conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Proxy (2014)

Publicados

em

Proxy-2014Por Júlio César Carvalho

Proxy é um filme americano que desde que foi feito em 2013, vem sendo exibido apenas em festivais nos EUA, Canadá, em países da Europa e  até aqui no Brasil. No Imdb diz que sua estreia (acredito que no circuito de cinemas comerciais americano) foi em abril desse ano, mas por aqui, tirando os festivais, até agora nada.

proxyÉ um suspense intenso que traz um roteiro dramático com requintes de crueldade. Na trama, a jovem Esther, grávida de quase 9 meses é assaltada e espancada assim que sai do consultório médico em plena luz do dia. Passando a frequentar um grupo de apoio para superar o trauma, ela conhece a meiga Melanie que a conforta e tornam-se amigas. Daí em diante as cosias desandam… enfim, assista!

Proxy mal começa e já dá uma tijolada no espectador sem dó nem piedade. Aviso logo que é inapropriado para grávidas por motivos óbvios. Esther é interpretada por Alexia Rasmussen que nos confere uma personagem no mínimo estranha. Constantemente ficamos sem saber qual é a dela por sua incapacidade de se expressar. Acredito que propositalmente. Já a Melanie (Alexa Havins), é aquela típica pessoa do bem que você “sabe” que tem coisa errada ali. Num geral, os personagens são bem interessantes. O marido da Melanie vivido por Joe Swanberg (Você é o próximo, VHS) também merece destaque por nos proporcionar empatia com seu peso dramático à trama. Dentre outros que vão surgindo e encorpando o caldo.

proxy3O cartaz traz uma frase no mínimo intrigante: A HITCHCOCKIAN MINDFUCK OF A MOVIE. Corajoso pois pode causar desconfiança (e até ódio antecipado) por parte dos fãs do Alfred. A frase nitidamente se refere a sua narrativa que, apesar de linear, toma rumos totalmente inesperados antes do normal, ao bom estilo Psicose (1960). Soa pretensioso sim, mas não há como negar que Proxy se sai muito bem e realmente constrói um clima tenso de constante incerteza no espectador.

A direção fica a cargo de Zack Parker que também assina o roteiro junto com o estreante Kevin Donner. A produção chama a atenção por todo o cuidado, bom gosto e competência narrativa apresentada. As câmeras de Parker são praticamente estáticas e nada é filmado a toa. A violência aqui é mostrada na forma mais poética e contemplativa possível. Por incrível que pareça, o gore é praticamente inexistente, mas sua sugestão já é forte o bastante. A trilha sonora é tão bem aplicada que se não tivesse, certas cenas não teriam o mesmo impacto. Além da já citada cena de abertura, há uma sequência que além de dar à trama outro caminho, com certeza é o gozo audiovisual de todos dos realizadores de Proxy. Levei pra minha vida. Parabéns à todos os envolvidos.

proxy4Dito tudo isso, adiciono aqui que o desfecho de Proxy é corajoso e muito doentio. Além de tudo, assusta por nos lembrar que gente ruim (ou doente?) é o que mais tem nesse mundo. É uma pena que essa beleza seja ignorada por nossos distribuidores tupiniquins, mas pelo menos foi exibido no Fantaspoa em abril e até venceu como Melhor Diretor. Por fim, Obrigado, Zack Parker, pelo filme e por me deixar com mais medo ainda do ser humano.

Veredito: MUITO BOM MESMO!

Direção: Zack Parker
Roteiro: Kevin Donner, Zack Parker
Elenco: Alexa Havins, Kristina Klebe, Joe Swanberg
Origem: EUA

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=BcvPmieIUNk]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. opoderosochofer

    20 de outubro de 2014 a 18:49

    Finalmente Júlio gostou de um filme! Hahahahaha!!!

  2. dan

    6 de maio de 2015 a 16:15

    ja havia visto uma critica muito positiva desse filme antes de ver a sua critica..realamnet o filme é perfeito..concordo com sua critica.filmão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Torre Negra (2017)

Publicados

em

A Torre Negra

[Por Felipe Macedo]

Stephen King é um dos dos autores mais adaptados do cinema e em meio a tantos filmes, a maioria é de qualidade duvidosa. Poucos são os que merecem ser dignos de menção. O novo longa baseado em sua obra é inspirado na série de livros A Torre Negra e que de acordo com o próprio King bebe da fonte de Tolkien na construção do universo e criaturas fantásticas. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Macabro (2020)

Publicados

em

Macabro

O fã de horror nacional é, antes de tudo, um otimista. A torcida pelos realizadores brasileiros é grande, ainda mais quando um filme como Macabro é anunciado. O longa dirigido por Marcos Prado (Paraísos Artificiais, O Mecanismo) se baseia em um dos casos mais sinistros dos anos 90: os irmãos necrófilos de Nova Friburgo, dois jovens que assassinavam mulheres e abusavam sexualmente dos seus cadáveres.

O filme relata a história sob o ponto de vista do Sargento Teo da PM (Renato Góes), personagem que carrega consigo o drama de ter matado um inocente por engano em uma operação policial. Esse equívoco é justamente o que o leva de volta ao interior do Rio de Janeiro, já que um sucesso na nova investigação poderia apagar tal mancha em sua carreira. Mas na cidade onde cresceu, além dos criminosos, Teo enfrenta seus próprios fantasmas: a morte da mãe, a relação com os tios que lhe criaram e o amor de infância pela prima.

Estabelecido o cenário inicial, a história de Macabro nos leva ao caso dos irmãos e o roteiro acerta muito quando lhes dá aspectos animalescos e irracionais, de algo que não pode ser contido com palavras, apenas na base da violência. Mostrar a população inteira armada, pronta para reagir de forma brusca, deixa o espectador inserido em um ambiente de medo, junto com as potenciais vítimas. Algumas cenas também assustam, mérito da direção.

Mas os acertos não vão muito além disso. Ao mesmo tempo em que o roteiro esconde certos pontos, para não entregar nada de mão beijada, o texto escorrega em não responder questões que ele mesmo levanta. Procurando explicações para o que teria transformado aqueles irmãos em verdadeiros monstros, Teo se depara com indícios de abuso doméstico, racismo, pedofilia e até o clichê ‘magia negra’, mas nada fica claro, nem ao menos subentendido. Os pontos simplesmente não se juntam. Há furos demais para uma história que não se propõe a uma grande reviravolta, já que ela caminha o tempo todo para o mesmo desfecho da vida real.

Por outro lado, o nível técnico impressiona e fica acima de média das produções de horror e suspense brasileiras, com destaque para a fotografia e a direção de arte. Isso talvez baste para o grande público. No último dia 8, por exemplo, Macabro conquistou o prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular do Brooklyn Film Festival, em Nova York. Com isso na bagagem, pode ser que o longa leve um bom número de pessoas aos cinemas quando a quarentena passar. Tomara.

Escala de tocância de terror:

Direção: Marcos Prado
Roteiro: Rita Glória Curvo e Lucas Paraizo
Elenco: Renato Góes, Amanda Grimaldi e Guilherme Ferraz
Origem: Brasil

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Homem Invisível (2020)

Publicados

em

Homem Invisível

A ideia de ficar invisível persegue as pessoas desde muito tempo. Mas foi só H. G. Wells que primeiro tentou traduzir os riscos desse poder. E em 1933, veio ao mundo a primeira adaptação desta obra. Desde então, a figura do Homem Invisível tornou-se indiscutivelmente um ícone na cultura pop, com várias versões posteriores nas telas, estampando camisetas, canecas e action figures. O personagem estava até sumido das histórias no cinema há um bom tempo e agora, no inicio de 2020 ganha uma nova versão, colocando este ser numa discussão muito séria e real sobre relacionamentos abusivos. (mais…)

Continue lendo

Trending