conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Kristy (2014)

Publicados

em

Kristy_Random-2014

Por Jarmeson de Lima

Já vimos vários filmes de terror/suspense com uma caçada de “gato e rato”. O que em muitas produções não passa de uma sequência, a “caçada” em “Kristy” acaba sendo o filme inteiro.

A produção é o segundo longa dirigido por Oliver Blackburn, que fez alguns curtas no final da década de 1990 e que fez sua estreia oficial nos cinemas com “Donkey Punch“, em 2008. Estranhamente só depois desses seis anos ele voltou a dirigir e calhou de pegar logo o roteiro de Anthony Jaswinski para jogar nas telas essa longa perseguição de uma hora e vinte e seis minutos.

A história, que é ridiculamente curta, poderia se tornar mais interessante caso as “explicações” que dão mote aos acontecimentos fossem melhores exploradas. É que logo no começo, naquele ritmo frenético e batido que já vimos várias vezes, somos apresentados a inserts de reportagens e vozes em off sobre a morte e o desaparecimento de jovens mulheres em algo que se assemelha a uma seita espalhada pelos Estados Unidos.

RANDOM

Você imagina que isso teria alguma conexão com o que aconteceria em seguida? Se pensou em Sim, acertou. E essa foi só uma das muitas obviedades do roteiro. Daí assistimos ao cotidiano de Justine, uma estudante que acabou ficando sozinha no campus de sua universidade em um feriadão. Só que ela não está tão sozinha assim, uma vez que este é um filme de terror onde coisas precisam acontecer.

A partir de um mero encontro entre uma garota esquisita em um posto de conveniência, descobrimos que Justine passa a ser a vítima da vez, sendo perseguida por gente ainda mais esquisita e que passa a chamá-la de Kristy. Como assim? Calma. Em um dado momento da trama, revela-se que o nome “Kristy” significa “seguidor de Cristo” e que se você mata Cristo, você mata Deus e a seita fica feliz (!). Mas que diabos de lógica é essa, afinal? Deve ser a mesma lógica em incluir no filme um punhado de clichês do gênero e da fuga esconde-esconde aliada às novas tecnologias inserindo cenas de gravação por celular, câmera escondida e outras coisas que não tem motivo.

RANDOM

E como havia falado anteriormente, o restante do filme é apenas esta perseguição dos maníacos a Kristy/Justine, que no meio pro final da trama se revolta contra a situação e resolve enfrentar os seus caçadores que não sabe de onde vieram nem quem são. Os resultados desse contra-ataque são bem inesperados, mas previsíveis.

No final das contas, “Kristy” é um filme que parece bem mais um exercício de construção de cenas do que uma produção fechada em si. É como se o diretor estivesse o tempo todo se esforçando para criar climas em cada cena com a ajudinha do editor de som e daqueles belos cortes de câmera. Só que nisso tudo aí faltou originalidade e uma história menos batida.

Direção: Oliver Blackburn
Roteiro: Anthony Jaswinski
Elenco: Haley Bennett, Ashley Greene e Lucas Till
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. alana

    13 de junho de 2015 a 17:26

    Eu quero saber o nome da cantora que canta nesse filme não consigo achar a musica dela ,só sei que toca lana del rey mas não sei a outra cantora alguém pode me ajudar pfvr,eu agradeceria esse filme e muito legal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending