conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Pacto Maligno (2014)

Publicados

em

mercy-poster

Por Geraldo de Fraga

Pacto Maligno (Mercy) é mais um filme baseado numa história do escritor americano Stephen King. Porém, essa não é a primeira vez que o conto Gramma (publicado em 1985, no livro Tripulação de Esqueletos) é adaptado para as telas. O texto já tinha sido roteirizado, no mesmo ano em que foi lançado, para um episódio da série Além da Imaginação.

Essa versão em longa metragem é dirigida por Peter Cornwell e conta com roteiro de Matt Greenberg, que, inclusive, já trabalhou com uma adaptação de Stephen King: 1408 (2007). Confesso que não li o conto Gramma e tenho uma vaga lembrança do episódio de Além da Imaginação baseado nele.

stephen-king-filme-mercy-chandler-riggs

A premissa é interessante e vários contos de Stephen King têm boas premissas, mas que não obrigatoriamente resultam em boas histórias e, muito menos, em bons filmes. A história aqui é a seguinte: George (Chandler Rings, o Carl de The Walking Dead) ama sua vó Mercy (a veterana Shirley Knight). Por isso, quando ela tem um ataque e precisa ser internada, o garoto fica arrasado.

Um ano depois, Mercy (já vivendo em uma casa de repouso) sofre um AVC e a clínica não pode (ou não quer) tratá-la do jeito que está. Os médicos a mandam para casa sob os cuidados da filha Rebecca (Frances O’Connor), que é mãe de George e de Buddy (Joel Courtney), o mais velho dos dois.

A família se muda para a antiga residência, no interior do estado da Virginia, para tratar da idosa. A partir daí, os segredos da matriarca começam a vir à tona e logo George começa a desconfiar que sua avó não é lá flor que se cheire. É quando vemos que com um melhor cuidado dava pra tirar algo bom daí, mas nem de longe o filme acerta alguma coisa.

Mercy-2014-3

Não sei se tudo usado por Greenberg está na história original, mas o fato é que a maioria das coisas não se encaixou dentro dos 80 minutos do longa. Talvez, só o passado nebuloso de Mercy e uma revelação no final fossem suficientes, mas ele achou por bem entupir o filme de elementos descartáveis como um livro de magia pra lá de clichê, uma entidade sobrenatural que não faz absolutamente nada de relevante e uma fantasminha camarada. E furos no roteiro, tem? De monte.

Algumas atuações até convencem, como as dos coadjuvantes Dylan McDermott, no papel do affair de Rebecca, e Mark Duplass, interpretando o tio que sabe dos podres da mãe, mas que ninguém leva a sério. Só que, no fim das contas, Mercy tenta ser um filme que se debruça sobre uma obscura história familiar, mas só consegue entediar e, achando pouco, nos brinda com um final pra lá de brega.

Escala de tocância de terror:

Direção: Peter Cornwell
Roteiro: Matt Greenberg (baseado em um conto de Stephen King)
Elenco: Chandler Rings, Shirley Knight e Frances O’Connor
Origem: EUA

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Edjanailson Oliver

    9 de junho de 2016 a 13:26

    Republicou isso em Literatura em Artes.

  2. Pingback: EVENTO: Mostra Stephen King no CCBB (Rio, SP e Brasília) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending