conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Alone (2015)

Publicados

em

Alone_2015_dvd

Por Júlio César Carvalho

Que o cinema de horror asiático é respeitado e, por consequência, vive sendo refilmado por Hollywood todo mundo sabe. Mas e quando Bollywood decide fazer o mesmo? Pois é exatamente o que “Alone” é: um remake indiano do ótimo horror tailandês de 2007. E claro que eu não poderia deixa de conferir. Me arrependi.

dSYXV4M

Na trama, acompanhamos Sanjana. Uma bela moça que vive o relacionamento dos sonhos com seu amor primeiro de infância. Mas quando a mãe dela sofre um acidente e eles precisam voltar para a vila natal da moça, a relação começa a desabar feio. Não que a sogra seja escrota com o cara, mas sim, sua já falecida cunhada que resolve perturbar a vida da irmã que além de viva, está feliz. O detalhe é que elas eram irmãs siamesas e parece que nem a morte consegue as separar.

3fC1r6mO filme começa e somos apresentados ao casal. Logo somos negativamente surpreendidos, quando o cara ao entrar em cena começa a cantar na festa da amada. Seria normal se fosse apenas umas serenata, mas não, o cara abandona o violão e a música aumenta virando número musical superproduzido. Passado isso, o filme volta ao normal e segue por um tempo, mas do nada alguém começa a cantar novamente e temos de aguentar outro clipe musical. É hilário de início, mas começa a ser irritante quando já sacamos que isso vai acontecer mais vezes até o fim.

Captura de Tela 2015-05-25 às 14.55.30

As atuações são simplesmente toscas. A direção fica por conta de Bhushan Patel que parece não dar a mínima pra definir o estilo do longa. Ah, o idioma é indiano, mas tem frases inteiras em inglês por parte de todos os personagens e mesclados no mesmo diálogo. Detalhe esse que pode soar estranho e incomodo. Passamos a maior parte do tempo com o casal protagonista, vivido pela modelo e atriz Bipasha Basu e o cantor e modelo Karan Singh Grover, que só fazem caras e bocas com os cabelos ao vento, impecavelmente maquiados e ilumidados.

Ok, tenho de admitir que os poucos efeitos que tem são bons e visualmente o filme é muito bem cuidado. É bonito até demais, eu diria. A maioria das cenas, até parecem tiradas comerciais de turismo de tão cristalinas que são, tirando todo clima de horror na qual a premissa promete. Sem contar os cabelos ao vento e iluminação digna de ensaios fotográficos no estilo comercial da Jequiti, lembrando aquelas produções eróticas do extinto Cine Privê da Band. Chegam a ser hilárias pois, essas sequências, nem sexy conseguem ser. E ainda tem os efeitos sonoros ultra apelativos pra causar sustos gratuitos nas poucas cenas de horror existentes.

Acha que estou exagerando? Como imagino que você não irá assisti-lo, segue umas imagens pra sentir o clima:

Captura de Tela 2015-05-25 às 12.51.11Captura de Tela 2015-05-25 às 14.35.58 Captura de Tela 2015-05-25 às 14.34.04 Alone-2015-Latest-Horror-Movie-HD-Awesome-Wallpaper-45125-11

Mas voltando… o roteiro é previsível e muito mal escrito, mas por incrível que pareça, há bons momentos nessa empreitada cinematográfica. Como por exemplo o inesperado ritual de exorcismo executado por um religioso que lembra o Dhalsin do Street Fighter onde o modus operandi segue bem diferente do catolicismo; e certas referências ao original tailandês, como a cena da praia onde a nossa heroína caminha sozinha, mas percebe um par de pegadas a mais na areia.

Nota-se que eu até que fiz alguns elogios pontuais, mas “Alone” é um filme extremamente problemático em sua narrativa com sua mistura de gêneros onde o horror passa bem longe. Nem a beleza indiscutível da Bipasha Basu (que tem inacreditáveis 36 anos) salva essa bomba mainstream de Bollywood.
Alone-2015-Latest-Horror-Movie-HD-Awesome-Wallpaper-45125-8Nota 01: E vale informar que existe mais um remake indiano para o mesmo filme tailandês chamado de “Chaarulatha” (2012) e um filme filipino muito parecido chamado “GuniGuni” (2012).

Nota 02: Aproveito aqui para indicar o “Alone” original tailandês que aqui no Brasil foi lançado sob o nome escroto e sem sentido de “Espíritos 2 – Você nunca está sozinho“. Critico o título nacional pelo simples fato de o filme não se tratar da continuação do famoso “Espíritos – A morte está ao seu lado“. Sim, aquele filme dos fantasmas nas fotos e com uma cena final pra lá de cabulosa, que também é tailandês e dos mesmos diretores.

Escala de tocância de terror:

Direção: Bhushan Patel
Roteiro: Sheershak Anand, Shantanu Ray Chhibber 
Elenco: Bipasha Basu, Karan Singh Grover, Sulabha Arya 
Origem: Índia

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending