conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Invocação do Mal 2 (2016)

Publicados

em

poster-conjuring2_00a

[Por Jarmeson de Lima]

Existe muita coisa errada neste Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2). Mas o pior de tudo é tratar o espectador como uma criança de cinco anos que precisa ver tudo bem mastigado com explicações, flashbacks e letreiros no final. É em suma um filme que não cumpre o que promete, ainda mais por vir cercado de um grande marketing e muitas expectativas, além das inevitáveis pegadinhas do SBT.

Na boa, galera, já passou da hora de um pessoal parar de endeusar James Wan como sendo o grande nome do horror atual. Ele é, no máximo, o Coldplay do Terror. Começou bem, pareceu que ia deslanchar, mas caiu em clichês e autorepetições com obras que dá ao público menos exigente aquilo que ele deseja.

Conjuring2

E é bem esse o mal que este filme carrega. Se você já viu Sobrenatural (Insidious) 1, 2 ou 3, A Entidade (Sinister) 1 ou 2 ou mesmo o primeiro Invocação do Mal, vai perceber que há muitos lugares-comuns nesta continuação.

Exemplos não faltam… Sabe aquela cena em que um objeto se move e sai do lugar quando ninguém está olhando? Tem nele. Sabe aquele brinquedo ou objeto barulhento que se liga sozinho no meio da noite? Tá lá. Sabe aquela musiquinha infantil que toca numa cena com um tom sinistro? Advinha só se tem… Isso sem falar dos habituais jumpscares e dos vilões sobrenaturais que são retratados como idosos rejeitados ou sujeitos sem família que aparecem para acabar com o sossego de pais e filhos.

Conjuring2d

Das duas uma… ou as ideias geniais de James Wan acabaram e ele está claramente se repetindo, ou a gente superestimou a capacidade dele. Aliás, neste filme uma coisa fica mais clara. A capacidade de criar visualmente alguns seres estranhos é louvável. A imagem da “freira do mal” e do “homem torto” neste filme são realmente memoráveis. Ponto para a equipe de design e efeitos visuais dele. Mas só isso não conta, né…

Tudo bem que Invocação do Mal 2, assim como o primeiro filme, se baseia em um caso real vivenciado pelo casal Warren. Mas ainda assim não se justifica uma série de excessos, edições equivocadas e uma trilha sonora que, PELOAMORDEDEUS, ou é óbvia (O filme se passa em Londres nos anos 70… e qual a primeira música que toca pra contextualizar a gente? “London Calling” do The Clash) ou encaixa músicas boas em momentos inapropriados. Impossível não ficar constrangido ou rir na hora em que começa a tocar uma balada do Bee Gees em um momento crucial para a trama.

conjuring (2)

Em se tratando de uma história que envolve Casas Mal Assombradas e possessão, o filme deixa a desejar em muitos aspectos. Seria covardia comparar com outros filmes do gênero porque Invocação 2 perderia feio, mas para não dizer que é uma total perda de tempo, vale destacar o elenco principal e a atuação da jovem Madison Wolfe como Janet Hodgson, uma das vítimas do caso Enfield.

Mas sabe a real… você não perde muita coisa em ver este filme. A menos que seja fã de Coldplay/James Wan e queira completar a coleção, tudo o que ele apresenta já está nas obras citadas anteriormente. Arrisque sabendo que o medo passa longe e que a conclusão dele é frustrante.

Escala de tocância de terror:

Diretor: James Wan
Roteiro: Chad Hayes, Carey Hayes, James Wan e David Leslie Johnson
Elenco: Vera Farmiga, Patrick Wilson, Frances O’Connor e Madison Wolfe
País: EUA
Ano: 2016

Continue lendo
42 Comentários

42 Comments

  1. Lucas

    9 de junho de 2016 a 21:13

    vi uma pontinha pequenina de alguém que viu o filme, não entendeu e ficou criticando… somente uma pontinha, não é nd pessoal, só é falta de atenção pra postar uma resenha…

    • Blog Toca o Terror

      9 de junho de 2016 a 22:00

      O filme é fácil de entender. Não tem plot-twist nem narrativa não-linear.

    • João Paulo

      11 de junho de 2016 a 22:14

      Penso o mesmo Lucas, assisti hoje o filme e muitas coisas que colocaram aí no post não procedem. A parte em que dizem por exemplo que usam a figura de um idoso como vilão, o idoso nada mais é que uma forma que o demônio real usou para ganhar tempo e tirar o foco de si. Tem um parte que diz “o brinquedo que liga sozinho”, primeiramente ele ligou porque o garoto chutou ele e depois que jogou para dentro da cabana aí sim o espírito começou a atazanar. Conheço muitas pessoas que assistiram e inclusive vendo as reações de quem saiu do cinema, todos gostaram, muito bem feito. Também me parece o post de quem não entendeu, ficou perdido com medo e agora está criticando…

  2. somaisumaleatorio

    9 de junho de 2016 a 22:59

    Também achei que o filme teve referencias em alguns momentos da trilogia Supernatural (exemplo).
    Mas ao mesmo tempo discordo que o filme deixou a desejar como a sua resenha diz, na minha opinião ele se ponderou em cenas que foram exploradas no momento adequado e na hora certa. Comparando Invocação do mal com outros filmes desse gênero nesse ano, sem duvidas Invocação do Mal se saiu muito bem.
    Mas essa é apenas minha opinião.

    • Hugo Moreira

      17 de junho de 2016 a 10:53

      Eu estou pensando hoje, apos ver o filme invocação do mal 2, a franquia supernatural tem ligação forte com invocação. Acredito que a médium Lorraine de invocação do mal pode ser a mãe do Josh de supernatural.

  3. Wellington

    10 de junho de 2016 a 13:54

    Gosto muito de filmes e devido ao pouco tempo para assistí-los tenho que escolher a dedo qual assistir.
    Nesse sentido levo muito em consideração as avaliações realizadas por sites especializados, como este.
    Mas fiquei desapontado com a avaliação realizada por vocês do filme Invocação do Mal 2, visto que em outras 7 avaliações de pessoas ou sites também especializados, o resultado foi totalmente positivo.
    Acredito que antes de publicar suas críticas, devessem consultar mais de um integrante do site, para que não se torne uma crítica muito pessoal e não faça justiça com o filme!!! Abs

  4. Christian

    10 de junho de 2016 a 22:51

    Que critica mais injusta, quero que você fale um filme de terror bom nesse momento que concorra com Invocação do mal 1 e 2 ? Eu amei o filme enredo muito bom, fora a atuação do Patrick e da Vera filme excelente.

    Obs: já assisti tudo que é filme de terror.

    • Blog Toca o Terror

      11 de junho de 2016 a 00:28

      E que tal “A Bruxa”?

      • Junior

        11 de junho de 2016 a 08:28

        A Bruxa é uma porcaria desculpa falar!!!

      • Jhony

        11 de junho de 2016 a 23:16

        melhor resposta rs… ”A Bruxa”, acaba com qualquer argumento, vamos apenas desconsiderar a ”relevante” opinião do amigo: ”A Bruxa é uma porcaria desculpa falar!!!”

  5. Fredson

    11 de junho de 2016 a 10:18

    Gostaria de saber desse pessoal do blog qual o filme de terror 5 “caveiras” pra vcs?
    Pq eu acho que quem comenta esses filmes ou não entendem nada do gênero e falam babaquisses ou realmente não gostam de filmes de terror! Todo terror/supense sobrenatural tem alguns elementos comuns que não podem deixar de existir e se fala aqui como clichês ou falhas….paciência, mas é isso, gostaria de fazer minha crítica em relação ao filme que vcs acham Otimos de terror, vou fazer isso, digam aí que vou parar tudo pra ver este filme e dar meu parecer!
    Agora espero que seja “A grande obra de terror” e não me venha com O Exorcista nem Psicose, clichê demais e vcs não gostam de clichês né?

  6. Carlos Costa

    11 de junho de 2016 a 12:03

    Claramente essa pessoa não entende nada sobre o gênero. Já está bem claro que o James Wan sabe criar uma ótima atmosfera e é um dos poucos, se não o único, que sabe usar os clichês e os jumpscare (que por sinal foram apenas uns 6 durante o filme).

  7. João Paulo

    11 de junho de 2016 a 22:23

    http://cinepop.com.br/critica-2-invocacao-do-mal-2-120822

    Uma das melhores críticas que li sobre o filme, elucida bem todos os pontos e principalmente, tem cara de que a pessoa que a fez não apenas assistiu, mas entendeu perfeitamente o filme. Vale a leitura.

    Com relação a essa critica, não sei se foi o estagiário medroso que fez ou a pessoa simplesmente não viu direito, levou vários sustos e ficou de cara. Por favor ne pessoal, vamos ser mais justos com as obras antes de falar asneiras.

  8. Laura

    12 de junho de 2016 a 02:28

    “A Bruxa” é o clássico filme ruim que a galerinha metida a cult diz que é bom para pagar de “entendidão”. Credo, tem que ter o cérebro muito oco para achar que foi filmão.
    Em tempo, “Invocação do Mal 2” foi fraco pra burro. Esperava bem mais.

    • Henrique Husken

      1 de julho de 2016 a 11:22

      Sua definição sobre o filme “A Bruxa” é a mesma que eu tenho. É uma historia cheia de buracos e coisas mal contadas, e isso é bem diferente de deixar coisas sub-entendidas

  9. Fernando

    12 de junho de 2016 a 09:49

    Não concordo com sua resenha, assisti ao film ontem e eu fiquei de boca aberta, eu não esperava que esse fosse tão bom, fica quase igual com o primeiro, os atores em uma atuação perfeita, destaque pra atriz que interpreta a Janet, a Vera e o Patrick deram um show novamente, a trilha do filme, o figurino , a produçao de arte , tudo no filme está perfeito. Sim , o filme nao trouxe nada de novo, porém, o Wan sabe fazer com que o clichês de terror nos deem medo, ele sabe preparar o terreno pra plantar o susto. Amei os novos personagens do medo, aquela freira toca o terror, o filme tb fez referências a clássicos do terror, eu gostei mt, valeu a pena o dinheiro pago pelo ingresso.

  10. Paula

    13 de junho de 2016 a 13:42

    Essa resenha não traduz a minha opinião de ‘super espectadora’ de filmes de terror. Assisto filmes de terror há anos e confesso que invocação do mal (leia-se: tanto o 1 quanto o 2) está na minha lista de favoritos. Mesmo depois de tanto sucesso de Invocação do mal 1, o 2 não deixou a desejar. Confesso, apenas, que a figura do homem torto me pareceu um tanto quanto infantil (tipo medo que criança tem de palhaço por exemplo), então achei desnecessário. Quanto a todo o resto, nota 1000.

    • Henrique Husken

      1 de julho de 2016 a 11:25

      Essa cena do homem torto eu achei desnecessária e desconexa com o resto do filme

  11. renato henrique silva santos

    13 de junho de 2016 a 14:39

    cara vê se cresce se tu tais com inveja do cara ent pq tu n faz um filme melhor .

  12. Thallys

    13 de junho de 2016 a 16:46

    Tb curti muito o filme. Fiquei com medo no cinema. Achei que a escala poderia ser pelo menos 3 estrelas

  13. Radane

    14 de junho de 2016 a 11:23

    Filme maravilhoso! Não tenho o que dizer, sou fã de filmes de terror desde pequeno e esse arrisco dizer que foi o melhor que já assisti, obviamente algumas coisas clichês em torno do filme acontecem, porém muitas surpresas que aconteciam em cenas de tensão me agradaram muito. Em questão da sua crítica, tente averiguar o que nos proporciona emoção, que é o que buscamos em todos os filmes que assistimos sem importar o gênero.

  14. powerliftercurioso

    18 de junho de 2016 a 10:06

    Nunca vi uma crítica tão arrogante e babaca…

  15. Dyêgo

    19 de junho de 2016 a 12:44

    Olá, vocês sabem o nome da atriz que fez a freira Balak?

    • Vitor Souza

      20 de junho de 2016 a 20:56

      ela se chama Bonnie Aarons

  16. Nosreda Uerba

    21 de junho de 2016 a 03:41

    Isso nao poderia ser pulblicado pois se todos os q ja assistiram esse filme fizesse uma resenha sobre esse filme teria varias opinioes de todos os q ja assistiram

  17. djdilon

    22 de junho de 2016 a 02:19

    A grande utilidade de ver esses “críticos” de filme de terror é muita…simples…se eles falam bem o filme é uma merda…se eles falam mal pode ir que não vai dormir no cinema…aposto que esse cara adorou o filme “a bruxa” e “a vila” Gostou do invocação do mal 1? então vai assistir no cinema…não liga para esses caras que se fingem de entendidos

  18. labas

    24 de junho de 2016 a 17:58

    Uma critica de um cara, que diz que o filme ” A bruxa ” é melhor que invocação do mal 2, realmente, não deve ser levada a sério. É totalmente ignorável. Invocação do mal 1 ou 2, é sem dúvida o melhor filme de terror dos ultimos anos. supernatural, exorcista, exorcismo de emily rose, qualquer filme do gênero de entidades sobrenaturais, nenhum é melhor que invocação do mal. pode fazer uma enquete no seu site, se você for homem.

    • Blog Toca o Terror

      27 de junho de 2016 a 19:54

      Olha, quer ver um filme em que James Wan se inspirou e copiou tudo o que podia no estilo?
      The Changeling (1980) – https://www.youtube.com/watch?v=FYw-uSGGIFM

      • Thici Diniz

        11 de julho de 2016 a 14:11

        Primeira vez que entro nesse site e só de ler essa crítica pobre, com extrema falta de nexo e sem entendimento no gênero, vejo que é a primeira e última vez que entro aqui. Criticar um dos maiores nomes do gênero de horror e terror atual que é o James Wan sem o menor embasamento (só porque pegou uma antipatia fresca do cara), é o cúmulo. E sim, Invocação do Mal 2 é um dos melhores dos últimos anos e conseguiu se igualar à grandiosidade do 1º filme. Sinceramente, vão aprender mais sobre o gênero antes de ficarem fazendo essas “resenhas” artificiais e pobres…ridículo!

    • Henrique Husken

      1 de julho de 2016 a 11:29

      Aí eu discordo, amigo. Invocação do Mal é um dos melhores dos últimos anos, sim! Junto com The Babadook e A Corrente do Mal. Porém repense ao compará-lo com um dos pioneiros(e um dos melhores) do gênero. Invocação do Mal entrará para a história, sim, mas não será tão bem lembrado quanto O Exorcista é.

  19. Pingback: BALANÇO: O melhor e o pior de 2016 (até agora) | Toca o Terror

  20. High

    18 de setembro de 2016 a 11:07

    galera calma aí…. cada um tem seu ponto de vista,se n gostaram do modo como ele relatou a obra do fantastico autor,fação as suas resenhas e publiquem ao invés de ficarem crucificando ele por ter feito sua parte como critico em si…isso n é nem um pouco relevante da parte de vcs, indiquem filmes e séries e deem seus pontos de vista,mais de uma forma amigável,
    gostei bastante do filme,assisti duas vezes,ja vi melhores, mais isso vai de cada pessoa…
    e caso vcs n gostaram do meu post aqui…desde ja digo a vcs…suas opiniões exacerbadas e agressivas fiquem pra vcs…. tal agressividade n ajudara em nada.

  21. Bruno Duarte

    24 de outubro de 2016 a 08:53

    Também achei a crítica exagerada.
    É certo que cada um tem sua opinião, mas realmente, antes de qualquer post vir à tona, deveria passar por uma “banca examinadora”, pois se corre o risco de termos uma ideia totalmente particular, como a que foi proposta.
    O filme é bom, não tanto como o primeiro, mas já é de se esperar. Acho que a citação ao “homem torto” trouxe certa infantilidade, talvez esse o maior pecado.
    Do demais, um bom filme, bons sustos, bons atores e fotografia interessante.

  22. carmoj

    17 de novembro de 2016 a 15:56

    Criticas como esta apenas fazem o site perder a moral, sinceramente.

  23. Thomas Roodson

    29 de dezembro de 2016 a 13:54

    Assistir o Filme ontem eu achei muito bom, vários sustos kkkkk mais gostei bastante!!

  24. David Mitler

    27 de junho de 2017 a 16:40

    Discordo em parte da crítica, pois achei muito bom o filme, apesar de alguns clichês que de fato há na “película”. Bem, quem não viu e gosta de terror, VEJA, vai gostar!

  25. Pingback: RESENHA: Veronica (2017) | Toca o Terror

  26. Pingback: DICA DA SEMANA: Amityville II – A Possessão (1982) | Toca o Terror

  27. Pingback: DICA DA SEMANA: Amityville II - A Possessão (1982) - Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Nightflyers (2019)

Publicados

em

Nightflyers

[Por Jarmeson de Lima]

Os algoritmos da Netflix andam a 1000 km/h ultimamente. Meio que já deu pra sacar como é o modus operandi deles, né?! São esses dados de preferência dos usuários e as tendências de consumo mundial que estão norteando a gigante do streaming audiovisual. E quando não conseguem algo de ponta, eles apelam pra um ‘remake’ tipo o seriado de “Perdidos no Espaço” ou adaptam histórias pouco conhecidas de escritores famosos a exemplo de “1922” de Stephen King.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Night of Horror – Nightmare Radio (2019)

Publicados

em

A Night of Horror – Nightmare Radio

[Por Frederico Toscano]*

A Night of Horror – Nightmare Radio é um filme esquisito. Começa pelo título, longo demais (podia ser ou “A Night of Horror” ou “Nightmare Radio”, né?). Mas além disso, é uma apanhado de curtas de horror que não foram produzidos para esta antologia especificamente.

Pois é, os caras tiveram a manha de pegar alguns filmes que já circulavam por aí, principalmente em festivais e até no YouTube, criaram uma trama central envolvendo um DJ atendendo ligações de ouvintes em uma madrugada chuvosa, juntaram tudo e pronto: antologia instantânea. Não deixa de ser uma abordagem original, e pode até inspirar outros cineastas, inclusive brasileiros, a conectar seus trabalhos, apresentá-los como partes de um longa e assim ganhar mais visibilidade.

O resultado aqui é meio desconjuntado e a qualidade varia bastante…o que é verdade para, bem, quase todas as antologias que existem por aí. O filme está listado como uma produção da Argentina e dos Países Baixos, tem roteiristas uruguaios e diretores italianos no segmento principal, além de gente de tudo o que é lugar na produção dos curtas em si.

Daí já se imagina o tamanho da salada: o DJ que conta e escuta histórias de horror é claramente americano, trabalhando em uma rádio nos Estados Unidos, mas atende ligações de croatas e ingleses, além de compartilhar causos sobrenaturais falados em espanhol. Lógica não tem, mas com um pouco de suspenção de descrença, dá para comprar a ideia. Assim, sem mais delongas, vamos aos curtas propriamente ditos, na ordem em que aparecem na antologia A Night of Horror – Nightmare Radio:

– In the Dark Woods
Curtinho, direto ao ponto e com clima de contos de fadas (infernais, claro). É basicamente a história de uma mulher invisível que não se contenta com sua situação e chega a extremos para ficar com o homem que ama. Bons efeitos e sanguinolência na medida.

Post-Mortem Mary
Sabia que antigamente as pessoas pagavam para que tirassem fotos de parentes falecidos? Em casa, com suas melhores roupas e arrumados para parecerem vivos. Uma história de horror oitocentista com uma reprodução de época bem-feita e clima gótico, em plena luz do dia. Um dos melhores da coletânea.

A Little off the Top
Uma história de inveja capilar que descamba em tortura e sangue. É isso mesmo que você leu, inveja capilar. Sendo muito curto, melhor não falar muito da história. Basta dizer que mesmo um salão de cabeleireiro pode ser um local de horrores. Meio paradão, mas o gore salva.

The Disappearance of Willie Bingham
Para mim, o melhor. Uma nova lei permite que a família de uma pessoa assassinada possa mutilar o criminoso aos poucos, até se sentirem vingados. O tal Willie Bingham é um bêbado, assassino e estuprador. E ainda assim, depois de uma série de cirurgias horripilantes, garanto que você vai chegar a ter pena do desgraçado. Horror corporal dos bons e uma história que te faz pensar o que, afinal, significa conseguir justiça.

– Drops (ou Gotas, no original em espanhol)
Uma mulher está presa em casa com uma criatura horripilante enquanto sente dores terríveis…ou não. Boa produção espanhola, como uma reviravolta interessante no final.

– The Smiling Man
Criança encontra…algo em sua casa. Achei a história pouco original, a criatura visualmente fraca e a protagonista infantil com a expressividade de um Cigano Igor depois do botox. Mas parece que fez sucesso quando lançado na Internet, vai entender.

Into the Mud
Uma mulher acorda nua e ferida no meio da floresta, e passa a ser perseguida por um caçador. O roteiro só funciona porque o homem é ruim de mira e toma algumas decisões imbecis, mas tem uma surpresinha boa no final, além de uma carniceira honesta.

– Vicious
Mais uma história de mulher presa em casa com um bicho feio à espreita. Clichê e com uma atriz que parece mais estressada do que aterrorizada, é bem mediano. Parece que também fez sucesso na Internet. Sei de mais nada.

Assim, juntando tudo, bem medido e bem pesado, leva aí 3 caveiras de 5. O formato permite assistir aos poucos e, sendo 9 curtas, não é possível que você não ache algo do seu agrado. O filme não saiu no Brasil e nem parece estar em qualquer serviço de streaming. Logo, obtenham-no através do seu bucaneiro favorito ou simplesmente corram atrás dos curtas individualmente, no YouTube ou em outras plataformas de vídeo. Assim, dê uma chance e fique em casa se aterrorizando de forma segura.

Escala de tocância de terror:

Direção geral: Oliver Park
Diretores dos segmentos: Jason Bognacki, A.J. Briones, Joshua Long, Sergio Morcillo, Adam O’Brien, Luciano Onetti, Nicolás Onetti, Pablo S. Pastor e Matthew Richards
Produção: Black Mandala
Ano de lançamento: 2019

* Especial para o Toca o Terror

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Trending