conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Bruxa de Blair (2016)

Publicados

em

Bruxa de Blair

“A Bruxa de Blair” foi indiscutivelmente um marco para o cinema de horror do final dos anos 90, dando um novo fôlego para o subgênero found footage. O sucesso foi tanto que gerou inúmeros clones e uma sequência bem canastrona. Anos depois, surge um novo filme, que é uma continuação dos eventos do primeiro filme e ignorando a malfadada parte 2 com seu “Livro das Sombras”.

O novo filme segue James, irmão de Heather, protagonista do filme original, em seu desejo de descobrir tardiamente o que aconteceu com sua irmã. Mesmo depois de quase 20 anos, ele nutre um desejo de encontrar ela com vida na floresta. Junto a ele vão alguns amigos encabeçados por Lisa, uma estudante de cinema e que fornece os equipamentos necessários para filmagem do documentário que eles estão produzindo através dessa busca.

bruxa-de-blair-2016-2

Ao longo da busca, a equipe ganha reforços de Lane e Talia, casal de namorados e moradores dos arredores da floresta que supostamente encontraram uma fita com imagens sobrenaturais. A pequena equipe então segue para o coração da floresta entusiasmados e alegres, mas é pena para eles que essa felicidade não vai durar muito, pois quando a primeira noite cai, o terror (re)começa.

“Bruxa de Blair” segue a estrutura do primeiro filme, com a já famosa câmera na mão guiada pelos personagens. A grande diferença é o uso das novas tecnologias, como câmeras acopladas nas orelhas dos personagens e o uso de drones. Esses equipamentos criam uma diferença gritante e totalmente verossímil nas situações do filme, afinal sempre me foi meio estranho alguém ser perseguido por algo no meio do nada e não largar a câmera de forma alguma. Esse é o grande charme do novo filme, que apesar disso, não está nem um pouco livre de problemas.

_DSC0893.ARW

O roteiro de Simon Barrett (parceiro e roteirista dos filmes mais legais do diretor Adam Wingard) é tão simplista que é impossível não se sentir enganado pelas declarações dos realizadores, que afirmavam que veríamos algo novo e ousado. A história é praticamente a mesma do original, com o infeliz acréscimo de explicações desnecessárias e momentos pseudo-gore que destoam da proposta do filme. O uso do mesmo tipo de susto e de forma sequencial torna-se bastante irritante e o público já se vacina esperando o próximo. Além deles, é claro, existem os sustos com aumento de som, típicos de filmes comerciais.

O diretor Adam Wingard (dos ótimos “You’re Next”, The Guest e de alguns segmentos da antologia V/H/S) entrega uma produção padrão e totalmente convencional, que tirando o já citado uso das tecnologias, parece ter tido preguiça de entregar algo realmente assustador. Tá certo que o roteiro não ajudou, mas as execuções das cenas foram muito aquém do esperado. Não foi dessa vez que a bruxa mais famosa do atual cinema de terror voltou para nos assombrar. E assim fica dado o recado que ela não deve ser profanada e precisa descansar por mais um longo tempo.

Direção: Adam Wingard
Roteiro: Simon Barrett
Elenco: Brandon Scott, Callie Hernandez e Valorie Curry
Ano de Produção: 2016
Distribuição: Paris Filmes

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: Death Note (2017) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending