conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Sharknado 3 – Oh Hell No! (2015)

Publicados

em

Sharknado-3-600x800__

Por Geraldo de Fraga

Poderia uma história sobre um tornado que arrasta centenas de tubarões do mar para a cidade render três filmes? Na verdade, se o bom senso fosse levado em consideração, não deveria render nenhum, mas a ode ao absurdo de Sharknado chegou à terceira parte da franquia com Sharknado 3 – Oh Hell No!.

Sharknado 3: Oh Hell No!

O longa do SyFy Channel, em parceria com a produtora picareta The Asylum, é novamente dirigido por Anthony C. Ferrante e escrito por Thunder Levin. A ação muda mais uma vez de cidade e começa em Washington, onde nosso herói Fin Shepard (Ian Ziering), agora brother do presidente dos EUA, recebe uma honraria do governo americano. Mas a trama também nos leva a Orlando, onde April (Tara Reid) curte as férias com o resto da família e para onde Fin parte para resgatá-la, quando os tubarões começam a cair do céu.

Sharknado_hero_sharknado_3

É difícil analisar Sharknado 3 como obra cinematográfica, pois chegamos a conclusão de que ele nem se considera mais um filme. O que vemos na tela é apenas uma sucessão de cenas absurdas, que inclusive já se tornaram repetitivas, intercaladas com algumas participações especiais, sejam de celebridades como George R.R. Martin ou de atores sumidos, tipo Lorenzo Lamas.

Não há atuações convincentes, porque não há um público para ser convencido. Não há uma história relevante, pois ninguém mais liga. Sharknado, desde seu início, foi uma aposta na capacidade dos espectadores de encarar um enredo improvável com efeitos pra lá de pobres. Mas mesmo isso pede uma renovação de ideias e piadas que esse terceiro longa, até tenta, mas não consegue, dada a dificuldade de se ampliar uma tosqueira tão sem sentido.

Sharknado3_gallery_JoeyLogano

Tenta-se criar uma mitologia, como um personagem que ressurge mudado pelos acontecimentos do primeiro filme ou criar uma explicação para a nova invasão de tubarões, mas tudo fica sem importância já que isso nunca interessou a quem se dispõe a acompanhar a saga de Fin Shepard. A saída para inovar incluiu até um toque de interatividade, quando o público agora poderá votar nas redes sociais para escolher o destino de April em (adivinhem?) Sharknado 4.

A pergunta que fica ao terminar o filme é: até quando a disposição das pessoas para ver tubarões sendo carregados por tornados irá durar? Essa terceira empreitada da Asylum já mostrou que a bizarrice de Anthony C. Ferrante e Thunder Levin já esgotou seus 15 minutos de fama. Seria a hora de parar e investir em novas maluquices, mas como dito aqui, teremos outro longa. Boa sorte para quem for assistir!

Escala de tocância de terror:

Direção: Anthony C. Ferrante
Roteiro: Thunder Levin
Elenco: Ian Ziering, Tara Reid e Cassie Scerbo
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending