu

  2. jorofer

    13 de agosto de 2015 a 19:25

    Realmente um excelente filme, um destaque para a trilha sonora que é sensacional.

  3. jorofer

    13 de agosto de 2015 a 19:25

    Realmente um excelente filme, um destaque para a trilha sonora que é sensacional.

  4. Heloisa Gabrielly

    5 de julho de 2018 a 23:50

    Filme lindo, fotografia incrível, trilha sonora do caralho e atores maravilhosos. Uma obra de arte audiovisual.

  5. Heloisa Gabrielly

    5 de julho de 2018 a 23:50

    Filme lindo, fotografia incrível, trilha sonora do caralho e atores maravilhosos. Uma obra de arte audiovisual.

  6. Pingback: RESENHA: Os Mortos Não Morrem (2019) | Toca o Terror

  7. Pingback: RESENHA: Os Mortos Não Morrem (2019) | Toca o Terror

  8. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

  9. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Os Estranhos – Caçada Noturna (2018)

Publicados

em

Caçada Noturna

[Por Felipe Macedo]

O medo da violência atinge a todos nós, cada vez mais assustados com a quantidade de casos assim em todo o mundo. Sendo assim, o único lugar em que nos sentimos seguros é nossa casa, certo? Mas imagina se um trio de assassinos mascarados começa a fazer jogos macabros para te aterrorizar e logo depois te caçar sem piedade? Essa é a trama do primeiro Os Estranhos (2008) e que foi alterada quase que por completo em sua tardia sequência. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: As Fábulas Negras (2015)

Publicados

em

Fábulas Negras

Por Jota Bosco

Rodrigo Aragão, diretor de Mangue Negro (2008), A Noite do Chupacabras (2011) e Mar Negro (2013) lança seu mais novo longa, As Fábulas Negras. Projeto que envolve, além dele, claro, alguns dos principais nomes do gênero no país como Petter Baiestorf e Joel Caetano. E pra fechar com chave de ouro, nada mais que José Mojica Marins (Sim!! José Mojica Marins, porra!!!!). (mais…)

Continue lendo

Trending