conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Bite (2016)

Publicados

em

IMG_4779

[Por Júlio Carvalho]

Estamos diante de mais um filme que chega com um hype lá em cima calcado em notícias de pessoas passando mal em suas exibições em festivais mundo afora. Mas será que Bite é mesmo tão nojento e impactante como andam dizendo por aí?

Em uma viagem de despedida de solteira a uma praia paradisíaca na Costa Rica, três amigas se jogam geral nas baladas locais. Ao entrarem numa gruta, a noiva do grupo, Casey (Elma Begovic), é picada por um inseto. Só que ao voltar pra casa, o local da picada infecciona e o quadro segue piorando até que a moça percebe que aos poucos está sofrendo uma metamorfose. E como se não bastasse esse probleminha de saúde, ela ainda está duvidosa quanto ao casamento e tem a dura missão de dizer isso ao seu noivo.

IMG_4780

Dirigido por Chad Archibald, Bite não consegue sair da chatice inicial. O que era pra ser crescente, permanece na mesma e nem melhora quando os elementos de gore começam a tomar conta da trama. O roteiro de Jayme Laforest não tem muito a oferecer, pois, além da sofrida metamorfose da protagonista, temos o dilema da mesma de se casar ou não com o rapaz que não passa de uma lenga-lenga com situações e diálogos que enchem o saco.

Sem contar que esse lance de turistas norte americanos sujeitos aos “perigos naturais” do continente latino-americano é muito preconceituoso. O inseto transmissor poderia perfeitamente ser do próprio país de origem com alguma premissa do tipo radioativa, ou experiência de laboratório… Enfim, bastava o mínimo de criatividade. Mas pra quê ser criativo se pode ser preconceituoso, não é verdade?

IMG_4781

Em agosto de 2015, foi noticiado que no festival Fantasia International Film além da distribuição de sacos de vômito para o público, foi preciso até chamar uma ambulância durante a exibição do filme. Daí você cria aquela expectativa, assiste esperando as cenas grotescas que poderiam causar tanto e finda ainda esperando, pois nada ali causa nojo de fato. Nem os fluidos corporais como sangue, pus e baba parecem realistas. Tudo é tão gelatinoso e cristalino que se brincar, até parece gostoso. Conseguem até estragar o clichê da unha sendo arrancada. E por incrível que pareça, vem ganhando prêmios pelos “efeitos especiais” em alguns eventos.

O problema é que Bite aposta no estilo conhecido como body horror, ou seja, o horror corporal, onde a trama gira em torno da destruição física dos personagens. Aqui, a transformação da protagonista em um inseto é o chamariz do longa. Claro que não tem como não lembrar do clássico A Mosca (The Fly, 1986) do mestre Cronenberg. Só que essa produção canadense é bem “café com leite”. O filme é tão careta que em certo momento a protagonista sozinha na banheira cobre os seios com as mãos ao se levantar. Se não vai mostrar, tudo bem, mas esconde com jogo de câmeras, pois não tem sentido alguém tomar banho cobrindo as partes, né?

IMG_4778

Claro que em algum momento a transformação se completa e quando isso acontece a sensação é de que você perdeu tempo. Ou seja, nada presta nessa produção e a conclusão é a mais óbvia possível: Bite é pura propaganda enganosa! Chamar esse filme de body horror é uma grande ofensa aos clássicos do estilo como o já citado de Cronenberg e outros grandes destruidores de corpos como Hellraiser (1987) de Clive Barker, por exemplo.

Dica: Desconfie desse tipo de marketing do nojo, pois recentemente também foi utilizado por Canibais (The Green Inferno, 2015) de Eli Roth e olha a bosta que foi.

Direção: Chad Archibald
Roteiro: Jayme Laforest
Elenco: Elma Begovic, Annette Wozniak e Denise Yuen
Origem: Canadá
Ano: 2016

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. dan

    3 de junho de 2016 a 13:23

    Realmente uma bomba,me senti enganado!

  2. Pingback: BALANÇO: O melhor e o pior de 2016 (até agora) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]
Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “Suspiria”. A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: O Mundo Sombrio de Sabrina (2018)

Publicados

em

O Mundo Sombrio de Sabrina

[Por Jarmeson de Lima]

Ocultismo, bruxaria e paganismo em uma série para um público adolescente tem mais conteúdo macabro do que muito seriado com renome por aí. “O Mundo Sombrio de Sabrina” (Chilling Adventures of Sabrina) tem se revelado muito mais do que uma releitura da série de TV dos anos 90 que apresentava uma simpática feiticeira ajudando seus amigos com truques de mágica. (mais…)

Continue lendo

Trending