conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Entre os Vivos (2014)

Publicados

em

aux-vivant

Por Geraldo de Fraga

É normal que jovens promessas do cinema de horror surjam com ideias inovadoras e que, em algum momento da carreira, acabem se rendendo ao mercado e fazendo uma produção não tão boa quantos às anteriores. O que ninguém esperava era que essa guinada chegasse tão cedo à dupla de diretores franceses Alexandro Bustillo e Julien Maury.

Para quem não está ligando os nomes às pessoas, os dois são os responsáveis pelos ótimos A Invasora (2007) e Livide (2011). Neste ano, eles embarcaram em uma nova parceria e o resultado foi o insosso Entre os Vivos (Aux yeux des vivant), que conta a história de três garotos problemáticos que resolvem fugir da escola no último dia de aula e acabam topando com um serial killer em um estúdio de cinema abandonado.

aux-vivant-scene

Após escaparem, os meninos começam a ser caçados pelo vilão quando já estão em suas casas. O primeiro erro do filme é esse. Após criar uma empatia entre o espectador e os personagens principais, o roteiro separa os protagonistas e acaba com a atmosfera de aventura adolescente que foi montada no início da história.

A partir daí, a coisa desce ladeira abaixo direto para um mar de clichês. Na caçada empreendida pelo psicopata, suas vítimas conseguem cometer os mesmos erros estúpidos de todos os personagens de filmes slashers. Para piorar, perdoem o spoiler, as quatro primeiras mortes não são mostradas. A câmera muda para um plano externo e só ouvimos os gritos.

aux_yeux_des_vivants_1-f189c

O curioso disso é que a violência gráfica sempre foi uma das marcas de Bustillo e Maury. Há uma boa dose na cena final, mas ficamos com um gostinho de quero mais, justamente porque sabemos do que os dois são capazes. Mas se algo pode ser plenamente elogiado é a atuação de Fabien Jegoudez no papel do serial killer albino deformado mutante e super forte Klarence. O clássico assassino que entra mudo e sai calado, porém, mete medo com competência.

Entre os Vivos decepciona. É como ver dois treinadores escalarem um bom time, mas não conseguir arrumar um esquema de jogo que encha os olhos dos torcedores. Sabíamos que esse dia poderia chegar, mas não que fosse logo no terceiro filme desses franceses. E pode piorar. Como o próximo longa deles será mais um prequel d’O Massacre da Serra Elétrica, a chance de um 7 x 1 contra eles é bem real.

Nota: 3,0 (de 0 a 10)

Título original: Aux yeux des vivants
Direção: Alexandre Bustillo e Julien Maury
Roteiro: Alexandre Bustillo e Julien Maury
Elenco: Anne Marivin, Théo Fernandez e Francis Renaud
Origem: França

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=JZrSWeNprAE?rel=0&w=560&h=315]

Continue lendo
10 Comentários

10 Comments

  1. opoderosochofer

    26 de novembro de 2014 a 04:40

    Esse aí que é o “casalzinho”?

  2. opoderosochofer

    26 de novembro de 2014 a 04:40

    Esse aí que é o “casalzinho”?

  3. julia

    21 de dezembro de 2018 a 09:53

    concordo, achei a invasora sensacional e me decepcionei com esse

  4. julia

    21 de dezembro de 2018 a 09:53

    concordo, achei a invasora sensacional e me decepcionei com esse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending