conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Chained (2012)

Publicados

em

MV5BMTM4NDgwODMwNV5BMl5BanBnXkFtZTcwNDIzMzIxOA@@._V1_SX640_SY720_Por Geraldo de Fraga

Ainda pegando o gancho do nosso podcast sobre filmes polêmicos, falamos hoje de Chained (2012), dirigido por Jennifer Lynch, filha de David Lynch, e escrito por ela mesma em parceria com Damian O’Donnell. No ano do seu lançamento, a Motion Picture Association of America “premiou” a fita com classificação NC-17, o que proíbe que menores de 17 anos, mesmo acompanhado dos pais, possam vê-lo nos cinemas. Por conta disso, a produtora Anchor Bay não conseguiu salas suficientes para exibi-lo, com exceção de festivais do gênero fantástico. Acabou que Chained, praticamente, foi lançado direto em DVD.

taxilynchO filme conta a fatídica história de um menino (Eamon Farren) que, após ter sua mãe assassinada pelo serial killer Bob (Vincent D’Onofrio) acaba “adotado” pelo vilão. A partir daí, tudo se passa dentro da casa de Bob, onde o garoto, agora apelidado de Rabbit, fica responsável pela tarefas de casa. Ele lava os pratos, limpa o chão, recorta matérias de jornais que citam casos de desaparecimento de mulheres e enterra os corpos das vítimas que Bob continua a trazer vez por outra. Tudo isso acorrentado, para que não fuja.

A ideia da fita é mostrar como um relacionamento doentio desse tipo afetaria uma criança em desenvolvimento. Para isso, o roteiro dá um salto temporal para encontrarmos Rabbit com 18 anos e ver como ele se comporta após quase uma década de convívio com Bob. O medo e a submissão ainda estão presentes no cotidiano do rapaz, mas notamos o psicopata mais civilizado em relação ao garoto e até tentando fazer as vezes de pai, em sua lógica distorcida da realidade, claro.

73405085Para um filme basicamente com dois atores, seria necessário duas boas atuações e D’Onofrio e Farren dão conta do recado. Esse primeiro já bem acostumado a interpretar vilões como em Homens de Preto e A Cela. O roteiro mantém uma boa pegada até o final e ajuda o espectador a não se entediar com uma história que se passa praticamente em um cenário.

O que talvez não convença muito bem como motivação para Bob ter se tornado o homem de hoje, é o um velho drama familiar já recorrente nesse tipo de história. Há também um furo, quando percebemos que mesmo com vários casos de mulheres desaparecidas veiculados nos jornais e TVs, durante dez anos, Bob nunca passou nem perto de ser apanhado ou sequer cometeu um erro em seus ataques.

Screen-Shot-2012-07-24-at-2.53.53-PMAs cenas de violência, por várias vezes, são fortes, mas nada que já não tenha sido visto em outros longas do gênero. O que nos leva a perguntar os motivos que fizeram com que a Motion Picture Association of America carimbasse o NC-17 na obra da senhora Lynch. Esse tipo restrição só acentua o falso moralismo desse tipo de órgão. Chained não é brilhante, mas é um filme acima da média e que merecia melhores chances de se promover.

Nota: 6,5

Direção: Jennifer Chambers Lynch
Roteiro: Damian O’Donnell baseado em um roteiro de Jennifer Lynch
Elenco: Vincent D’Onofrio, Eamon Farren, Evan Bird
Origem: Canadá

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Alessandro

    9 de janeiro de 2016 a 18:28

    Que resenha bosta.

    • Alessandrobosta

      11 de janeiro de 2016 a 04:20

      Também achei, uma merda, igual o teu comentário!

  2. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending