conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: I Am a Ghost (2012)

Publicados

em

igho33st[1]Por Júlio César Carvalho

I AM A GHOST é o longa de estreia do diretor americano H.P. Mendoza e foi produzido de maneira independente em 2012 através de arrecadações no Kickstarter, mas só agora, em 2014, é que teve seu lançamento em home vídeo (HD Digital e DVD). Nesse meio tempo, o filme vem sendo exibido em vários festivais pelo mundo, chamando atenção do público, da crítica e acumulando premiações em diversas categorias.

Untitled-1

Logo de início, descobrimos que a moça se trata de uma fantasma que não tem consciência que está morta. São inevitáveis as comparações com o clássico Os Outros (2001) ou até mesmo com o mais recente Haunted (2012), mas as semelhanças param por aí. Com o passar das conversas entre Emily e Sylvia, vamos descobrindo, junto com a fantasma, tudo o que aconteceu até sua morte e é durante esse processo que o filme vai ganhando força e tensão. Algumas repetições podem incomodar de início, mas é tudo justificado pois à medida que a personagem vai evoluindo essas reprises vão ganhando novos detalhes, tudo vai ganhando forma gerando a expectativa e o interesse pela conclusão da trama.

É muito legal acompanhar a evolução de Emily através de suas descobertas. A atuação de Anna Ishida é bem convincente. O enredo fica mais interessante quando a mesma toma consciência do seu estado mental de quando ainda era viva e piora quando passa a questionar se sua morte aconteceu realmente da maneira que ela pensa e que isso implicaria em uma outra presença, porém maligna, na casa. Esse processo além de doloroso, até para um ser sobrenatural, é necessário para sua libertação desse limbo que é nocivo não só para ela, mas para a família que habita a residência. Vale destacar a representação do mal, por ser simples, direta e realmente cabulosa.

Untitled-2

O grande mérito de I AM A GHOST está na ousadia em sua narrativa, que nos proporciona uma experiência interessante e diferente do que estamos acostumados. Apesar do baixo orçamento, os efeitos, tanto visuais como sonoros, funcionam sempre e nos conferem momentos bem tensos, mostrando que criatividade ainda é o melhor recurso. Acompanhar a pobre e desorientada fantasma no plano metafísico da casa é uma experiência sensacional, merecendo o devido reconhecimento que vem tendo pelos festivais e fãs do estilo. E que final bruto é esse? Veja!

Veredicto: ÓTIMO!

Untitled-4

Nota: Esse longa americano mostra que o problema não é o país em si, mas sim a grande indústria que transforma boas ideias em produtos fast-food. Não entrar nesse circuito em si fez um bem ao projeto no sentido artístico, mas fez mal para um bom alcance de público, pois dificilmente entrará numa grade de cinema mainstream. No site oficial, no menu WATCH MOVIE/TRAILER, tem uma opção para solicitar a exibição “no cinema mais perto de você”. Então fica a dica para os organizadores de festivais audiovisuais de horror.

Direção: H.P. Mendoza
Roteiro: H.P. Mendoza
Elenco: Jeannie Barroga, Rick Burkhardt, Anna Ishida
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Renan Gomes

    14 de abril de 2015 a 19:29

    Gostei muito do filme. Na verdade eu gostei muito da ideia e da condução, e a proposta que o filme queria passar foi completada… Acredito que muitos nao gostem desse filme, principalmente pelo seu inicio e em como a historia termina, afinal é uma ideia maravilhosa do qual queremos saber mais desse universo, mas o diretor fica ‘perdendo’ tempo com cenas didáticas.

    Se for para comparar, prefiro Invocação do mal. A ideia de invocação..pode nao ser tão boa como neste, mas a diversão, a qualidade, o medo, o susto estão lá. Afinal é uma produção para agradar em massa, e esse feito ele conseguiu, sendo como chamavamos outrora ‘sucesso de critica e publico’

  2. Renan Gomes

    14 de abril de 2015 a 19:29

    Gostei muito do filme. Na verdade eu gostei muito da ideia e da condução, e a proposta que o filme queria passar foi completada… Acredito que muitos nao gostem desse filme, principalmente pelo seu inicio e em como a historia termina, afinal é uma ideia maravilhosa do qual queremos saber mais desse universo, mas o diretor fica ‘perdendo’ tempo com cenas didáticas.

    Se for para comparar, prefiro Invocação do mal. A ideia de invocação..pode nao ser tão boa como neste, mas a diversão, a qualidade, o medo, o susto estão lá. Afinal é uma produção para agradar em massa, e esse feito ele conseguiu, sendo como chamavamos outrora ‘sucesso de critica e publico’

  3. Alexandre

    1 de março de 2017 a 22:23

    onde podemos baixar eesse filme?

  4. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

  5. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending