conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Horns (2014)

Publicados

em

horns_ver5Por Geraldo de Fraga

As pessoas dizem que você deve sempre fazer a coisa certa. Mas, às vezes, não existe a coisa certa. Então você só tem que escolher um pecado com o qual pode viver”, diz um chifrudo Daniel Radcliffe em Amaldiçoado (Horns, 2014), dirigido por Alexandro Aja e baseado no livro de Joe Hill, que pra quem não sabe é filho de Stephen King. Infelizmente, o filme, assim como a frase de efeito acima, foi uma boa ideia que não deu certo.

Untitled-4Amaldiçoado seria muito melhor se tivesse se dedicado a ser exclusivamente uma história de vingança. Basicamente, são as metáforas cristãs que atrapalham o andamento da obra. Talvez no livro funcione bem, mas o roteiro escrito por Keith Bunin deixa a impressão de que não coube tudo e o que coube ficou pela metade. São incontáveis as pontas soltas, o que deixa a história não só complexa e sim confusa mesmo. E olhe que o filme tem duas horas de duração.

Na trama, os jovens Ig Perrish (Daniel Radcliffe) e Merrin Williams (Juno Temple) vivem um romance que dura desde a infância. Tudo desmorona quando ela é encontrada morta e Ig acusado do crime. Sem provas evidentes, ele segue em liberdade, porém execrado pelos moradores da cidade e perseguido por repórteres sensacionalistas onde quer que vá. Bêbado na maior parte do tempo, a vida de Ig é um inferno.

Untitled-2Um dia, não sem mais nem menos como deixa transparecer a sinopse, ele acorda com dois chifres. Mas a bizarra mudança não é só estética. A partir daí, o rapaz passa a exercer um estranho efeito nas pessoas: todos lhe contam seus segredos, mesmo que ele não pergunte. Além disso, Ig ganha uma habilidade de sugestão e todos passam a obedecer suas ordens. Poder bem parecido com o do reverendo Jesse Custer, da HQ Preacher, inclusive.

Munido desse “dom”, ele sai a caça do assassino de Merrin sem o menor pudor de usar seus poderes nada éticos. E essa é a principal discussão levantada na saga: se for por um bom motivo, vale a pena usar de toda e qualquer artimanha? Ig acha que sim, nós também, mas o filme abre demais o leque e tome questões filosóficas sobre Deus e o Diabo, Bem e o Mal, Céu e Inferno… E com um roteiro que não ajuda, o efeito colateral dessa virada dramática é a chatice.

Untitled-3A primeira parte do filme rende ótimos momentos, mostrando que quem mais acusa é justamente quem tem mais a esconder e como nosso “herói” combate essa hipocrisia em busca da verdade. Essa deveria ser a pegada do longa, mas um produto comercial para o público adolescente americano precisava de uma história onde a redenção dos personagens fosse calcada em um cristianismo fervoroso.

Daniel Radcliffe é esforçado, mas o desgosto do espectador diante da tela também entra na sua conta. Ele decora o texto, encara cenas de lutas, se agarra com cobras, faz beicinho, mas é tão inexpressivo que não nos faz criar afinidade com seu Ig Perrish em nenhum momento. Juno Temple faz seu feijão com arroz e sai ilesa.

Untitled-1Saber como Amaldiçoado será recebido pelo grande público é uma incógnita. Tudo o que os jovens querem está lá, mas vem carregado de um simbolismo que complicou a trama. Há de se reconhecer a tentativa de Alexandro Aja em levantar discussões filosóficas e religiosas dentro de um filme pipoca. Pode até ser uma atitude louvável, mas de boas intenções o inferno está cheio.

Nota: 4 (de 0 a 10)

Direção: Alexandre Aja
Roteiro: Keith Bunin (baseado na obra de Joe Hill)
Elenco: Daniel Radcliffe, Juno Temple, Max Minghella
Origem: EUA e Canadá

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Castlevania (2017)

Publicados

em

Castlevania

[Por Felipe Macedo]

Sou gamer desde de quando me entendo por gente e passei boa parte da minha vida me divertindo (e me estressando) com essa mídia. Conheci a série Castlevania nos 16bits e já sabia que era uma franquia já bastante estabelecida antes (em 8 bits), mais precisamente no nintendinho. Passei várias tardes dando chicotadas em lobisomens, medusas, zumbis e claro no vampirão mais famoso do mundo: O Conde Drácula. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending