conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: American Horror Story – Freak Show (2014)

Publicados

em

Freak Show

Para quem nunca acompanhou a série, vale informar que a proposta de American Horror Story é nos apresentar uma história diferente a cada temporada, mantendo grande parte dos elencos anteriores. Após se ambientar em uma casa assombrada, um manicômio judiciário e um clã de bruxas, nesse quarto ano, o programa aborda o universo dos shows de horrores, atrações bem populares nos Estados Unidos dos anos 30.

Mas o enredo de AHS não foca na “era de ouro” desse tipo de espetáculo. A história se passa em 1952, quando esses circos já estavam em decadência. Um dos últimos que existem é comandado por Elsa Mars (Jessica Lange) e chega à cidade de Jupiter, no estado da Flórida, atrás de uma nova atração. No caso, as gêmeas siamesas Bette e Dot Tattler, interpretadas por Sarah Paulson.

american-horror-story-freak-show-140930-618x400

A partir daí somos apresentados às outras aberrações: o menino lagosta Jimmy Darling (Evan Peters), sua mãe, a mulher barbada Ethel Darling (Kathy Bates) e a menor mulher do mundo, Ma Petite (Jyoti Amge) e mais algumas. O roteiro foca na convivência entre essas atrações circenses e seus conflitos contra os preconceituosos moradores de Jupiter.

Além do cotidiano do circo, há arcos envolvendo um palhaço serial killer, um entediado riquinho com tendências homicidas e um charlatão que planeja um golpe nas aberrações. Há também a participação de um personagem que realmente existiu: Edward Mordrake (Wes Bentley), o famoso homem de duas cabeças.

AHSFreakShow_Twisty

O polêmico filme Monstros (Freaks), de 1932, dirigido por Tod Browning, que foi execrado na época de lançamento, mas que hoje é cultuado como um clássico do cinema, foi nitidamente usado para compor o universo do Freak Show. Inclusive, alguns personagens são idênticos, como Meep (Ben Woolf) e Pepper (Naomi Grossman), que até já havia aparecido caracterizada dessa forma na segunda temporada.

Talvez o público dos outros países não fique empolgado com o tema, mas para ganhar a audiência de lá, AHS tem um triunfo nas mãos. Os Shows de Horrores simbolizam uma época marcante na história dos EUA: a grande depressão. E é ainda mais interessante vê-las ambientadas nos anos 50, duas décadas após a recessão, em um contexto histórico onde a economia americana se reerguia e as atrações mambembes desapareciam.

jessica-lange-as-elsa-mars-american-horror-story-2014-billboard-650

Outro mérito dos produtores foi deixar de lado uma característica que atrapalhou muito as temporadas anteriores: os inúmeros temas apresentados, que deixavam o telespectador confuso e que, por vezes, dispersava a audiência. Dessa vez, por mais que tenha vários arcos e núcleos, a história se concentra em um universo limitado: o circo e a cidade de Jupiter.

O horror também não está maquiado. As cenas são violentas na medida certa e, por várias vezes, perturbam, como deve ser uma obra de terror. As histórias dos personagens são tão grotescas e marcantes como suas aparências e isso é mais um ponto positivo. Como é de praxe na série, o sexo dá as caras muitas vezes e, com aberrações no meio, fiquem preparados para tudo. Há defeitos, como alguns furos no roteiro e um certo excesso de números musicais, mas nada que atrapalhe.

Após 10 episódios, American Horror Story entrou em recesso e só volta a ser exibida em janeiro, quando irão ao ar os três últimos capítulos. Se nenhuma tragédia acontecer, tem tudo para ser a melhor temporada até agora. Mas sabemos que na TV, a liberdade criativa depende de interesses comerciais mais nefastos do que os donos dos freak shows. Aguardemos.

N.D.R.: A Fox Brasil anunciou que apenas em Janeiro a nova temporada será exibida no país.

Nota: 7,0

https://www.youtube.com/watch?v=XGvlLJaT1gg

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: The Town That Dreaded Sundown (2014) | Toca o Terror

  2. Pingback: INTERNET: Busca de resultados curiosos | Toca o Terror

  3. beatriz

    26 de abril de 2018 a 11:53

    amei a serie

  4. Pingback: SÉRIE: AHS 1984 (2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending