conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Preacher (1º episódio)

Publicados

em

Preacher-Poster
[Por Geraldo de Fraga]

Sempre que surgia a notícia de que Preacher seria adaptada, fosse para o cinema ou para a TV, a pergunta que se fazia era uma só: como levar uma história tão controversa ao grande público? Porque, por mais que algumas obras obtenham sucesso e visibilidade por conta da irreverência, colocá-la em um meio comercial é perigoso, pois os produtores não querem apenas os consumidores da obra original e sim novos adeptos.

preacher (1)

Afinal, a coisa precisa ser consumida em larga escala. Exemplo: ninguém faz um filme do Homem-Aranha só para quem lê os gibis do Homem-Aranha. Enfim, era óbvio que haveria mudanças na história, originalmente escrita Garth Ennis e desenhada por Steve Dillon, mas a torcida era para que não fossem tantas. Mas foram…

Nenhuma alteração feita na história melhorou em nada o texto original, mas pelo menos não estragou tudo, como acontece na maioria das vezes. Numa cidade do interior do Texas, o pastor Jesse Custer (Dominic Cooper) comanda uma igreja caindo aos pedaços, pouco frequentada e tem dúvidas se Deus realmente está ouvindo suas preces.

Diferente da HQ, vemos um Custer integrado à comunidade local. Enquanto isso, a entidade metade anjo, metade demônio conhecida como Gênesis foge do céu e vai para a Terra em busca de um hospedeiro. Eis que, em meio a sua crise de fé, nosso pastor é “possuído” por Gênesis, o que lhe confere o poder de fazer com que qualquer pessoa o obedeça.

Vários personagens que vão aparecendo pouco a pouco nos quadrinhos, já dão as caras logo nesse primeiro episódio, inclusive os dois principais parceiros de Custer: Cassidy (Joseph Gilgun) e Tulip O’Hare (Ruth Negga). Também estão lá o Cara de Cu (Ian Colletti) e seu pai Hugo Root (W. Earl Brown), xerife da cidade.

preacher-cassidy

Os produtores Seth Rogen e Evan Goldberg sempre se declararam fãs da HQ, mas nem toda paixão pode bater de frente com as caretices da AMC. Mesmo assim, a personalidade do trio de protagonistas foi mantida, pelo menos até então. Porém, o final do piloto não nos dá a certeza de que a série vai seguir o estilo roadie movie dos quadrinhos. E se Custer não colocar o pé na estrada, tem tudo para dar errado.

No mais, para quem não acompanha a HQ, a série vai agradar bem mais. Mesmo com uma história menos escrachada e com alguns clichês de TV, Preacher nos apresentou um episódio piloto com mais coisas legais do que defeitos e com boas doses de humor e violência. Vamos aguardar se a pegada será mantida, ou até mesmo melhorada.

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Helton Azevedo

    26 de Maio de 2016 a 15:40

    Ainda não vi, mas estou bem preocupado. Gosto das HQs e sempre achei q seria muito complicado adaptá-la.

  2. Margarette

    21 de abril de 2017 a 19:30

    Es un tiempo para apreciar las cosas en la naturaleza que las personas suelen pasar por
    alto debido a sus ocupadas vidas.

  3. Pingback: DICAS: Alternativas à Netflix | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending