conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Rua Cloverfield, 10 (2016)

Publicados

em

Rua-Cloverfield-Poster

[Por Jarmeson de Lima]

Faz tempo que vi no NatGeo um programa chamado “Preparados Para o Fim“. O programa mostrava algumas famílias nos Estados Unidos (claro, onde mais?!) que criaram verdadeiros abrigos e bunkers para se precaverem de uma eventual hecatombe nuclear ou algo do tipo. Guardavam todo tipo de comida, munição e apetrechos diversos para curtir melhor o tempo em que estiverem abrigados.

A cultura do medo e os radicais religiosos tem cada vez mais alimentado este tipo de paranoia e é lógico que este comportamento vira um farto material para o cinema. E é usando este preceito e mais os elementos do sucesso “Cloverfield” que o recém “Rua Cloverfield, 10” surge.

10-cloverfield-lane-second-trailer-0

A priori ele não é nem um prequel nem uma continuação direta do filme de Matt Reeves, que foi lançado em 2008 e produzido por J.J.Abrams. Pois é… apesar do nome do produtor se destacar mais do que o diretor, este novo filme também não foi dirigido pelo criador de “Lost“. O estreante Dan Trachtenberg é quem está à frente deste longa que pega emprestado o universo apocalíptico de uma invasão alienígena nos EUA para nos apresentar uma micro história de confinamento. Tema inclusive explorado em episódios de séries como “Além da Imaginação” e “Lost”.

Rua Cloverfield, 10” começa de maneira casual mostrando a jovem Michelle (Mary Elizabeth Winstead) fazendo uma mudança às pressas em um apartamento e pegando a estrada. No meio do caminho, um acidente acontece e subitamente ela se vê trancada em uma cela algum tempo depois. Este é o momento em que conhecemos Howard (John Goodman), um aposentado da Marinha que construiu um verdadeiro bunker ao longo dos anos para se proteger do fatídico dia.

cloverfield5-xlarge

Ao longo do filme vamos descobrindo pouco a pouco os segredos do estranho homem que mantém a jovem como hóspede e refém ao mesmo tempo. Sempre com tom dúbio mas ameaçador, Howard alerta os seus convidados sobre a ameaça que perambula na Terra desde o dia do acidente e que coincidentemente marca o início dos ataques em massa no planeta. Por não termos acesso como espectador ao que está acontecendo fora do abrigo subterrâneo durante grande parte do filme, a curiosidade aflora e ficamos na mesma situação da personagem de Mary Elizabeth Winstead sem saber no que acreditar.

Como não sabemos de nada do que se passa no mundo externo, só nos resta ir imaginando o que o roteiro nos reserva. Roteiro este que se esforça em ser original e menos previsível. E nisso as perguntas vão se acumulando… Seria mentira? Seria verdade? Howard seria um fanático ou um bom samaritano? Seria mesmo o fim do mundo ou uma alucinação? Sem respostas e sem sinal de celular, Michelle vai vivendo seus dias num cativeiro domiciliar sem saber se o perigo maior está lá fora ou dentro do abrigo.

10_cloverfield_lane_paramount.0

Este clima de tensão crescente que culmina em briga, sangue e mortes confere vários pontos positivos ao filme apesar de ser em sua essência um produto da grande indústria hollywoodiana que não abre mão de uma trilha sonora intermitente e de finais explicadinhos. O cenário claustrofóbico e a boa interação entre os atores também ajuda a manter uma empatia com a história, apesar de que já prevejo que alguns espectadores vão achar a trama meio “chata” e enfadonha.

Em meio a um confinamento sem Pedro Bial e um regime “sobrevivencialista” alimentado pelos extremismos ideológicos do mundo real, o que ainda me marca em “Rua Cloverfield, 10“, mesmo que não seja enfatizado, é uma específica frase do personagem de John Goodman: “Loucura é construir uma arca depois que o dilúvio já começou“. Estaria certa essa galera dos bunkers? Seriam elas as formigas e nós as cigarras? Seriam os deuses astronautas? Quem sabe. Só o tempo dirá…

Escala de tocância de terror:

Direção: Dan Trachtenberg
Roteiro: Drew Goddard, Daniel Casey
Elenco: John Goodman, Mary Elizabeth Winstead e John Gallagher Jr.
Origem: EUA
Ano: 2016

* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z no Cinemark Rio Mar.

Continue lendo
6 Comentários

6 Comments

  1. Thallys

    13 de junho de 2016 a 16:48

    Como pode dar 3,5 na escala e 2 para Invocação do mal 2? Esse filme nem medo dá. Da uma tensão.

  2. Pingback: BALANÇO: O melhor e o pior de 2016 (até agora) | Toca o Terror

  3. Lidia Barboza

    19 de agosto de 2017 a 18:50

    Achei o filme ótimo // boa sacada do diretor // misturou apocalipse com ufologia

  4. Pingback: RESENHA: The Cloverfield Paradox (2018) | Toca o Terror

  5. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

  6. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) – Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending