conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Seita (2016)

Publicados

em

the-veil-movie-poster-1-721x1024

Por Júlio Carvalho

2016 mal começa e já tem produção com estrelas de Hollywood e uma premissa que soa interessante. Mas como em 2015, o ano não começa bem para o cinema de horror. Infelizmente posso adiantar que, A Seita (The Veil) não mostrou pra que veio. [deleta]. Dito isso, vamos ao filme.

The Veil.2016.720p.WEB-DL.700MB.MkvCage.mkv_snapshot_01.23.38_[2016.01.31_23.56.31]
Tudo começa com os registros audiovisuais feitos em uma comunidade religiosa situada em uma fazenda nos EUA em que seu líder espiritual fala em transcender a morte etc. Em seguida caracteres anunciam: “Em 23 de março, 1985, 47 membros da Igreja do Paraíso de Veil cometeram suicídio coletivo. Eles envenenaram suas crianças e a si próprios com uma droga letal criada por Jim Jacobs. É o maior suicídio em massa da história dos Estados Unidos.

Voltamos as imagens e nos é revelado que uma garotinha foi encontrada viva e de boa em meio aos mortos. 25 anos depois, conhecemos Sarah Hope (Lily Rabe), a nossa sobrevivente já adulta. Após dar entrevista a um grupo de estudantes de cinema liderado por Maggie Price (Jessica Alba), concorda em voltar ao rancho onde tudo aconteceu pra filmar um documentário sobre a tragédia.

2d7fea41219110c60014b70df785e848

The Veil
é dirigido pelo experiente, porém inexpressivo, Phil Joanou que na sua filmografia pode-se destacar o clássico oitentista da Sessão da Tarde Te Pego Lá Fora (Three O’Clock High, 1987)e o ótimo policial Um Tiro de Misericórdia (State of Grace, 1990) com Sean Penn, Gary Oldam e Ed Harris. Infelizmente, No filme em questão, é notória a falta de jeito do diretor pra o horror. Sem contar a horrível fotografia que beira o amador.

O elenco tenta, mas tudo é tão mal construido, restando os poucos bons momentos para o espalhafatoso líder espiritual Jim Jacobs, vivido por Thomas jane (O Justiceiro, O Nevoeiro) que provavelmente é inspirado no pastor Jim Jones que levou mais de 900 americanos a cometerem suicídio coletivo nos anos 70. Já não se pode dizer o mesmo da dupla Maggie e Sarah (Alba e Rabe) que estão claramente no piloto automático. O restante do elenco nem vale a pena menção.

The Veil.2016.720p.WEB-DL.700MB.MkvCage.mkv_snapshot_01.11.01_[2016.01.31_23.56.12]
Não tem muito o que falar da trama aqui e o pouco que eu fizer pode estragar a experiência. Mas posso garantir que apesar de ter um bom clima de suspense na sua primeira metade, o longa não consegue, de forma alguma, conferir medo quando decide partir para o  terror assumido. Nem mesmo quando começa a apelar com sustos gratuitos o filme funciona. Sem contar que fica meio óbvio pra onde a trama quer nos levar.

Com uma reviravolta até ousada, mas nada original, The Veil só comprova a insegurança no de seus realizadores no estilo com tanto didatismo após a revelação afim de explicar mais do que precisa. E mesmo assim não convence e deixa um buraco sobre as intenções da nossa protagonista tão grande que só perde pra o do Interestrelar. Nolan mandou lembrança.

Escala de tocância de terror:
Direção: Phil Joanou
Roteiro: Robert Ben Garant
Elenco: Jessica Alba,  Lily Rabe e Thomas Jane
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: O Sono da Morte (2016) | Toca o Terror

  2. Pingback: DICA DA SEMANA: Filmes sobre Jim Jones | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending