conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: The Taking of Deborah Logan (2014)

Publicados

em

Captura de Tela 2015-02-27 às 12.01.43

“O inferno existe. Ele é um “found footage” (e isso não é um elogio)”

Por Jota Bosco

Sabe aqueles dias em que você chega em casa e pensa “vou botar um horrorzinho pra assistir?” Pois é… dia desses lá fui eu escolher o que assistir e dei de cara com The Taking of Deborah Logan (2014), dirigido por Adam Robitel e escrito por Gavin Heffernan e pelo próprio Robitel. Olhei a cotação no IMDB e “Eita! 6.4! Isso é uma boa nota pra filme do gênero! Vamo nessa!”

“Péra! Vcs vão fazer um Found-Footage?”

Deita, dá o play e nos primeiros minutos do filme percebe que é mais. um. dos. famigerados. found. footage… Véi??? Mais um???!!! Mas que diabos a galera não cansa de fazer esses filmes com câmera na mão? Quando a gente tem um orçamento baixo e acha que tem uma ideia boa, beleza! Mas num filme produzido por Bryan Singer (da franquia X-Men, entre outros) você imagina que a turma deve ter mais do que U$ 500 e um grupo de amigos pra fazer um filme, né? Mas, agora Inês é morta. Vamo lá…

“Ok. Vou assistir essa porra mas eu te pego lá fora!”

The Taking of Deborah Logan” trata da história de um grupo de estudantes que decide acompanhar e filmar, como projeto de conclusão, os sintomas da Sra. Logan (Jill Larson, da quase-eterna novela americana All My Children) que recentemente foi diagnosticada com o Mal de Alzheimer. Como a família anda com problemas financeiros, sua filha (Anne Ramsey, da serie Dexter) aceita a equipe entrar em sua casa para realizar o documentário. Fim do primeiro ato.

“Eu quero melãããããão!!!!”

No segundo ato o filme cresce. Aos poucos, tanto nós quanto a equipe começamos a perceber que o comportamento de Deb (para os íntimos) tem algo além dos problemas de sua doença. A auto-mutilação, o sonambulismo malassombrado, os olhares… seriam sintomas da doença ou uma força maléfica que tomou conta da vítima graças ao enfraquecimento de sua mente? Tudo isso contribui pra dar um clima bem sinistro ao filme e você começa a pensar “Opa! Talvez desse mato saia cachorro!”. Pra reforçar essa sensação, vem a sensacional atuação de Jill Larson. Ela consegue deixar o espectador “bolado” simplesmente com o olhar. O desespero da filha, interpretada por Ramsey também é muito marcante. A dupla está afinadíssima!

“Mãe, você gosta de mamão?” “Affff, Evaristo!”

Mas como tudo que é bom dura pouco, na terceira e última parte do filme, temos uma explicação bem “paia” para os fenômenos estranhos que vem acontecendo. Algo no passado de Deb veio à tona… E daí vamos pra um bocado de clichês (vou até relevar outros como: o cara que tá filmando que nunca larga a câmera apesar do cagaço, nem acende uma luz sequer ao entrar num quarto escuro, etc) que não vou contar pra não estragar ainda mais o filme.

Veredicto:
* Tá a fim de tomar um sustinho aqui, um arrepiozinho ali? Assiste aí, fera!
* Tá a fim de ver um filmão? Procura coisa melhor. Duas estrelas (pelas atrizes) e meia (pelo resto do filme).

Direção: Adam Robitel
Roteiro: Gavin Heffernan e Adam Robitel
Elencos: Jill Larson, Anne Ramsay e

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. opoderosochofer

    30 de outubro de 2014 a 22:31

    O melhor da resenha são as legendas! Hahajahahahsa

  2. Roberthy de Souza

    21 de abril de 2015 a 21:49

    Não gostei muito dessa crítica,esse filme é um raro exemplo de bom found-footage horror e achei melhor do que a merda do “Atividade Paranormal” (é a mesma merda nos finais das sequências) esse filme merecia mais umas 3 ou 4 estrelas tá tranquilo pra esse filme,conseguiu até me dar uns sustinhos principalmente nas cenas da velhinha e eu não me assusto fácil.

  3. Julia Alves

    7 de setembro de 2015 a 16:09

    Não terminei de assistir pq dormi.. :/

  4. ALEX

    10 de setembro de 2015 a 13:14

    A hora que aparece ela “dovorando”(ou tentando devorar…) a criancinha… é a melhor parte!
    Mas…é chatinho mesmo. A atuação da velhinha protagonista é boa.

  5. Leonardo Villela Cezimbra

    20 de outubro de 2015 a 09:55

    Concordo 100% com a resenha.

  6. Cyro

    14 de novembro de 2015 a 23:33

    Nunca gostei deste estilo de filmagem, tanto que não assisti nenhum outro. Se soubesse que era esse estilo de filmagem, nem teria assistido, mas filme comigo tem que ir ate o fim. Pois bem, me surpreendi e gostei, achei super envolvente e quando falamos em horror os cliches são inevitáveis. FALTOU NA RESENHA RESSALTAR, o belo trabalho de maquiagem digno de Academy Awards, e redundando a interpretação de Jill Larson que foi um primor, as cenas de canibalismo no final surpreenderam. Vale a diversão, de 0 a 5. Nota 4.

  7. Rodrigo

    17 de novembro de 2015 a 17:22

    Olha, a grande verdade é que o gênero de terror / horror ta sofrível de assistir nos últimos anos. Histórias óbvias, cheias de clichês e tudo o mais, que não assustam ninguém e não deixam a gente tenso. E esse filme, apesar de também insistir em alguns clichês, me saiu, pelo menos na minha opinião, bem melhor do que a maioria dos filmes do gênero que vi nos últimos tempos. E isso tudo graças as atuações de Jill Larson e Anne Ramsey. Não que eu tenha achado um puta filme, mas não me arrependi de ter assisto e achei interessante, to tentando lembrar aqui de algum outro filme de terror que tenha me agradado e não consigo lembrar, só por isso esse filme já merece uma avaliação positiva.

  8. Dalva sozza

    3 de setembro de 2016 a 00:37

    Não gostei👎👎

  9. danielle z

    10 de setembro de 2016 a 16:41

    Esse tipo de filme cansa a visão. Então, eu tbm me pergunto, por que o cara da câmera não liga a luz?!?!

  10. Pingback: RESENHA: Escape Room (2019) | Toca o Terror

  11. edgarchareu

    19 de Maio de 2019 a 19:57

    amei esse filme gostaria de saber quando é vão fazer mas um quero participar,kkkkkk.

    • edgarchareu

      19 de Maio de 2019 a 19:58

      amei esse filme gostaria de saber quando é que vão fazer mas um quero participar,kkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending