conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Horns (2014)

Publicados

em

horns_ver5Por Geraldo de Fraga

As pessoas dizem que você deve sempre fazer a coisa certa. Mas, às vezes, não existe a coisa certa. Então você só tem que escolher um pecado com o qual pode viver”, diz um chifrudo Daniel Radcliffe em Amaldiçoado (Horns, 2014), dirigido por Alexandro Aja e baseado no livro de Joe Hill, que pra quem não sabe é filho de Stephen King. Infelizmente, o filme, assim como a frase de efeito acima, foi uma boa ideia que não deu certo.

Untitled-4Amaldiçoado seria muito melhor se tivesse se dedicado a ser exclusivamente uma história de vingança. Basicamente, são as metáforas cristãs que atrapalham o andamento da obra. Talvez no livro funcione bem, mas o roteiro escrito por Keith Bunin deixa a impressão de que não coube tudo e o que coube ficou pela metade. São incontáveis as pontas soltas, o que deixa a história não só complexa e sim confusa mesmo. E olhe que o filme tem duas horas de duração.

Na trama, os jovens Ig Perrish (Daniel Radcliffe) e Merrin Williams (Juno Temple) vivem um romance que dura desde a infância. Tudo desmorona quando ela é encontrada morta e Ig acusado do crime. Sem provas evidentes, ele segue em liberdade, porém execrado pelos moradores da cidade e perseguido por repórteres sensacionalistas onde quer que vá. Bêbado na maior parte do tempo, a vida de Ig é um inferno.

Untitled-2Um dia, não sem mais nem menos como deixa transparecer a sinopse, ele acorda com dois chifres. Mas a bizarra mudança não é só estética. A partir daí, o rapaz passa a exercer um estranho efeito nas pessoas: todos lhe contam seus segredos, mesmo que ele não pergunte. Além disso, Ig ganha uma habilidade de sugestão e todos passam a obedecer suas ordens. Poder bem parecido com o do reverendo Jesse Custer, da HQ Preacher, inclusive.

Munido desse “dom”, ele sai a caça do assassino de Merrin sem o menor pudor de usar seus poderes nada éticos. E essa é a principal discussão levantada na saga: se for por um bom motivo, vale a pena usar de toda e qualquer artimanha? Ig acha que sim, nós também, mas o filme abre demais o leque e tome questões filosóficas sobre Deus e o Diabo, Bem e o Mal, Céu e Inferno… E com um roteiro que não ajuda, o efeito colateral dessa virada dramática é a chatice.

Untitled-3A primeira parte do filme rende ótimos momentos, mostrando que quem mais acusa é justamente quem tem mais a esconder e como nosso “herói” combate essa hipocrisia em busca da verdade. Essa deveria ser a pegada do longa, mas um produto comercial para o público adolescente americano precisava de uma história onde a redenção dos personagens fosse calcada em um cristianismo fervoroso.

Daniel Radcliffe é esforçado, mas o desgosto do espectador diante da tela também entra na sua conta. Ele decora o texto, encara cenas de lutas, se agarra com cobras, faz beicinho, mas é tão inexpressivo que não nos faz criar afinidade com seu Ig Perrish em nenhum momento. Juno Temple faz seu feijão com arroz e sai ilesa.

Untitled-1Saber como Amaldiçoado será recebido pelo grande público é uma incógnita. Tudo o que os jovens querem está lá, mas vem carregado de um simbolismo que complicou a trama. Há de se reconhecer a tentativa de Alexandro Aja em levantar discussões filosóficas e religiosas dentro de um filme pipoca. Pode até ser uma atitude louvável, mas de boas intenções o inferno está cheio.

Nota: 4 (de 0 a 10)

Direção: Alexandre Aja
Roteiro: Keith Bunin (baseado na obra de Joe Hill)
Elenco: Daniel Radcliffe, Juno Temple, Max Minghella
Origem: EUA e Canadá

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: INTERNET: Busca de resultados curiosos | Toca o Terror

  2. Leonardo

    15 de fevereiro de 2016 a 02:37

    eu não acho o filme chato, é um dos melhores que já vi, fica em terceiro lugar do meu top de filmes favoritos, e pra mim é o melhor filme do Daniel.

    • Carol Dias

      9 de setembro de 2019 a 10:28

      Eu concordo, gostei muito desse filme, e o Daniel está muito melhor nesse que em toda a saga de Harry Potter.

  3. Pingback: RESENHA: Predadores Assassinos (2019) | Toca o Terror

  4. Pingback: PREDADORES ASSASSINOS (2019) | Blog Vá e Veja, por Osvaldo Neto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em


[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Trending