conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Musarañas (2014)

Publicados

em

musaranas_poster

Por Geraldo de Fraga

Sob a batuta de Álex de la Iglesia (que assina como produtor executivo e tem o nome estampado no poster), Esteban Roel e Juanfer Andrés (esse também roteirista) estreiam ambos na direção de longas com Musarañas (2014). A produção espanhola de baixo orçamento correu por festivais da sua terra natal e colecionou críticas positivas, além de algumas premiações.

Musarañas-2014Musarañas (musaranhos, em português) são pequenos mamíferos roedores conhecidos por viverem em ninhos bem escondidos e pela ferocidade, apesar do pouco porte que possuem. É fazendo essa analogia, que o filme conta a história de duas irmãs que vivem em um apartamento de Madrid, nos anos 50, e mantêm uma rotina que não muda há anos. Isso porque a mais velha delas, Montse (Macarena Gómez), sofre de agorafobia. Como esse seu medo de lugares abertos a impede de sair de casa, ela trabalha no próprio apartamento como costureira. Já a mais nova, interpretada por Nadia de Santiago, tem a saúde normal e entra e sai do prédio ao seu bel prazer.

Mas Montse, além de problemática, é uma fanática religiosa que começa a se preocupar com o amadurecimento da irmã que criou desde pequena, após a mãe morrer no parto. Como se essa relação já não estivesse causando problemas suficientes para ambas as partes, um acaso da natureza é responsável por uma reviravolta em suas vidas. Carlos (Hugo Silva), vizinho do andar de cima, bate à porta pedindo ajuda, após cair da escada e quebrar a perna. Mesmo assustada, Montse o socorre e o leva para dentro. Mas ao invés de chamar a polícia, ou qualquer autoridade responsável, ela prefere mantê-lo trancafiado como forma de trazer para sua vida um pouco do mundo exterior do qual não consegue ter acesso.

IpYIFCUZsE5zUCSdSXwKJEL8IzNvAY9AjfeUM5BrFkKMbKZ7S7ZHUl_BS74wV2Svoz7Boix89IvRHrc0QTS9EflTrIl7SvRWKM8l4VUA1pG_4mwn1VLzPwQbFhz7ZROX09uGWd05cigbGPc98tfFapuAYSQjzSeEw4zEkD94WV8WEUx2kxbS3nJii4urYIyX6uGS1gbvkr7knQm4pAP_O filme ganha contornos de outra obra com enredo semelhante: Louca Obsessão (Misery), onde a personagem de Kathy Bates mantém o pobre do James Caan preso em sua fazenda. Mas aqui, além de motivações diferentes, temos a presença da irmã mais nova pra cima e pra baixo dentro do apartamento. E é aí que o filme perde um pouco a mão, já que Montse, a princípio, tenta manter em segredo a presença de Carlos em seu quarto. Mesmo com todos os cuidados, a jovem descobre e começa a visitá-lo. Nesses encontros, ela passa a alertá-lo sobre os problemas psicológicos da sua, digamos, anfitriã.

Como o filme se passa todo dentro do imóvel, temos várias cenas da garota esgueirando-se pelo apartamento para não ser vista. Essa repetição cansa e torna a situação bem iverossímel. A passividade da personagem de Nadia de Santiago também incomoda. Ela se mostra preocupada com a situação de Carlos, mas em nenhum momento decide chamar ajuda ou confrontar a irmã. Além do mais, segue sua rotina normal de trabalho como se aquela situação só afetasse sua vida quando ela entrasse em casa. Talvez essa fosse mesmo a intenção do roteiro, mas ficou estranho, já que a garota é o ponto de sanidade da história.

126654Também pesa contra Musarañas o fato de querer apresentar novas e novas reviravoltas, a cada momento chave. Como o cenário é reduzido, espera-se de fato que o roteiro se concentre na interação entre os protagonistas, mas a mudança constante de direcionamento dá ares de dramalhão à história. A dupla central da trama desequilibra no quesito interpretação. Apesar de Nadia de Santiago decepcionar um pouco em sua atuação, Macarena Gómez se entrega totalmente ao papel, principalmente quando sua personagem surta por completo. Não foi à toa que esse trabalho lhe rendeu indicações aos prêmios de melhor atriz no Cinema Writers Circle Awards e no Goya Awards.

5554ceabcb0bcMas, tirando a carga dramática por vezes excessiva, temos aqui mais um exemplar de cinema espanhol que não pode passar desapercebido pelos fãs do gênero. Mesmo com suas falhas, Musarañas está acima da média das produções atuais. Talvez uma história mais enxuta transcorresse melhor. Mas o que seria do cinema latino sem o dramalhão, não é?

Escala de tocância de terror:

Direção: Esteban Roel e Juanfer Andrés
Roteiro: Juanfer Andrés
Elenco: Macarena Gómez, Nadia de Santiago e Hugo Silva
Origem: Espanha

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Cabelo

    5 de junho de 2015 a 17:30

    Filmão, pra quem curte uma boa trama!

  2. dan

    13 de junho de 2015 a 14:41

    Acabo de assistir o filme e concordo com a sua critica!
    Muito acima da media de outras produções,atuação fantastica da atris que interpreta montse,e o que torna muito inverossimel de verdade é a falta de atitude e preocupação da irmã,um pouco de gore não faria mal a ninguém não é?
    Altamente recomendado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending