conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Goodnight Mommy (2014)

Publicados

em

Goodnight-Mommy-images (1)

Por Geraldo de Fraga

Numa casa isolada, em algum lugar da Áustria, os gêmeos Elias (Elias Schwarz) e Lukas (Lukas Schwarz), de nove anos, esperam a mãe (Susanne Wuest) retornar ao lar, após passar por uma cirurgia plástica. Porém, ela volta diferente: omissa e agressiva. Com o rosto enfaixado, devido ao procedimento cirúrgico, a mulher começa a alimentar a dúvida dos garotos se, de fato, é sua mãe mesmo quem está ali.

Essa é a sinopse de Goodnight Mommy (Ich seh, Ich seh no original), filme austríaco independente de 2014, que desde seu lançamento vem rodando o mundo em festivais e, até mesmo, arrebatando alguns prêmios, como o de melhor roteiro no Fantaspoa desse ano. A obra é a primeira empreitada do gênero de Severin Fiala e Veronika Franz, que o escreveram e dirigiram juntos. Mas, nitidamente, o terror foi escolhido aqui só por ser um estilo onde se pode moldar a realidade. Não espere nada perto do usual.

ich-seh-ich-seh-106-_v-img__16__9

Assisti-lo, inclusive, requer um exercício de paciência. O filme demora muito na ambientação e a primeira metade se arrasta, nos fazendo lembrar daquele velho clichê do cinema europeu. Na maior parte do tempo, acompanhamos a rotina de brincadeiras e passeios dos gêmeos, intercalados com momentos de tensão com a presença na mãe vilã. Isso leva o espectador a ir juntando as pistas para resolver o mistério junto com os protagonistas.

E é justamente nessa parte mais lenta que o roteiro se mostra eficiente ao dizer o que quer, mostrando pouco. Mas é preciso atenção redobrada para não perder os detalhes, como na cena do jogo do papel na testa (aquele mesmo jogado em Bastardos Inglórios) e nos closes nas fotografias espalhadas pela casa. Mas tem um estranho detalhe sobre um dos protagonistas. Se foi proposital, ok, mas se era para ser uma reviravolta importante foi por água abaixo, pois dá para sacar bem no início.

ich-seh-ich-seh-film-100-_v-img__16__9

Outro alerta é que a obra é minimalista. A ação se passa quase toda em um único cenário (a casa), com apenas três personagens (salvo algumas pontas) e não há tantos diálogos. É um filme cheio de metáforas sobre tragédias e conflitos familiares, focado no visual e que deixa um monte de coisas subentendidas. Goodnight Mommy não é de fácil digestão. Como dito no início, é o terror usado para representar dramas reais. Do meio para o fim, há uma mudança de estilo para algo bem mais visceral, mas nada que desmanche o clima que foi construído no início. Veja se procura algo fora do comum.

Escala de tocância de terror:

Título: Ich seh, Ich seh
Direção: Severin Fiala e Veronika Franz
Roteiro: Severin Fiala e Veronika Franz
Elenco: Susanne Wuest, Elias Schwarz e Lukas Schwarz
Origem: Áustria

Continue lendo
32 Comentários

32 Comments

  1. Emerson Teixeira L (@EmersonTeixera)

    8 de agosto de 2015 a 23:03

    Assisti hoje e gostei bastante. A construção da história, mesmo que forçando alguns pontos para ressaltar a dúvida, os personagens e suas relações diretas com a natureza, atuação, enfim, há uma densidade, inclusive eu o considero um drama com elementos de terror psicológico.

    Gostei da resenha!

    http://cronologiadoacaso.com.br/ ( aliás, gostariam de fazer parceria? O Cronologia do Acaso é um site especializado em cinema alternativo )

    • Sophia

      14 de fevereiro de 2016 a 17:21

      Alguém me explica a parte q a mae vai pra floresta, tira a roupa e fico toda loucona lá. N to entendendo, isso realmente aconteceu? Ou foi coisa da cabeça de elias?

      • Liz

        4 de março de 2016 a 16:08

        Aparente era um sonho de Elias.

      • lucilena de Cieta Guaiume

        23 de abril de 2016 a 13:34

        Acabei de pensar em postar isso tambem!! Pensei que fosse se transformar em um ET Realmente sem nexo isso!!! Achei muito bobo!

  2. Joseci Pereira

    25 de agosto de 2015 a 03:12

    Acabei de assistir ao filme, muita coisa fica subentendida, mas também muita coisa fica na dúvida… Tem muitas formas de ver o filme, mas se você levar as cenas ”ao pé da letra”, na última cena dá a entender que a mulher realmente era a mãe, que Lukas era uma criança problemática, ela não conseguiu lhe dar com ele, provavelmente ele que causou o acidente cujo qual foi necessária a cara dela ficar enfaixada, e ela volta da cirurgia estressada e sem falar com ele… E a ideia dele era matar ela desde que a amarraram, pois quando a mulher da cruz vermelha fala sobre as aulas voltarem em breve em Vienna, ele começa a acelerar o plano e dá um jeito de se livrar dos dois da cruz vermelha, e Elias, bom, achei ele muito ingênuo e manipulável… Triste fim, mas um bom filme…

    • Andoré

      6 de setembro de 2015 a 10:45

      Cara, assiste de novo. O Lukas na real não existe, pelo o que entendi no final, ele morreu em um acidente que o Elias causou. Se você perceber, nenhum dos personagens interage com o Lukas (o cara da comida congelada, cruz vermelha, e a própria mãe não ouve). Provavelmente ele seja apenas uma manifestação de uma psicopatia de Elias.

      • Carlos Costa

        22 de março de 2016 a 22:10

        Exatamente, a cirurgia da mãe deu uma disfarçada na trama.

    • bianka

      9 de fevereiro de 2016 a 01:28

      nao ,pq lucas tinha morrido no acidente

    • Tom Costa

      27 de fevereiro de 2016 a 04:32

      nossa parabéns você não intendeu nada do filme kkkk, não viu que o Lukas estava morto

  3. Pedro Dantas

    25 de agosto de 2015 a 11:59

    Será meu próximo filme, sem dúvida!

  4. Tinha

    6 de setembro de 2015 a 13:34

    Oi! Gostaria de saber onde encontro o filme para assistir? Alguém pode me ajudar?

    • Geraldo de Fraga

      10 de setembro de 2015 a 16:09

      Tem torrents por aí, mas pode ser que entre em cartaz nos cinemas.

    • Esileide

      10 de outubro de 2016 a 20:39

      Eu comprei em um camelô.

  5. Vacuo Eterno

    13 de setembro de 2015 a 02:55

    Galera, curti o filme, ótima resenha.
    Mas ainda estou com a pulga atrás da orelha kk
    Afinal, era ou não era a mãe deles no final? Todo mundo morreu no final?
    Pq se realmente for a mãe, pq ela matou o gato e não sabia responder quem era ela no jogo do papel, e pq ela não responde nunca como provar que ela é a mãe?
    E se não for, quem é ela? A amiga dela q se vestia igual? Pq ela resolveu cuidar dos meninos (ou DO menino, no caso) e com a maior má vontade.

    O filme é interessante e legal, mas nada de medo ou terror psicológico como venderam o filme.
    mas vale a pena ver.

    • Fernanda Salignac

      7 de dezembro de 2015 a 14:24

      Sim, é a mãe dele( Elias)
      Lukas é o filho que morreu ou apenas é manifestação da mente do Elias.
      Elias e a mãe morreram no final.
      Ela não provava que era mãe do Lukas, pq ele não existe para ela.

  6. Amanda

    16 de setembro de 2015 a 21:23

    Nossa, pelos comentários parece muito com o filme O mistério das duas irmãs, quem já assistiu sabe. Alguém sabe informar, quando irá estreiar no cinema ?

    • Mariana

      14 de janeiro de 2016 a 03:42

      Dia 21/01

  7. Yago Lucri

    8 de outubro de 2015 a 23:12

    -SPOILER-SPOILER-SPOILER-SPOILER-SPOILER-SPOILER-SPOILER-
    O que deu a entender é que o Elias causou o acidente do irmão, e a mãe foi fazer uma cirurgia por algum motivo que não é esclarecido no filme, mas dá a entender que foi quando ela quis parar de fingir acreditar em Lucas (que estava morto). A maneira como a mãe volta do hospital toda seca e com má vontade é devido a alguma depressão que ela teve. E por aí vai…

  8. Roberto

    30 de novembro de 2015 a 03:25

    É assim : filme de orçamento pobre não consegue filmar cenas que daria mais dinâmica a história, como o acidente, o processo de loucura do muleque, o contexto familiar, etc. e então resolveram que iria ficar assim mesmo já que todos tirariam suas próprias conclusões como se fosse essa a idéia original do diretor. Alguém poderia por favor explicar o que foi aquilo de a mãe ficar pelada a noite no mato e se transformar em sei lá o quê? Conclusão: o filme é ruim mas é bom.

    • Fernanda Salignac

      7 de dezembro de 2015 a 14:25

      a parte da floresta e das baratas na barriga é sonho do Elias.

      • Joyce Leah

        16 de dezembro de 2015 a 16:02

        ahhh, eu fiquei pensando na parte da floresta, nao vi muito sentido com o decorrer da trama. Mas se foi sonho do Elias então está explicado.

      • joyceleah

        16 de dezembro de 2015 a 16:04

        Ah!!! Eu tinha ficado sem entender a parte da floresta…então foi sonho do Elias…agora sim!

  9. Ana Gomes

    11 de janeiro de 2016 a 09:54

    Assisti ontem e achei muito, mas muito chato. Falaram tanto que fiquei empolgada, mas já vi pelo menos uns 2 filmes com desfechos muito parecidos. Já na metade percebi o que ia acontecer. Valeu só pelo fato de assistir mais um filme… 🙁

  10. Ingrid Mors

    21 de janeiro de 2016 a 22:48

    eu já assisti esse filme três vezes , pq não é possível que o Lucas não seja real , tipo vários acontecimentos provam que ele existe , só não sei explicar muito , esse filme foi o que mais me deixou em duvida ..

    • Fabiano

      31 de janeiro de 2016 a 01:09

      O Lukas não existe! Pode reparar que o diálogo construído no filme ( entre a mãe e o Filho) sempre está no singular. Ela nunca menciona os dois e sim apenas um.
      Ex: quando ela chega da cirurgia e manda “ele” e não eles tirarem a roupa e levar para a máquina.
      Outra cena interessante é quando ela entra no quarto quando eles estavam fazendo carinho no gato.
      No momento em que o Elias abre vai abrir a porta para a mãe, o Lukas sobe para a cama de cima.
      Reparem que ela vasculha o quarto e quando ela vai para a cama de cima não tem ninguém nos lençóis.
      O Lukas só aparece quando ela começa a bater no Elias. Lukas bate na cama porém percebesse que ela não escuta.
      Tem outros acontecimentos que mostram que o Lukas não existe.

      • Margarida

        28 de dezembro de 2016 a 10:18

        Porque a mãe N acertou no jogo do papel??
        E porque Lucas a odeia tanto?
        Gostei

    • Janaina

      4 de fevereiro de 2016 a 03:23

      Lukas existe, porém ele está morto, mas o Elias não supera a morte do irmão e sempre o imagina. Só cheguei nessa conclusão nos últimos 10 minutos, porque ela acaba falando algo sobre o acidente.

  11. Janaina

    4 de fevereiro de 2016 a 03:26

    Adorei o filme! Só entendi o filme nos últimos 10 minutos, antes disso eram muitos porquês na minha cabeça. Apesar de não ser muito fã de muito suspense, esse realmente agradou!

  12. Andressa

    17 de fevereiro de 2016 a 20:30

    Filme previsível desde a cena que a mãe serve suco p Elias,as cenas onde mostram que a mãe esta estranha,como à da floresta e à que sai baratas da sua barriga,são sonhos e delírios do Elias,que devido ao acidente que vitimou o gêmeo Lukas,ficou com problemas psicológicos!Filme fraco e barato!

  13. Daniela

    30 de dezembro de 2016 a 22:13

    Gente só agora é que vi o filme, podem me explicar uma coisa?? Porque é que o Lukas odiava tanto a mãe, e porque fez aquilo ao irmão? E se ele sempre estava morto por causa do acidente porque é que a mãe não dizia isso ao Elias? E se era realmente a mãe deles porque é que lhe bateu e andava meia esquisita, devia era lhe ajudar não? Meu Deus estou muito confusa!!!!

    • Daniel TCC

      10 de setembro de 2017 a 15:23

      Lukas não odiava a mãe, ele achava que a mãe não era a mãe real, e fez com que Elias acreditasse nisso também, a ponto de fazer o que ele fez no filme. Lukas é só uma projeção do antigo irmão que Elias ainda mantia. Pelo que entendi, Lukas morreu na terceira cena do filme, naquela cena do lago em que ele não retorna, subentende-se que ele morreu afogado. Li uma crítica que a mãe foi desfigurada por um incêndio que Lukas teria causado(propositalmente ou não), mas não encontrei subsídios no filme que sustentassem essa ideia.

  14. Pingback: LISTA: Filmes estrangeiros de terror | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending