conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Anjos da Noite – Guerras de Sangue (2016)

Publicados

em

cartaz-anjos-da-noite-guerras-de-sangue

[Por Felipe Macedo]

A cinesérie Anjos da Noite, retorna para mais um capítulo da luta entre vampiros e lobisomens. Mas será que este novo filme é bacana? Bem, os holofotes continuam voltados para Selene (Kate Beckinsale), a dona da porra toda e fiel seguidora do girl power. Em “Guerras de Sangue” ela é perseguida por ambas as raças, que além de querer ela morta, querem sua filha. Aliás, querem o sangue da garota que pode conceder a vitória de quem conseguir o precioso líquido.

kate-beckinsale-underworld-blood-wars

A trama continua basicamente a mesma, com algumas leves alterações. Nada de muito surpreendente ou realmente inovador é mostrado. No mainstream não se mexe em time que está ganhando.

O filme ainda tenta surpreender, mas de uma forma constrangedora predominando o sentimento de vergonha alheia em quase toda a projeção. Kate Beckinsale aparenta estar entediada e visivelmente cansada da personagem. Os vilões são a coisa mais patética que apareceu na série e além de seus planos serem clichês também soam nonsense.

maxresdefault

O figurino do filme chegou ao limite da cafonice, onde os vampiros de determinado clã só usam o preto básico com detalhes masoquistas fazendo contraparte para o clã nórdico, que só usa branco e parecem ter saído de algum episódio de Game of Thrones. A principal personagem desse núcleo lembra bastante Khaleesi e ficou a impressão que ela iria invocar algum dragão vampiro para ajudar nossa querida Kate.

As cenas de ação que são o grande chamariz dessa vez foram preguiçosas e nenhuma merece destaque. O diferencial é que o gore dessa vez se faz presente com direito a tiros destruindo cabeças e até um momento Mortal Kombat, onde Selene dá uma de sub-zero e arranca a espinha dorsal com as mãos. Fiquei imaginando se não seria uma jogada dos produtores para que a personagem aparecesse como convidada em algum game da série. Mas se você não for fã da franquia faça algo de valor com seu tempo e dinheiro e fuja dessa bomba.

Escala de tocância de terror:

Direção: Anna Foerster 
Roteiro: Cory Goodman
Elenco: Kate Beckinsale, Theo James, Lara Pulver
Origem: EUA

Continue lendo
4 Comentários

4 Comments

  1. Na Companhia de Livros

    17 de dezembro de 2016 a 12:24

    Traduzindo, não acrescenta nada a história.
    Bom, a franquia já tem muitos anos e fica difícil de se criar coisas de qualidade e encerrar a história quando Hollywood quer arrancar até a última gota de sangue de todas as franquias.
    Ótimo texto.

    Um abraço

    naciadelivros.blogspot.com.br

    • carmoj

      5 de janeiro de 2017 a 13:07

      O importante é se despedir da Selene e sua calça fantástica.

  2. Larissa.

    28 de julho de 2017 a 00:57

    […] “até um momento Mortal Kombat, onde Selene dá uma de sub-zero e arranca a espinha dorsal com as mãos.” […]
    // Na verdade quem faz isso é o Scorpion no coitado do Sub-Zero.

  3. Karla López

    12 de outubro de 2017 a 18:37

    Ancho que faz muito bom trabalho no filme. Que bom trabalho, eu a vi em Anjos da Noite – Guerras de Sangue, grande filme de Kate Beckinsale, estava radiante e espetacular, recomendo que a vejam . É uma historia cativante que nos mantêm presos no sofá. Eu adorei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending