conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Alone (2015)

Publicados

em

Alone_2015_dvd

Por Júlio César Carvalho

Que o cinema de horror asiático é respeitado e, por consequência, vive sendo refilmado por Hollywood todo mundo sabe. Mas e quando Bollywood decide fazer o mesmo? Pois é exatamente o que “Alone” é: um remake indiano do ótimo horror tailandês de 2007. E claro que eu não poderia deixa de conferir. Me arrependi.

dSYXV4M

Na trama, acompanhamos Sanjana. Uma bela moça que vive o relacionamento dos sonhos com seu amor primeiro de infância. Mas quando a mãe dela sofre um acidente e eles precisam voltar para a vila natal da moça, a relação começa a desabar feio. Não que a sogra seja escrota com o cara, mas sim, sua já falecida cunhada que resolve perturbar a vida da irmã que além de viva, está feliz. O detalhe é que elas eram irmãs siamesas e parece que nem a morte consegue as separar.

3fC1r6mO filme começa e somos apresentados ao casal. Logo somos negativamente surpreendidos, quando o cara ao entrar em cena começa a cantar na festa da amada. Seria normal se fosse apenas umas serenata, mas não, o cara abandona o violão e a música aumenta virando número musical superproduzido. Passado isso, o filme volta ao normal e segue por um tempo, mas do nada alguém começa a cantar novamente e temos de aguentar outro clipe musical. É hilário de início, mas começa a ser irritante quando já sacamos que isso vai acontecer mais vezes até o fim.

Captura de Tela 2015-05-25 às 14.55.30

As atuações são simplesmente toscas. A direção fica por conta de Bhushan Patel que parece não dar a mínima pra definir o estilo do longa. Ah, o idioma é indiano, mas tem frases inteiras em inglês por parte de todos os personagens e mesclados no mesmo diálogo. Detalhe esse que pode soar estranho e incomodo. Passamos a maior parte do tempo com o casal protagonista, vivido pela modelo e atriz Bipasha Basu e o cantor e modelo Karan Singh Grover, que só fazem caras e bocas com os cabelos ao vento, impecavelmente maquiados e ilumidados.

Ok, tenho de admitir que os poucos efeitos que tem são bons e visualmente o filme é muito bem cuidado. É bonito até demais, eu diria. A maioria das cenas, até parecem tiradas comerciais de turismo de tão cristalinas que são, tirando todo clima de horror na qual a premissa promete. Sem contar os cabelos ao vento e iluminação digna de ensaios fotográficos no estilo comercial da Jequiti, lembrando aquelas produções eróticas do extinto Cine Privê da Band. Chegam a ser hilárias pois, essas sequências, nem sexy conseguem ser. E ainda tem os efeitos sonoros ultra apelativos pra causar sustos gratuitos nas poucas cenas de horror existentes.

Acha que estou exagerando? Como imagino que você não irá assisti-lo, segue umas imagens pra sentir o clima:

Captura de Tela 2015-05-25 às 12.51.11Captura de Tela 2015-05-25 às 14.35.58 Captura de Tela 2015-05-25 às 14.34.04 Alone-2015-Latest-Horror-Movie-HD-Awesome-Wallpaper-45125-11

Mas voltando… o roteiro é previsível e muito mal escrito, mas por incrível que pareça, há bons momentos nessa empreitada cinematográfica. Como por exemplo o inesperado ritual de exorcismo executado por um religioso que lembra o Dhalsin do Street Fighter onde o modus operandi segue bem diferente do catolicismo; e certas referências ao original tailandês, como a cena da praia onde a nossa heroína caminha sozinha, mas percebe um par de pegadas a mais na areia.

Nota-se que eu até que fiz alguns elogios pontuais, mas “Alone” é um filme extremamente problemático em sua narrativa com sua mistura de gêneros onde o horror passa bem longe. Nem a beleza indiscutível da Bipasha Basu (que tem inacreditáveis 36 anos) salva essa bomba mainstream de Bollywood.
Alone-2015-Latest-Horror-Movie-HD-Awesome-Wallpaper-45125-8Nota 01: E vale informar que existe mais um remake indiano para o mesmo filme tailandês chamado de “Chaarulatha” (2012) e um filme filipino muito parecido chamado “GuniGuni” (2012).

Nota 02: Aproveito aqui para indicar o “Alone” original tailandês que aqui no Brasil foi lançado sob o nome escroto e sem sentido de “Espíritos 2 – Você nunca está sozinho“. Critico o título nacional pelo simples fato de o filme não se tratar da continuação do famoso “Espíritos – A morte está ao seu lado“. Sim, aquele filme dos fantasmas nas fotos e com uma cena final pra lá de cabulosa, que também é tailandês e dos mesmos diretores.

Escala de tocância de terror:

Direção: Bhushan Patel
Roteiro: Sheershak Anand, Shantanu Ray Chhibber 
Elenco: Bipasha Basu, Karan Singh Grover, Sulabha Arya 
Origem: Índia

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Rodrigo Afonso

    11 de janeiro de 2016 a 19:10

    Adoro terror mas acho uma pena o sofrimento
    Gosto mais de terror a brincar
    Sabem aquele género de terror que não nos pica nos olhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Desenfreado (2018)

Publicados

em

Desenfreado

Quem nunca ficou “viajando” pela Netflix horas e horas, muitas vezes sem encontrar nada para assistir que atire a primeira pedra. Nesses meus passeios por gêneros, encontrei uma produção asiática de 2018 que me chamou muito a atenção pelo fato de ter o plot praticamente idêntico ao da série de “Kingdom”. Decidi dar uma conferida então em “Desenfreado” (Rampant), longa do sul-coreano Sung-hoon Kim.

Vamos lá… Séculos atrás, um príncipe herdeiro retorna ao lar apenas para realizar o desejo de seu falecido irmão mais velho. Ao regressar, encontra o lugar mergulhado no caos político e repleto de intrigas de poder. O pior, no entanto, é que algo está trazendo os mortos à vida, sedentos por carne humana, piorando de vez a situação da região. O relutante príncipe se une a um grupo corajoso de aldeões e juntos tentam parar a ameaça.

As semelhanças com Kingdom vão além da premissa. Cenários e figurinos são idênticos e alguns personagens, mesmo diferentes, se assemelham bastante aos da série. Essa versão cinematográfica opta por um caminho mais voltado a ação, embora tenha momentos tensos e aqui vale elogiar a ótima maquiagem dos monstros. Os zumbis lembram em comportamento os que foram vistos no ótimo “Invasão Zumbi” (Train to Busan) e são uma baita ameaça a ser enfrentada, rendendo bons momentos de tensão.

Ainda assim, algo que me incomodou em “Desenfreado” foi o roteiro preguiçoso, deixando certos acontecimentos rasos apelando demais para a conveniência dos fatos. Por exemplo, o tempo de transformação em zumbi varia de acordo com a necessidade da história e acaba cansando. Para quem curte gore, infelizmente pode se decepcionar. Embora haja muito sangue rolando, não vemos a violência e a brutalidade habitual que esse tipo de filme tem.

Desenfreado” é um bom filme pipoca pra quem gosta de terror, zumbis e lutas. Seguramente é bem melhor que qualquer capítulo da franquia “Resident Evil” por exemplo. Pode assistir de boa nessa quarentena.

Escala de tocância de terror:

Direção: Sung-Hoon Kim
Roteiro: Jo-Yun Hwang, Shin-Yeon Won, Hwang Jo Yoon
Elenco: Hyun Bin, Ji-hye Seo, Tae-hoon Kim e outros
País de origem: Coreia do Sul

Continue lendo

Trending