conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Baby Blues (2013)

Publicados

em

Baby-Blues-2013-6[1]

Por Júlio César Carvalho

Nem o terror asiático se salva de ter filmes ruins. Esse exemplar chinês entra pra categoria “vergonha alheia” com muito requinte e determinação.

Um jovem casal se muda para uma casa linda. Lá, encontram uma boneca deixada pelos donos anteriores e resolvem adotá-la. Em frente à mansão vive um sem-teto que os adverte que eles devem ir embora, mas lógico que é ignorado. Ela é uma blogueira que descobre estar grávida de gêmeos e ele um produtor musical que precisa criar uma música para uma estrela do pop local.

Untitled-4

Durante o processo criativo, já em casa, sem querer ele derruba a boneca que cai no teclado formando uma sequência de notas. Tá feita a música! Mas ao ouví-la, a cantora se acidenta gravemente. Daí por diante, várias coisas sinistras começam a acontecer. Flashes da boneca em um movimento meio mangá intercalam todas as sequências mortais da trama para entendermos sua influência nos eventos. Porra! Os caras usam a mesma cena (a boneca apontando o dedão pra tela) de arquivo toda hora, tipo quando Hulk se transformava na série antiga ou quando o Jaspion chamava o Daileon.

Untitled-2

Falando nesses vícios, o diretor, Po-Chih Leong (Fora do Alcance com Steven Seagal e O Detonador com Wesley Snipes) é praticamente um Zack Snyder “Made in China”. O cara abusa das inúmeras tomadas de computação gráfica em câmera lenta afim de torná-las épicas, mas acaba por banalizá-las. Não adianta ter uma fotografia cristalina e uma edição rebuscada se isso não serve para a imersão do espectador na história que está sendo contada. As atuações são ruins e não valem um parágrafo sequer para comentar.

Já o terrível roteiro, após nos convencer que a boneca exerce uma influência letal na vida de quem escuta a música ou cruza seu caminho, o mesmo nos apresenta um arco dramático quando um dos gêmeos morre na hora do parto, causando um estado de Baby Blues (tipo um início de depressão pós-parto) justificando assim o nome do longa. Daí em diante, ela passa a agir como se a boneca fosse o bebê morto e assim cria ambos os “filhos” com total apoio do marido (COMO ASSIM?!) que age como se fosse normal aquela situação.

Untitled-5

Os efeitos práticos são negativamente hilários, causando total “vergonha alheia” até por se tratar de um filme de 2013. Em um momento, por exemplo, em que a mãe deixa o bebê sobrevivente cair da varanda da casa (!), vemos nitidamente uma boneca daquelas que mija, arrota etc (possivelmente da Estrela – exemplo).

Outro momento ridículo dos efeitos artesanais é quando a boneca maldita, agora andando, segue “chutando”(!) o bebê afim de rolá-lo até a piscina. Estranho porque falhas grotescas como essa contrastam com belos momentos em CGI com câmera lenta que lembram aquela franquia Premonição (Final Destination), onde a morte em si é a vilã. A boneca amaldiçoada, ora atua mais na manipulação do ambiente para conseguir a morte de alguém, ora se mexe ao bom estilo Chucky. Aí você me pergunta: E a boneca é assustadora? Não!

Untitled-1

Já falei demais sobre esse filme que só erra. Nem a revelação causa espanto. O irritante é que Baby Blues é um filme que se leva a sério e até que tenta, mas falha miseravelmente em sua tentativa de causar medo. Com um roteiro fraco e uma direção solta, nem o requinte visual ajuda nessa missão básica de um filme de terror. Ah, e o final? Mais clichê impossível!

Veredito: UM CU CAGADO!

Direção: Po-Chih Leong
Roteiro: Bak-Ming Wong
Elenco: Sing Kwan Janelle, Raymond Lam, Hoi-Pang Lo
Origem: China

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Mm9rYz95QgM&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]
Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “Suspiria”. A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: O Mundo Sombrio de Sabrina (2018)

Publicados

em

O Mundo Sombrio de Sabrina

[Por Jarmeson de Lima]

Ocultismo, bruxaria e paganismo em uma série para um público adolescente tem mais conteúdo macabro do que muito seriado com renome por aí. “O Mundo Sombrio de Sabrina” (Chilling Adventures of Sabrina) tem se revelado muito mais do que uma releitura da série de TV dos anos 90 que apresentava uma simpática feiticeira ajudando seus amigos com truques de mágica. (mais…)

Continue lendo

Trending