conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Regresso do Mal (2015)

Publicados

em

MV5BMzY3MTc3NzQ1Nl5BMl5BanBnXkFtZTgwNjk2MDE3NjE@._V1__SX1522_SY1286_

Por Geraldo de Fraga

Mike Lawford (Nicolas Cage) é um professor universitário que trabalha demais e tem pouco tempo para esposa Kristen (Sarah Wayne Callies) e para seu filho Charlie (Jack Fulton). Mas mesmo com essa omissão paterna e com os constantes atrasos em compromissos familiares, os três seguem uma rotina feliz e harmoniosa.

Captura de Tela 2015-09-22 às 14.01.18

Só que no dia do Halloween, uma tragédia acaba com tudo. Durante um passeio no meio da multidão, Mike se perde de Charlie. Após um salto temporal de um ano, descobrimos que o garoto continua desaparecido, o casamento acabou por conta disso e que o pai segue uma rotina de procura incessante de busca ao filho. Incluindo aí uma pressão gigante em cima do detetive Reynolds (Lyriq Bent), responsável pelo caso, que segue sem pista alguma.

Com a proximidade do Dia das Bruxas seguinte, tanto Mike como Kristen, passam a sentir uma presença fantasmagórica do menino. Obcecado por uma frase que o filho disse, segundos antes de sumir – “pague o fantasma”, o pai tenta juntar as peças de um quebra-cabeça sobrenatural, após descobrir essa mesma frase escrita na parede de um estranho edifício.

Captura de Tela 2015-09-22 às 14.01.58

Como fica claro pela sinopse, Pay the Ghost (2015), dirigido pelo veterano Uli Edel (Christiane F. e Corpo em Evidência), é um filme sobre redenção, talvez um dos temas mais populares da história do cinema. A trama, apesar de xarope, dá a impressão de que vai funcionar, pelo menos no início. Além disso, a direção de Edel é segura, o longa foca numa Nova Iorque (que na verdade é Toronto) feia e suja, temos bons efeitos com o timing certo dos sustos, e Nicolas Cage, que tem sofrido tantas críticas negativas, cumpre seu papel.

O problema é que, após criar todo um clima tenso e enigmático, o roteiro Dan Kay (baseado no livro de Tim Lebbon) descamba para soluções fáceis e clichês de todos os tipos. Inclusive o ritmo acelera tanto do meio para o fim, que há dois pontos que chegam a ser constrangedores: primeiro o sumiço repentino do detetive Reynolds da trama. Claro que, como astro de Hollywood, Cage deveria ter mais destaque, mas nada justifica o desaparecimento do personagem de Lyriq Bent.

Captura de Tela 2015-09-22 às 13.59.45

Como se não bastasse, boa parte da explicação sobre o mistério por trás dos eventos é dada por uma personagem que cai de paraquedas na trama e, como ela própria assume, não é especialista no assunto. Entra ainda na conta de catástrofes o final megalomaníaco e totalmente previsível. No Halloween de Nicolas Cage faltaram travessuras, gostosuras e sobraram micos. Pay the Ghost saiu devendo até as calças.

Escala de tocância de terror:

Direção: Uli Edel
Roteiro: Dan Kay (baseado no livro de Tim Lebbon)
Elenco: Nicolas Cage, Sarah Wayne Callies e Lyriq Bent
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Sidney Leal

    23 de setembro de 2015 a 10:06

    Coincidentemente assisti ele ontem e concordo: “filme tristemente fraco…”

  2. Monica

    17 de fevereiro de 2016 a 08:11

    Que gente chata! Todo filme é ruim, previsivel, etc. Pra quem curte o genero, como eu, o filme é bom. Vale a pena. Nao é excepcional, mas é um bom filme de terror.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending