conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Demon (2016)

Publicados

em

demon-movie-posterENG1
[Por Geraldo de Fraga]

Quando um filme de terror independente chama a atenção da imprensa que cobre festivais, não espere uma obra convencional. Foi assim com Corrente do Mal (It Follows) e A Bruxa (The Witch), para citar exemplos mais recentes, e é agora com o polonês Demon. Figurando nas listas dos mais aguardados do ano, a produção escrita e dirigida por Marcin Wrona é mais um exemplar cinematográfico para poucos.

Para não repetir a polêmica do início do ano, quando foi dito por aí que A Bruxa era um filme “apenas para os inteligentes” e que quem gostasse de sustos e gritos não deveria vê-lo no cinema, vamos só dizer que Demon não é um terror clássico. Longe disso até. É na verdade um longa que se utiliza de elementos do gênero para construir uma fábula de crítica moral e social, sobre as relações religiosas e políticas da Polônia pós II Guerra. Achou “cabeça”? Pois é…

Demon-02-1

Toda a história se passa na recepção de casamento dos jovens Piotr (Itay Tiran) e Zaneta (Agnieszka Zulewska), que acontece na antiga casa dos avós da noiva, que se encontrava abandonada até então, e que será a futura morada do casal. Poucas horas antes da cerimônia, Piotr está no local fazendo os últimos ajustes para receber os convidados, quando descobre um esqueleto enterrado. Depois disso, o noivo começa a ter visões de uma garota e, já com a festa em andamento, acaba possuído por um Dybbuk, tipo de fantasma presente na cultura judaica.

O roteiro vai dando pistas para o espectador saber de onde veio o espírito maligno, mas não deixa nada bem explicado. A partir daí, você desconfia de tudo e de todos, desde o passado suspeito do antigo dono da casa, passando até mesmo pela índole do próprio possuído, de quem os parentes da noiva não sabem muita coisa (a ausência da família dele no casamento nunca é esclarecida, por exemplo).

Demon-01-1

O enredo também alterna as cenas de possessão com partes focadas no humor, o que dá ao longa um clima de descompromisso com o horror propriamente dito. O esforço do pai da noiva para esconder dos convidados o que está acontecendo é o alívio cômico da história. Outra coisa que é preciso destacar em Demon é a parte técnica impecável, como a fotografia e a direção de arte. Ponto também para as atuações, sobretudo do protagonista Itay Tiran.

Com o suicídio do diretor Marcin Wrona, em setembro do ano passado, o filme ganhou mais essa publicidade mórbida, porém não deve-se procurar qualquer relação entre o longa e a tragédia pessoal do seu criador. Demon é uma boa alegoria com elementos de terror, mas longe de ser uma obra assustadora sobre possessão demoníaca. Porém, não deixa de ser belo exercício de cinema fantástico.

Escala de tocância de terror:

Direção: Marcin Wrona
Roteiro: Pawel Maslona e Marcin Wrona
Elenco: Itay Tiran, Agnieszka Zulewska e Andrzej Grabowski
Origem: Polônia
Ano: 2016

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: BALANÇO: O melhor e o pior de 2016 (até agora) | Toca o Terror

  2. rafael

    16 de agosto de 2016 a 02:27

    eu achando que aqui teria uma resenha…esse textinho ai é uma piada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: The Titan (2018)

Publicados

em

The Titan

Em mais uma aposta da Netflix na Ficção Científica, “The Titan” é uma prova que nem sempre a gigante do streaming acerta em suas produções. Veja bem, não é culpa da produção técnica em si (quase sempre impecável), mas de parte do roteiro e de seu ritmo. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Trending