conecte-se conosco

Resenhas

DVD: Sangue de Pantera (1942)

Publicados

em

1942-cat people-poster

[Por Osvaldo Neto]

Assim como outros notáveis realizadores do período em Hollywood, o francês Jacques Tourneur teve uma carreira prolífica e marcada pela versatilidade. Ele fez de tudo um pouco: Noir (“Fuga do Passado”, “A Maleta Fatídica”), aventura (“O Gavião e a Flecha”, “A Vingança dos Piratas”), drama (“Tormento de uma Glória”), western (“Choque de Ódios”, “Paixão Selvagem”) e comédia (“Farsa Trágica”). Mas antes de realizar todos esses longas, ele lançou o seu 1o. grande filme no ano de 1942: “Sangue de Pantera”.

pantera0

O estúdio RKO não estava indo bem financeiramente com as perdas geradas pelo 1o. longa dirigido e estrelado por Orson Welles, que hoje é tido como um dos maiores filmes de todos os tempos. Isso mesmo, estamos falando de “Cidadão Kane”.

“Sangue de Pantera” seria uma resposta do estúdio ao sucesso estrondoso da Universal com os seus filmes de monstro, como “O Lobisomem”, lançado em 1941. Como a Universal já estava faturando pesado no horror há uma década e também se saindo com vários desses longas realizados com baixo orçamento, os chefões da RKO pensaram que produzir alguns filmes do gênero seria uma boa saída.

pantera1

E foi. O inesperado sucesso de “Sangue de Pantera” fez com que a empresa voltasse a produzir com força total. Esse icônico título também é a 1a. produção de Val Lewton que seguiu carreira na RKO produzindo, entre outros filmes, 8 longas de horror para o estúdio. 2 deles também dirigidos por Tourneur e de importância e referência absolutas para os interessados no gênero: “A Morta-Viva” (I Walked with a Zombie) e “O Homem Leopardo” (The Leopard Man).

pantera2

“Sangue de Pantera” é merecidamente reconhecido como um clássico do gênero pois ele fez exatamente o contrário do que se via até o momento como um ‘filme de horror’. Os filmes da Universal geravam filas e mais filas nas bilheterias graças aos seus monstros e efeitos especiais, podendo incluir o emprego de miniaturas e de elaboradas cenas de transformação. Lewton e Tourneur usaram as severas restrições orçamentárias ao seu favor para trazer pânico e medo ao público do período. O filme apostou no poder da sugestão para fazer com que o horror viesse da imaginação do espectador e não da visão explícita de uma criatura que poderia ser absolutamente risível.

As produções seguintes de Lewton seguiram esse mesmo caminho e é por isso que os seus filmes de horror não ‘envelheceram’ tanto como os da Universal e as muitas pérolas dos tempos do drive-in como, por exemplo, “A Mulher Vespa” de Roger Corman.

O clássico de Val Lewton e Jacques Tourneur ganhou uma inevitável continuação lançada em 1944 dirigida por Gunther von Fritsch e Robert Wise chamada “A Maldição do Sangue de Pantera” com três atores do original repetindo os seus personagens (Simone Simon, Kent Smith e Jane Randolph) e “A Marca da Pantera”, a famosa refilmagem de 1982 estrelada por Nastassja Kinski com direção de Paul Schrader, com nudez a gosto e um horror bem mais explícito.

sangue_de_pantera_op

A edição definitiva de “Sangue de Pantera” lançada esse ano pela Obras-Primas do Cinema oferece o filme em uma excelente versão restaurada na sua janela correta. As imagens do filme na resenha foram capturadas a partir deste DVD. Os extras são sublimes. Temos o documentário “Val Lewton: The Man in the Shadows” com 76 minutos de duração (4 a mais do que o filme em si) produzido e narrado por Martin Scorsese para o canal TCM; uma entrevista de 26 minutos com Jacques Tourneur realizada meses antes do seu falecimento em 1977; uma entrevista de 16 minutos com John Bailey, o diretor de fotografia da refilmagem e o trailer de cinema. O DVD pode ser adquirido nas melhores lojas.

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: DVD: “Monstros” (Freaks, 1932) | Toca o Terror

  2. Pingback: DICA DA SEMANA: A Marca da Pantera (1982) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending