conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Viy 3D (2014)

Publicados

em

ByOc3t6IMAAKol2Por Geraldo de Fraga

A onda de remakes, tão popular na indústria americana, parece ter contagiado outro país. Em 2014, foi a vez da Rússia refilmar um dos seus maiores clássicos do cinema fantástico. Viy – A Lenda do Monstro, filme de 1967, dirigido por Konstantin Ershov e Georgi Kropachyov, ganhou uma nova roupagem com ares de megaprodução e com direito até à tecnologia 3D.

viy_3d_mb09

Mas o upgrade não foi apenas nas questões técnicas. Na verdade, o remake, dirigido por Oleg Stepcjanko, toma um rumo bem diferente, o que dá ao filme mais cara de continuação do que de refilmagem. Toda a história do original, cujo roteiro é baseado em um conto de Nikolai Gogol, é contada em flashbacks, enquanto acompanhamos o que acontece depois.

Após uma donzela ser atacada por uma entidade maligna e, à beira da morte, pedir para que o noviço Khoma Brutus reze por ela em seu velório de três dias, um grande mal é desencadeado nesse pequeno vilarejo do século XVIII. É nesse cenário de medo e paranoia que o cartógrafo inglês Jonathan Green (Jason Flemyng) acaba chegando, em meio às suas viagens pelo interior da Europa. A partir daí, o protagonista é envolvido em uma disputa entre o chefe do vilarejo, pai da donzela assassinada, e um padre fanático que discordam sobre os fatos bizarros que acontecem no local.

viy_3d_mb11O roteiro tem o mérito de fazer o filme ser uma homenagem ao antigo e apresentar uma nova história, mas ao mesmo tempo peca por se alongar demais. Salvo os filmes megalomaníacos da Peter Jackson, dificilmente um filme de fantasia precisa ter 2h10. Mas parece que Viy 3D também incorporou essa megalomania de Hollywood. Tudo no filme é exagerado, incluindo aí um monte de cenas gratuitas só para lançar objetos na tela de quem foi aos cinemas russos vê-lo em 3D. Por mais que o efeitos sejam impecáveis, pouco acrescentam à história.

Para os fãs do gênero, Viy 3D vale pela excentricidade por se tratar de um filme fora do circuito americano e por se basear em lendas da Rússia Oriental, que possui um folclore bem interessante. Porém, é uma superprodução, e como tal, mantém os velhos vícios e clichês para agradar o grande público. E agradou. O filme já bateu um monte de recordes em seu país, inclusive o de filme 3D mais visto da história.

viy_3d_mb03

Em suma, Viy 3D não é o pior dos remakes, como dito anteriormente, até inovou por manter a história original e inserir novos fatos por cima, não ofendendo o seu antecessor. Até mesmo porque o filme de 1967 não tem lá um roteiro genial, apesar de ser muito legal visualmente. Só que esse novo longa não é nada mais do que um filme de aventura, que investe mais nos efeitos do que em qualquer outra coisa. Os russos devem ter lotado as salas de cinema para prestigiarem uma produção local, mas como produto de exportação, Viy 3D ainda não é o melhor exemplar

Nota: 5,0 (De 0,0 a 10,0)

Direção: Oleg Stepchenko
Roteiro: Aleksandr Karpov, Nikolai Gogol (história)
Elenco: Jason Flemyng, Andrey Smolyakov, Aleksey Chadov
Origem: Rússia, Ucrânia, República Checa

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=OLYFRceOzdc?rel=0&w=560&h=315]

P.S.: Viy 3D tem partes faladas em inglês e, se você não sabe, na Rússia a dublagem não substitui a voz original. O dublador narra por cima do ator, como um narrador. Até hoje não entendo o motivo disso. Alguém sabe?

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. Pingback: DICA DA SEMANA: Viy – A Lenda do Monstro (1967) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending