conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Horns (2014)

Publicados

em

horns_ver5Por Geraldo de Fraga

As pessoas dizem que você deve sempre fazer a coisa certa. Mas, às vezes, não existe a coisa certa. Então você só tem que escolher um pecado com o qual pode viver”, diz um chifrudo Daniel Radcliffe em Amaldiçoado (Horns, 2014), dirigido por Alexandro Aja e baseado no livro de Joe Hill, que pra quem não sabe é filho de Stephen King. Infelizmente, o filme, assim como a frase de efeito acima, foi uma boa ideia que não deu certo.

Untitled-4Amaldiçoado seria muito melhor se tivesse se dedicado a ser exclusivamente uma história de vingança. Basicamente, são as metáforas cristãs que atrapalham o andamento da obra. Talvez no livro funcione bem, mas o roteiro escrito por Keith Bunin deixa a impressão de que não coube tudo e o que coube ficou pela metade. São incontáveis as pontas soltas, o que deixa a história não só complexa e sim confusa mesmo. E olhe que o filme tem duas horas de duração.

Na trama, os jovens Ig Perrish (Daniel Radcliffe) e Merrin Williams (Juno Temple) vivem um romance que dura desde a infância. Tudo desmorona quando ela é encontrada morta e Ig acusado do crime. Sem provas evidentes, ele segue em liberdade, porém execrado pelos moradores da cidade e perseguido por repórteres sensacionalistas onde quer que vá. Bêbado na maior parte do tempo, a vida de Ig é um inferno.

Untitled-2Um dia, não sem mais nem menos como deixa transparecer a sinopse, ele acorda com dois chifres. Mas a bizarra mudança não é só estética. A partir daí, o rapaz passa a exercer um estranho efeito nas pessoas: todos lhe contam seus segredos, mesmo que ele não pergunte. Além disso, Ig ganha uma habilidade de sugestão e todos passam a obedecer suas ordens. Poder bem parecido com o do reverendo Jesse Custer, da HQ Preacher, inclusive.

Munido desse “dom”, ele sai a caça do assassino de Merrin sem o menor pudor de usar seus poderes nada éticos. E essa é a principal discussão levantada na saga: se for por um bom motivo, vale a pena usar de toda e qualquer artimanha? Ig acha que sim, nós também, mas o filme abre demais o leque e tome questões filosóficas sobre Deus e o Diabo, Bem e o Mal, Céu e Inferno… E com um roteiro que não ajuda, o efeito colateral dessa virada dramática é a chatice.

Untitled-3A primeira parte do filme rende ótimos momentos, mostrando que quem mais acusa é justamente quem tem mais a esconder e como nosso “herói” combate essa hipocrisia em busca da verdade. Essa deveria ser a pegada do longa, mas um produto comercial para o público adolescente americano precisava de uma história onde a redenção dos personagens fosse calcada em um cristianismo fervoroso.

Daniel Radcliffe é esforçado, mas o desgosto do espectador diante da tela também entra na sua conta. Ele decora o texto, encara cenas de lutas, se agarra com cobras, faz beicinho, mas é tão inexpressivo que não nos faz criar afinidade com seu Ig Perrish em nenhum momento. Juno Temple faz seu feijão com arroz e sai ilesa.

Untitled-1Saber como Amaldiçoado será recebido pelo grande público é uma incógnita. Tudo o que os jovens querem está lá, mas vem carregado de um simbolismo que complicou a trama. Há de se reconhecer a tentativa de Alexandro Aja em levantar discussões filosóficas e religiosas dentro de um filme pipoca. Pode até ser uma atitude louvável, mas de boas intenções o inferno está cheio.

Nota: 4 (de 0 a 10)

Direção: Alexandre Aja
Roteiro: Keith Bunin (baseado na obra de Joe Hill)
Elenco: Daniel Radcliffe, Juno Temple, Max Minghella
Origem: EUA e Canadá

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: INTERNET: Busca de resultados curiosos | Toca o Terror

  2. Leonardo

    15 de fevereiro de 2016 a 02:37

    eu não acho o filme chato, é um dos melhores que já vi, fica em terceiro lugar do meu top de filmes favoritos, e pra mim é o melhor filme do Daniel.

    • Carol Dias

      9 de setembro de 2019 a 10:28

      Eu concordo, gostei muito desse filme, e o Daniel está muito melhor nesse que em toda a saga de Harry Potter.

  3. Pingback: RESENHA: Predadores Assassinos (2019) | Toca o Terror

  4. Pingback: PREDADORES ASSASSINOS (2019) | Blog Vá e Veja, por Osvaldo Neto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Os Estranhos – Caçada Noturna (2018)

Publicados

em

Caçada Noturna

[Por Felipe Macedo]

O medo da violência atinge a todos nós, cada vez mais assustados com a quantidade de casos assim em todo o mundo. Sendo assim, o único lugar em que nos sentimos seguros é nossa casa, certo? Mas imagina se um trio de assassinos mascarados começa a fazer jogos macabros para te aterrorizar e logo depois te caçar sem piedade? Essa é a trama do primeiro Os Estranhos (2008) e que foi alterada quase que por completo em sua tardia sequência. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: As Fábulas Negras (2015)

Publicados

em

Fábulas Negras

Por Jota Bosco

Rodrigo Aragão, diretor de Mangue Negro (2008), A Noite do Chupacabras (2011) e Mar Negro (2013) lança seu mais novo longa, As Fábulas Negras. Projeto que envolve, além dele, claro, alguns dos principais nomes do gênero no país como Petter Baiestorf e Joel Caetano. E pra fechar com chave de ouro, nada mais que José Mojica Marins (Sim!! José Mojica Marins, porra!!!!). (mais…)

Continue lendo

Trending