conecte-se conosco

Resenhas

DVD: Obras-Primas do Terror – Vol. 3

Publicados

em

[Por Geraldo de Fraga]

Falar bem do trabalho da Versátil Home Video é chover no molhado, mas é impossível não puxar o saco da seleção de filmes e extras do digistack Obras-Primas do Terror 3. São 3 DVDs que reúnem 6 clássicos, todos em versões restauradas, além cards com as artes dos posters originais.

Queria destacar dois longas (curiosamente ambos com crianças) que muitas vezes são esquecidos quando se fala de melhores filmes de terror de todos os tempos, mas que merecem sim um lugar nesse panteão: A Inocente Face do Terror (1972) e Os Meninos (1976).

No primeiro, um conto que se passa em uma área rural americana e que mistura gêmeos malignos, uma lenda russa e uma série de assassinatos. É um longa do qual não se pode entrar em detalhes para não estragar nada. Os Meninos não pega menos pesado, colocando a gurizada como vilões da trama, num suspense da melhor qualidade e que nos revela também um final arrebatador.

Os extras são um show a parte. Tem um depoimento de Narciso Ibañez Serrador (onde ele revela detalhes da produção de Os Meninos); um mini-documentário sobre Jacques Tourneur (usando como gancho Farsa Trágica, que está no digistack) e uma entrevista onde Anthony Hopkins fala de Magia Negra e conta como treinou para interpretar um ventríloquo. Esse filme também é outro destaque da caixa.

DISCO 1

Banho de Sangue (A Bay of Blood/Reazione a Catena, 1971)

A disputa por uma propriedade em uma baía dá início a um banho de sangue que não poupará ninguém. Polêmica e sangrenta obra-prima do mestre Mario Bava que foi precursora dos filmes slasher. Também conhecido como A Mansão da Morte.

A Inocente Face do Terror (The Other, 1972)

Interior dos Estados Unidos, anos 30. Dois meninos, gêmeos idênticos, são a fonte de estranhos acontecimentos que colocam em perigo a vida daqueles que os cercam. Obra-prima do terror psicológico dirigida por Robert Mulligan (“O Sol é Para Todos”).

https://www.youtube.com/watch?v=3pE84X4x8e4

DISCO 2

Os Meninos (¿Quién puede matar a un niño?, 1976)

Um casal de turistas ingleses chega a uma ilha onde todas as crianças ficaram loucas e estão assassinando os adultos. Obra-prima do horror espanhol dirigida pelo mestre Narciso Ibañez Serrador.

Carnaval de Almas (Carnival of Souls, 1962)

Após um traumático acidente, uma mulher fica fascinada por um parque abandonado. Lendário filme B americano que se tornou um dos maiores cult-movies de horror de todos os tempos. Conhecido também como “O Parque Macabro”.

DISCO 3

Farsa Trágica (The Comedy of Terrors, 1963)

Para poder pagar dívidas, um coveiro começa a matar pessoas a fim de obter novos “clientes”. Com muito humor negro, o mestre Jacques Tourneur (Sangue de Pantera) reúne monstros sagrados do cinema de horror.

Magia Negra (Magic, 1978)

Anthony Hopkins, em grande atuação, é o talentoso, mas perturbado ventríloquo que se esconde por trás da forte personalidade de seu maligno boneco Fats. Assustador terror psicológico dirigido pelo premiado Richard Attenborough (Gandhi). Também conhecido como “Um Passe de Mágica”.

Extras: Documentário sobre Banho de Sangue (25 min), Depoimento de Joe Dante sobre Banho de Sangue (12 min), Trailers americanos de Banho de Sangue (6 min), Depoimento de Narciso Ibañez Serrador (9 min), Trailers dos outros filmes (11 min), Depoimento de Richard Matheson sobre Farsa Trágica (10 min), Especial sobre Jacques Tourneur (16 min), Entrevista de Anthony Hopkins (6 min).

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending