conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Exorcistas do Vaticano (2015)

Publicados

em

Exorcistas-Vaticano_Poster

[Por Jarmeson de Lima]

Desde 1973, cineastas de horror tentam fazer uma obra tão ou mais assustadora e incômoda do que O Exorcista. O tema da possessão de uma jovem pelas forças demoníacas é de fato bem tentador e não é à toa que dezenas de filmes seguiram a cartilha da obra de William Friedkin mas sem muito sucesso.

De 2010 até aqui, tivemos praticamente uns 2 ou 3 filmes por ano com este tema sem que tivessem algo a mais para oferecer. E o problema de todos eles é que mais ou menos já conhecemos a fórmula, prevendo praticamente tudo o que pode acontecer.

Ao ver o filme, preste atenção nas datas das 'gravações' no rodapé

Ao ver o filme, preste atenção nas datas das ‘gravações’ no rodapé

Para tentar se sobressair a um mar de filmes genéricos neste naipe, Exorcistas do Vaticano (The Vatican Tapes) tenta apelar para as conhecidas conspirações que envolvem o Vaticano, onde cardeais monitoram os supostos casos de exorcismo pelo mundo. Utilizando-se de registros de câmeras de segurança e filmagens caseiras que assistem pela Internet, os cardeais analisam os acontecimentos e determinam se isso é ou não motivo de uma “intervenção religiosa”.

Para tentar reforçar o aspecto “realista”, incluem depoimentos em off do Papa Francisco e de alguns “especialistas” no tema logo no começo pra amedrontar os céticos. Mas não se deixe enganar… essa trama política é bastante rasa e só serve como prólogo para nos colocar a par do caso da jovem Angela Holmes (Olivia Taylor Dudley) numa pequena cidade dos Estados Unidos.

Por infortúnio do destino, Angela, em sua festa de aniversário de 27 anos, foi escolhida pelo demônio para ser sua morada. Em uma “filmagem caseira”, vemos um corvo atrapalhando o corte do bolo e umas gotas de sangue saindo do dedo da jovem em cima do bolo. Claro que a cena em si não oferece risco e não é nada gore, afinal estamos lidando com mais um produto PG-13.

O mesmo ator que apareceu recentemente em "Homem-Formiga" agora é um padre. Só Jesus salva.

O mesmo ator que apareceu recentemente em “Homem-Formiga” agora é um padre. Só Jesus salva.

Papo vem, papo vai e depois de uns dias, a infecção no dedo de Angela piora e ela acaba internada no hospital em coma(!). Sendo que depois de algumas semanas que ela desperta ~coisas estranhas acontecem~ na enfermaria, no corredor, na UTI, no berçário… E é neste mesmo hospital que o pai de Angela se encontra com o Padre Lozano (Michael Peña, o ator latino da vez), que se encarrega de ser o confidente dele e o porta-voz das más notícias pra turma do Vaticano.

A partir deste momento do filme – quase cinquenta minutos depois – vocês já devem imaginar o que acontece, tendo em vista que todo o ceticismo dos personagens dá lugar ao medo e aos rituais típicos de um exorcismo comum. Se não fossem algumas poucas cenas autênticas e todo o simbolismo bíblico que o ritual em si carrega, o filme daria mais sono do que medo. O que é uma pena, visto que o diretor do filme é Mark Neveldine, o mesmo que fez os aloprados Adrenalina 1 e 2 (Crank), mas que depois escorregou feio com a continuação de Motoqueiro Fantasma.

"Não blasfemarás com a boca cheia!"

“Não blasfemarás com a boca cheia!”

Enfim, de tão genérica a trama, tudo vai andando no piloto-automático até que temos um final brusco que pode até ser considerado ousado. Esse mesmo final surpreendente pode ser visto de duas formas: uma como boa crítica ao fanatismo religioso dos dias atuais ou como sendo um gancho pra uma futura continuação. Ainda assim, seja qual for sua interpretação do final, não tem reza que salve o filme da perdição.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Vatican Tapes
Direção: Mark Neveldine
Roteiro: Christopher Borrelli e Michael C. Martin
Elenco: Olivia Taylor Dudley, Michael Peña e Dougray Scott
Origem: EUA

* Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pelo Espaço Z no Cinemark Rio Mar

Continue lendo
4 Comentários

4 Comments

  1. opoderosochofer

    21 de agosto de 2015 a 18:45

    Os caras querem fazer um “novo Exorcista” com censura PG 13 tsc, tsc, tsc…

  2. Pingback: RESENHA: A Possessão do Mal (2015) | Toca o Terror

  3. Shadai

    3 de abril de 2017 a 00:20

    um dos piores filmes que já vi em toda minha vida, e olha que já vi muitos!
    o roteiro tem tantos furos, que se torna uma aula do que não fazer.
    e vale também para a direção, que é muito ruim.
    os atores tão arrependidos de terem aceitado fazer essa bomba acabam tendo atuações péssimas, totalmente inverossímeis.
    aquele fundo verde na cena final é a parte mais assustadora do filme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em


[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Trending