conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Como Sobreviver a um Ataque Zumbi (2015)

Publicados

em

Como-Sobreviver-a-Um-Ataque-Zumbi-poster-br

[Por Jarmeson de Lima]

A primeira observação a se fazer a respeito de “Como Sobreviver a um Ataque Zumbi” é que ele não é tão idiota quanto parece. É mais que óbvio que não passa de uma comédia que utiliza os clichês e fórmulas dos filmes de zumbis atuais para criar uma história nova focada num grupo de amigos. Mesmo bem intencionado, o filme tem falhas, mas que no fim das contas não compromete sua paciência nem agride seu cérebro.

Aliás, quando uma cena está beirando o constrangedor, parece que os produtores e roteiristas tomam noção e mudam de rumo na hora quebrando as expectativas e fugindo da vala deste tipo de comédia escrachada com elementos de horror. Se pudesse resumir bem o filme, diria que ele tenta ser uma mistura de “Superbad” com “A Volta dos Mortos Vivos“. Veja bem… TENTA SER!

Scout-zombie-guide

Temos aqui os adolescentes em sua busca por amor e sexo (não necessariamente nesta ordem) e uma horda de zumbis que atacam a cidade após a epidemia ter sido causada por um descuido. Diante da catástrofe iminente, só o exército poderia dar um fim nisso… É nessa hora que vemos o militarismo como solução fácil para acabar com aquilo que a sociedade não dá conta, aceitando sua incapacidade de lidar com os problemas do dia a dia, sejam eles sobrenaturais ou não.

Com o caos instaurado na cidade, um pequeno grupo de escoteiros que estava prestes a acampar descobre o valor da amizade e inicia um processo rápido de amadurecimento emocional em contato com outros sobreviventes. Acidentalmente, no meio do apocalipse zumbi, uma garçonete que trabalha numa boate de strip-tease reforça o time para escapar dos mortos-vivos. Uma questão interessante é que em nenhum momento o filme os mostra como “salvadores da pátria”. Pelo contrário, o deboche com o lance do Escotismo vai desde o início do filme em um recrutamento fracassado até a forma como eles são tratados como “losers” entre os coleguinhas de escola que não querem vê-los na mesma festa.

SCOUTS VS. ZOMBIES

E apesar de “Como Sobreviver a um Ataque Zumbi” ser feito para uma turma adolescente, há que se reconhecer que há uma ousadia em cenas que 90% dos filmes deste porte não arriscam. Com isso, tome sangue, tripas e três cenas especiais que poderiam ter sido feitas pela versão hollywoodiana de nosso Petter Baiestorf. Uma delas envolve uma tentativa frustrada de uma mordida de zumbi na bunda de um dos personagens e outra mostra até um pênis de zumbi. São momentos tão WTF que faz você repensar como esta comédia vai reagir na plateia mais jovem desacostumada a imagens mais explícitas numa produção mainstream.

No último terço do filme, um ritmo mais veloz vai se impondo e diante da contagem regressiva para a possível salvação dos personagens, os escoteiros testam suas habilidades como McGyver e começam a usar qualquer coisa como arma para se defender e atacar os infectados. O ponto fraco do filme que fica bem evidente é a tentativa de mostrar que ele se comunica com esta Geração Y através da inserção de elementos da cultura pop, aquela trilha descolada com Iggy Azalea na abertura e até mesmo aqueles momentos inapropriados para tirar selfies.

Como-sobreviver-a-um-apocalipse-zumbi-filme

Considerando que filmes com zumbis estão na moda e não há muito como esperar grandes obras-primas neste ramo de comédia, é possível ver “Como Sobreviver a um Ataque Zumbi” como um passatempo divertido sem grandes expectativas. Pelo menos foi essa a minha constante observação enquanto ia vendo o filme. Mas também pode ser que estivesse com bom humor e fui me deixando levar pela besteirada toda.

Escala de tocância de terror:

Título Original: Scouts Guide To The Zombie Apocalypse
Direção: Christopher Landon
Roteiro: Carrie Evans, Emi Mochizuki, Christopher Landon e Lona Williams
Elenco: Tye Sheridan, Logan Miller, Joey Morgan e Sarah Dumont
Origem: EUA

* Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pela Espaço Z no UCI Recife

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Poppunk Paracetamol

    30 de janeiro de 2016 a 01:37

    Eu achei o filme muito fraquinho ;-; assisti no cinema e dei duas risadas. Pra mim merecia uma Caveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]
Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “Suspiria”. A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: O Mundo Sombrio de Sabrina (2018)

Publicados

em

O Mundo Sombrio de Sabrina

[Por Jarmeson de Lima]

Ocultismo, bruxaria e paganismo em uma série para um público adolescente tem mais conteúdo macabro do que muito seriado com renome por aí. “O Mundo Sombrio de Sabrina” (Chilling Adventures of Sabrina) tem se revelado muito mais do que uma releitura da série de TV dos anos 90 que apresentava uma simpática feiticeira ajudando seus amigos com truques de mágica. (mais…)

Continue lendo

Trending