conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Amorteamo (primeiro episódio)

Publicados

em

Amorteamo_2

Por Geraldo de Fraga

Até que demorou para a áurea mística do Recife do século XIX chegar às telas da Rede Globo, tendo em vista que Guel Arraes já havia ambientado outras produções em cenários históricos do Nordeste (vide O Auto da Compadecida e Lisbela e o Prisioneiro). Amorteamo, série em cinco episódios que estreou na última sexta-feira, usa a capital pernambucana para contar uma história recheada de vários romances trágicos.

No prólogo, Arlinda (Letícia Sabatella) e seu amante Chico (Daniel de Oliveira) são pegos em flagrante pelo marido ciumento Aragão (Jackson Antunes). Chico é assassinado e então ficamos sabendo que Arlinda está grávida dele. O marido traído aceita cuidar do menino para esconder da sociedade que foi corno, mas trata o pequeno Gabriel com desprezo. Após um salto temporal, o já adulto Gabriel (agora interpretado por Johnny Massaro) vive um romance com Lena (Arianne Botelho), filha da empregada. Esse relacionamento revelará mais um segredo escabroso da trama.

Amorteamo-4

Apesar de ser ambientada no Recife, conhecida como a capital mais assombrada do Brasil, a principal referência para a diretora Flávia Lacerda e seus roteiristas e produtores é, na verdade, Tim Burton. O diretor americano já retratou Londres e Nova York em épocas parecidas e da mesma forma mórbida e luxuosa, e tudo em Amorteamo remete a ele. A série é um desfile de atuações teatrais, frases de efeito, figurinos exagerados e até mesmo pequenos números musicais.

O universo fantástico do Recife ainda não foi utilizado como poderia, e nem deve ser, pois tudo indica que o mote da série seguirá mesmo sendo o romance. Há sim fantasmas na trama, mas, por enquanto, nenhum está lá para assustar. A personagem de Marina Ruy Barbosa, alardeada como a grande estrela da obra, só entrará em cena a partir do próximo episódio e, como as fotos de divulgação já mostraram, ela deve ser uma espécie de Noiva Cadáver (Olha lá Tim Burton de novo!).

Amorteamo-3

Amorteamo é uma obra de TV aberta, e mesmo que traga referências diferentes e um grande elenco, tem o mesmo defeito de outras produções: não se arrisca além de um figurino peculiar e de uma cenografia sofisticada. Comparada a outros exemplares da dramaturgia global, é inegável que está acima da média, mas isso ainda é muito pouco tendo em vista que há na televisão brasileira uma carência de produções fantásticas que explorem mais o terror e menos o charme gótico. Se Amorteamo irá cativar um novo público que, futuramente, se mostre disposto a consumir o horror nacional no sofá de casa, só o tempo dirá.

Escala de tocância de terror:

Amorteamo
Direção: Flávia Lacerda
Roteiro: Cláudio Paiva, Guel Arraes e Newton Moreno
Elenco: Marina Ruy Barbosa, Johnny Massaro, Letícia Sabatella e Jackson Antunes
Origem: Brasil

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. beto

    9 de Maio de 2015 a 19:57

    É isso mesmo, Geraldo. Uma oportunidade de se fazer uma coisa nunca vista história da dramartugia deste país se perdeu….

  2. Tilly

    10 de Maio de 2015 a 20:12

    Realmente a cenografia, figurino e fotografia são bons, mas o roteiro deixou um pouco a desejar; fora que ficou uma impressão que o roteiro foi resumido para que fosse feito em menos episódios, tanto que o primeiro episodio pareceu que foi feito no x2 do dvd player. Vamos ver se o próximo episodio melhora.

  3. opoderosochofer

    10 de Maio de 2015 a 20:29

    Para o padrão das produções globais tá acima da média, mas ainda é pouco

  4. Yasmim Hamanna

    13 de Maio de 2015 a 22:08

    Parabéns! Ótima resenha! Não sabia que Recife tinha essa fama de assombrada…

  5. Pingback: RESENHA: Supermax – Ep.1 (2016) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending