conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Stranger Things (2016)

Publicados

em

stranger-things
[Por Geraldo de Fraga]

Stranger Things chegou como quem não queria nada e virou a mais nova sensação da Netflix. O sucesso da série é creditado às inúmeras referências a filmes dos anos 70/80 (Contatos Imediatos do Terceiro Grau, E.T., Conta Comigo e outros, só para citar alguns), incluindo aí um roteiro com uma história e situações muito usadas naquela época: um monstro aterrorizando uma pequena cidade, um órgão do governo que esconde um segredo, crianças que descobrem uma ameaça e tomam as rédeas das ações, entre outras coisas.

Pela boa recepção, dá para dizer que o saudosismo e a nostalgia foram suficientes para agradar ao grande público. Porém uma pequena parcela de espectadores não se deu por vencida e questionou algumas coisas como furos no roteiro e referências jogadas na tela apenas como fanservice, sem importância para a história. Bem verdade que isso é fato, mas será que essa não era a ideia dos criadores Matt Duffer e Ross Duffer desde o início?

Nunca saberemos, a menos que eles venham a público e revelem isso, o que é improvável. O certo é que Stranger Things acertou bem mais do que errou. Foi quase a Alemanha no eterno 7 x 1. A série conseguiu nos dar um quarteto de protagonistas infantis perfeito e ainda tirou do esquecimento a sempre bem vinda Winona Ryder. Interessante, inclusive, o maior nome do elenco ser um ícone adolescente dos anos 80 no papel de uma dona de casa.

Talvez, o grande pecado de Stranger Things seja referenciar apenas obras consagradas (Parem de comparar com Tarantino, que, quase sempre, vai buscar inspiração bem longe do mainstream). Seria muito interessante resgatar também alguns filmes poucos lembrados da década de 80, como Bala de Prata, Deu a Louca nos Monstros ou SpaceCamp, também ajudando a citar alguns.

Stranger2

As referências a E.T., por exemplo, saltam da tela de uma forma até exagerada. Tá, galera, a gente já entendeu que vocês são fanboys de Spielberg, mas não precisa copiar cena por cena, né? Enfim, a série passou por média nessa primeira temporada. Que venha a segunda, mas que os produtores se lembrem que saudosismo uma hora enjoa.

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: DICA DA SEMANA: A Babá (2017) | Toca o Terror

  2. Fernando

    21 de janeiro de 2018 a 15:32

    Logo no início do primeiro episódio da primeira temporada, rola uma homenagem a bala de prata

  3. Pingback: RESENHA: Um Lugar Silencioso (2018) | Toca o Terror

  4. Pingback: DICA DA SEMANA: “O Portão” (1987) | Toca o Terror

  5. Pingback: SÉRIE: O Mundo Sombrio de Sabrina (2018) | Toca o Terror

  6. Pingback: DICA DA SEMANA: Baile de Formatura (1987) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Grito (2020)

Publicados

em

O grito

Passados 16 anos do lançamento de um remake que rendeu duas continuações (uma delas feita para lançamento em vídeo), temos aqui o quarto filme da franquia americana de “O Grito”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Color Out of Space (2020)

Publicados

em

Color Out of Space

H.P Lovecraft voltou a ficar em evidência, seja em games como “Call of Cthulhu” (2018) e “The Sinking City” (2019) como em adaptações cinematográficas. Só neste ano de 2020 já tivemos duas obras inspiradas no autor, tendo elementos e personagens de suas obras em “Ameaça Profunda” e agora “Color Out of Space”, uma adaptação direta de um dos seus celebres contos e o motivo desse texto existir. (mais…)

Continue lendo

Trending