conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Terror nos Bastidores (2015)

Publicados

em

The-Final_Girls

[Por Jarmeson de Lima]

Hoje em dia é fácil fazer uma paródia ou recriar intencionalmente inúmeras cenas inspiradas no que já houve de melhor ou pior no cinema de horror. Difícil mesmo é criar algo novo e relevante prestando homenagens a filmes que muita gente viu, continua vendo e se deliciando com eles. Foi encarando essa difícil missão que Terror nos Bastidores (The Final Girls) se deu bem.

O filme em si é claramente inspirado em slashers clássicos dos anos 80 como Acampamento Sinistro e Sexta-Feira 13 e consegue dosar bem drama, comédia e, obviamente, terror. Temos aqui uma fictícia produção dentro dele chamada de Camp Bloodbath, conhecida por ser o avô dos filmes do gênero Slasher em Acampamentos.

The-Final_Girls3

No elenco do suposto filme, havia Amanda Cartwright, mãe de Max Cartwright, uma adolescente que após três anos do falecimento da atriz é chamada pelos amigos para ir a uma sessão dupla de cinema onde está sendo exibido o longa original e sua continuação direta. Relutante em ver sua mãe na tela para ser morta como em todo slasher do tipo, Max (Taissa Farmiga) acompanha os amigos, mas resolve deixar a sala no meio da sessão.

É nessa hora que uma turminha do barulho apronta altas confusões na sala e inadvertidamente acaba causando um incêndio no cinema. No meio do tumulto, com as portas de emergência bloqueadas, os amigos de Max resolvem rasgar a tela e tentar escapar pela porta dos fundos.

The-Final_Girls22

Sendo que ao invés de encontrar uma saída, eles vão parar na trama de Camp Bloodbath. Sim, assim como em O Último Grande Herói, os personagens do filme acabam entrando dentro de outro filme. E aí toque o foda-se e abstraia sobre como eles chegaram lá e como vão sair. É um questionamento inclusive que os personagens fazem ajudando a criar um roteiro ainda mais metalinguístico em uma historinha boba de maníaco assassino que mata um a um.

Daí a gente começa a imaginar que por ser um slasher comum, seria fácil prever as ações do assassino que usa uma máscara, sofreu bullying na infância e retorna para se vingar dos jovens que fazem sexo e usam drogas em acampamento… mas não é bem assim. Na turma de Max, só um obcecado viu Camp Bloodbath e como as coisas literalmente fogem do roteiro original, ninguém mais ali sabe direito como o filme vai terminar.

TheFInalGirlsBanner

A princípio, os amigos de Max acham que estão ali só pra observar o desenrolar das cenas sem interferir na história. Mas é claro que Billy, o assassino mascarado, não vai distinguir quem é personagem original e quem chegou de repente. Vai tentar matar todos sem preconceitos. Some-se isso à carga dramática que temos ao ver Max tentando se aproximar da personagem de sua mãe (Malin Akerman) no enredo querendo ainda evitar que ela morra de forma trágica novamente.

The-Final_Girls2

Apesar de ser uma produção PG-13, Terror nos Bastidores está acima da média dos filmes de terror para esta faixa etária não só pelas boas sacadas e referências, como ainda pelo roteiro interessante que lhe prende a atenção ao longo de seus 92 minutos. O filme ainda explora bem a pieguice de figurino e os principais lugares-comuns de produções de terror dos anos 80. Apesar de não pegar pesado no gore (afinal é pra audiências adolescentes), temos aqui um longa que serve, no mínimo, como um bom passatempo.

Direção: Todd Strauss-Schulson
Roteiro: Joshua John Miller, M.A. Fortin
Elenco: Taissa Farmiga, Malin Akerman e Nina Dobrev
Origem: EUA
Ano: 2015

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: SÉRIE: AHS 1984 (2019) | Toca o Terror

  2. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending