conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Bruxa de Blair (2016)

Publicados

em

Bruxa de Blair

“A Bruxa de Blair” foi indiscutivelmente um marco para o cinema de horror do final dos anos 90, dando um novo fôlego para o subgênero found footage. O sucesso foi tanto que gerou inúmeros clones e uma sequência bem canastrona. Anos depois, surge um novo filme, que é uma continuação dos eventos do primeiro filme e ignorando a malfadada parte 2 com seu “Livro das Sombras”.

O novo filme segue James, irmão de Heather, protagonista do filme original, em seu desejo de descobrir tardiamente o que aconteceu com sua irmã. Mesmo depois de quase 20 anos, ele nutre um desejo de encontrar ela com vida na floresta. Junto a ele vão alguns amigos encabeçados por Lisa, uma estudante de cinema e que fornece os equipamentos necessários para filmagem do documentário que eles estão produzindo através dessa busca.

bruxa-de-blair-2016-2

Ao longo da busca, a equipe ganha reforços de Lane e Talia, casal de namorados e moradores dos arredores da floresta que supostamente encontraram uma fita com imagens sobrenaturais. A pequena equipe então segue para o coração da floresta entusiasmados e alegres, mas é pena para eles que essa felicidade não vai durar muito, pois quando a primeira noite cai, o terror (re)começa.

“Bruxa de Blair” segue a estrutura do primeiro filme, com a já famosa câmera na mão guiada pelos personagens. A grande diferença é o uso das novas tecnologias, como câmeras acopladas nas orelhas dos personagens e o uso de drones. Esses equipamentos criam uma diferença gritante e totalmente verossímil nas situações do filme, afinal sempre me foi meio estranho alguém ser perseguido por algo no meio do nada e não largar a câmera de forma alguma. Esse é o grande charme do novo filme, que apesar disso, não está nem um pouco livre de problemas.

_DSC0893.ARW

O roteiro de Simon Barrett (parceiro e roteirista dos filmes mais legais do diretor Adam Wingard) é tão simplista que é impossível não se sentir enganado pelas declarações dos realizadores, que afirmavam que veríamos algo novo e ousado. A história é praticamente a mesma do original, com o infeliz acréscimo de explicações desnecessárias e momentos pseudo-gore que destoam da proposta do filme. O uso do mesmo tipo de susto e de forma sequencial torna-se bastante irritante e o público já se vacina esperando o próximo. Além deles, é claro, existem os sustos com aumento de som, típicos de filmes comerciais.

O diretor Adam Wingard (dos ótimos “You’re Next”, The Guest e de alguns segmentos da antologia V/H/S) entrega uma produção padrão e totalmente convencional, que tirando o já citado uso das tecnologias, parece ter tido preguiça de entregar algo realmente assustador. Tá certo que o roteiro não ajudou, mas as execuções das cenas foram muito aquém do esperado. Não foi dessa vez que a bruxa mais famosa do atual cinema de terror voltou para nos assombrar. E assim fica dado o recado que ela não deve ser profanada e precisa descansar por mais um longo tempo.

Direção: Adam Wingard
Roteiro: Simon Barrett
Elenco: Brandon Scott, Callie Hernandez e Valorie Curry
Ano de Produção: 2016
Distribuição: Paris Filmes

Escala de tocância de terror:

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: Death Note (2017) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Homem nas Trevas (2016)

Publicados

em

homemnastrevas_3

[Por Felipe Macedo e Jarmeson de Lima]

O diretor Fede Alvarez, retorna com seu novo trabalho, após ser descoberto pelo diretor Sam Raimi e juntos terem realizado o remake do clássico “Evil Dead – A Morte do Demônio“. O novo trabalho em questão é “O Homem nas Trevas” (Don’t Breathe), mais uma vez produzido pelo seu tutor hollywoodiano. O longa vem como desafio e servirá para provar se o diretor uruguaio seria realizador de um filme só ou se terá vida própria dentro da sétima arte. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Os 3 Infernais (2019)

Publicados

em

Os 3 Infernais

[Por Geraldo de Fraga]

Rob Zombie confia demais no carisma dos seus personagens. Ele já deve ter ouvido muito por aí que seu filme mais elogiado pelo público é Rejeitados pelo Diabo (2005). E isso provavelmente fez com que o rockeiro diretor se animasse para voltar a esse universo em mais uma empreitada cinematográfica, agora fechando a trilogia começada em A Casa dos 1000 Corpos (2003). (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Torre Negra (2017)

Publicados

em

A Torre Negra

[Por Felipe Macedo]

Stephen King é um dos dos autores mais adaptados do cinema e em meio a tantos filmes, a maioria é de qualidade duvidosa. Poucos são os que merecem ser dignos de menção. O novo longa baseado em sua obra é inspirado na série de livros A Torre Negra e que de acordo com o próprio King bebe da fonte de Tolkien na construção do universo e criaturas fantásticas. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending