conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Sharknado – The 4th Awakens (2016)

Publicados

em

sharknado-4-poster

[Por Jarmeson de Lima]

Do que deveria ser uma “gréia” bem sucedida, ou um sucesso inesperado, essa coisa chamada “Sharknado” já perdeu a graça. Se o primeiro se salvava, digamos, pela sinopse inusitada, o segundo perdeu força mas ganhou alguns (poucos) pontos por conta da insistência no plot absurdo. Já o terceiro se valeu das participações especiais e pontas de celebridades e subcelebridades pra fazer algo mais requentado do que as piadas da A Praça É Nossa. E esse quarto filme da franquia, pelamordedeus…

Mas bem, falemos do filme para que entendam a derrota que foi passar quase 1h30 vendo isso aí. O que acontece agora é o seguinte: já fazem cinco anos que não acontecem mais Sharknados. Que ótimo, não é?! Tudo isso graças a uma empresa que passou a monitorar e deter os tornados de tubarões através de pulsos eletro-magnéticos. No entanto, para o desespero de quem viu esses fenômenos acontecerem tanto na Costa Leste quanto na Costa Oeste dos EUA, agora eles voltaram em terra filme.

Eis que o herói Fin Shepard (interpretado pelo ator Ian Ziering, que também foi co-produtor executivo dessa bagaça) presenciou um dos spots da empresa Astro-X falhar na tentativa de deter o primeiro Sharknado que se formou a partir de uma tempestade de areia. E o que ele faz? Vai tentar deter essa catástrofe com a ajuda da família, da ciência e da empresa que detém essa tecnologia.

Basta dizer que após esse primeiro momento, passou a rolar uma evolução dessa coisa toda em uma avacalhação quase que total. Las Vegas, Kansas, Seattle, Chicago e outras cidades norte-americanas passam a ser cenários (de chroma-key, claro) para a paleta de destruição digital que os “nados” tem feito. Porque não basta ter um tornado comum com tubarões, agora colocaram pedras, raios, neve e até material radioativo misturado com esses sharknados. Não tente entender. A geografia, a física e a meteorologia tem suas próprias regras neste firme.

Além da avalanche de tubarões em um ritmo frenético, o filme tenta se passar por cult jogando toscamente referências a alguns clássicos em cenas e diálogos forçados. É um épico que não existe e que nem deveria ter existido, na real. Pra quem esperava algo inteligente vindo de quem teve a sacadinha de colocar o subtítulo de “The 4th Awakens“, esqueça! As referências à franquia da Disney/George Lucas são óbvias e mal utilizadas. O subtítulo engraçadinho, por sinal, é tão dispensável que na tradução brasileira preferiram usar a frase “Corra para o 4º“. WTF!

sharknado-nukenado

E não basta a edição mal feita, a narrativa cheia de furos e as atuações ruins do terceiro escalão de Hollywood… ainda temos efeitos especiais medíocres, até porque enquanto a tecnologia avança, a Asylum retrocede sem medo de soar ridícula em suas produções. Sério, não dá pra conceber algo assim. Como é possível uma produtora de filmes fazer algo com qualidade tão ruim e ainda um canal de TV ainda ACEITAR EXIBIR isso?

Já esperava uma ruindade absoluta. Aliás, não só eu, mas todos da equipe. Pensem na briga ao inverso pra ver quem iria assistir ao filme pra criticar. Pois bem… se não notaram ainda, eu que já não tinha gostado de nenhum, simplesmente ODIEI este aqui. Se você ainda vai defender essa produção da Asylum dizendo que “Sharknado 4” é divertido… olha, você precisa urgentemente rever esse conceito de diversão.

Escala de tocância de terror:

P.S.: Não se deixe enganar pelo trailer.

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: Medo Profundo (2017) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: The Titan (2018)

Publicados

em

The Titan

Em mais uma aposta da Netflix na Ficção Científica, “The Titan” é uma prova que nem sempre a gigante do streaming acerta em suas produções. Veja bem, não é culpa da produção técnica em si (quase sempre impecável), mas de parte do roteiro e de seu ritmo. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Trending