conecte-se conosco

Dicas

LIVRO: Pesadelos Infaustos

Publicados

em

Nevoeiros povoam as utopias e cotidianos das infaustas criaturas dos mundos desde as remotas eras. O que de profano, ultrarromântico, caótico e celestial ecoa nas narrativas dos andarilhos dos mundos? Há espaço para a contraditória natureza angélica e demoníaca do ser? Tudo isso é o que “Pesadelos Infaustos“, livro de Breno Torres, se propõe a mostrar. A obra que está à venda pela Editora Arwen é a estreia do autor no gênero horror literário.

Com 280 páginas e acabamento em brochura, “Pesadelos Infaustos” possui dez contos. “Cada conto tem como protagonista uma criatura sobrenatural famosa do mundo da Fantasia e do Terror. Há um conto sobre Demônios, outro sobre Bruxas, outro sobre Lobisomens, Musas, Vampiros, Anjos, Elfos, Fadas e Sereias”, explica Breno. Leia aqui com exclusividade o trecho do conto que abre o livro, “O Canto do Querubim”.

O CANTO DO QUERUBIM
“and I’m going straight to hell…
and I’ve got a lot of friends there…!”
GANG BANG, Madonna

Não havia nada de extraordinário naquela madrugada que previsse o fato conseguintemente contado. Não haveria um porquê de haver; ora, torna-se ordinário o horrendo que o cotidiano passa a ser. Era, como muitas, uma noite clara, tão clara que os automóveis naquela rua do subúrbio do Rio reluziam em suas superfícies polidas. Clara, de um céu límpido, onde nenhuma nuvem impedia o alcance fulgurante da gigantesca lua cheia, que se esparramava no guaxe azul-marinho pontilhado de gotas de prata celeste.

A noite orgulhosamente se impunha com suas joias favoritas; era verão. Estava calor. E a mais impressionante construção na dita rua do subúrbio seria a mais retumbantemente silenciosa – como deveria ser – se, ao se aproximar, um transeunte qualquer não se surpreendesse com a força dos passos que reverberavam, aparentemente apressados, dentro dela.

Do fundo da belíssima igreja de São Sebastião, a escuridão só hesitava, assustada, nas pequenas áreas que, por conta dos singelos vitrais ao longo das paredes, esticavam-se fechos de luz da lua pelo piso branco. O resto era negro. O ar não fazia reluzir a poeira no alcance dos raios lunares; eram indefiníveis os contornos barrocos das paredes, com suas camadas quebradiças de restauração descuidada há pouco financiada; o teto e seu grande afresco dourado e violentamente cristão parecia amaldiçoado pela camada quase brumosa de escuridão, que defronte às imagens santas serpenteava; e qualquer ser que andasse por aquele corredor central entre as duas principais fileiras de bancos largos, arrastando seus pés pelo breu e rumando qualquer que fosse a direção, estaria destinado a um encontro violento com o silêncio e quietude ensurdecedores entre os passos, cuidadosos ou não.

Exceto o causador de nosso barulho. Ele, obviamente, conhecia cada centímetro e milímetro daquele âmbito: de frente a ele, no altar, em suas aclamadas e transcendentais missas, aprendera desde o primeiro dia dos passados trinta anos, que ali dedicaria toda sua vida à missão de evangelizar cada pequeno coração que lhe atravessasse o caminho. Seria capaz de apontar cada pequena rachadura das paredes laterais; saberia dizer quais lajotas fariam sons mais ocos quando pisoteadas; quais longos bancos de madeira ainda precisavam ser envernizados, quais os significados das
simples cenas católicas desenhadas nos vitrais apáticos, quando foi pela primeira vez que observou o nariz torto e mal desenhado do Jesus representado no afresco lá no alto e quem fora, demônio!, o pequeno moleque que fizera aqueles riscos de tinta no início do caminho que se estendia pelo corredor principal, o qual ele, agora, afobadamente atravessava. Não apenas era um profundo conhecedor de seus textos de estudo bíblico e de sua Bíblia, como também do lugar ao qual tanto se dedicara por toda sua vida a salvar seus fiéis dos males. E que, conscientemente, agora, também utilizava para seus desprezíveis atos pecaminosos.

(…)

Título: Pesadelos Infaustos
Autor: Breno Torres
Gênero: Ficção / Terror
Ano: 2017
Páginas: 280
À venda em www.arwenbooks.com.br/pesadelos-infaustos

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Mystics in Bali (1981)

Publicados

em

Mystics in Bali

Pense num filme bizarro. Ele possivelmente não chegaria aos pés de “Mystics in Bali“, uma produção da Indonésia que veio à luz há 40 anos. É aclamado como um dos mais importantes filmes daquele país asiático, mas convenhamos, não teria como negar o título a ele depois de assisti-lo.

Primeiramente tenho que dizer que ele é problemático de certa forma. É daqueles exploitations que aproveitam o exotismo de uma cultura e a utilizam pra meter medo nos estrangeiros. E essa coisa exótica, claro, vem em forma de feitiçaria e lendas do sudeste asiático do mesmo jeito que hollywood usou à exaustão o voodoo e as religiões africanas.

Dados os primeiros alertas, vamos à história, que por sinal é bastante curta e direta. Uma pesquisadora americana em visita à ilha de Bali sai à procura de informações sobre a lendária e obscura magia “leák” para escrever um livro. O namorado local resolve ajudar e consegue o contato de uma feiticeira que revela intenções ocultas após mostrar alguns de seus segredos. E é a partir daí que a bizarrice começa.

Com uma aparência que muda a cada momento, a tal bruxa-rainha leák surge em cena ora com jeito decrépito, ora mais jovem ou disfarçada no meio de um matagal. E usando seus feitiços, transforma a si e a nova pupila em animais e para a grande surpresa dela e nossa, faz a turista virar uma espécie de zumbi vampira cuja cabeça sai voando do corpo junto de seus órgãos internos(!!). Tá achando pouco? Então vá assistir pra conferir cada uma dessas cenas com seus próprios olhos.

Tenha em mente que esta não é uma superprodução. Longe disso, inclusive. Tem diálogos muito rasos, atores bem amadores (a personagem “americana”, por sinal, estava de férias no país e foi convidada pelo pessoal da produção para participar das filmagens) e para completar, os efeitos especiais são do nível de Chapolin. Tudo isso faz com que a experiência de assistir a “Mystics in Bali” se torne uma experiência memorável em todos os sentidos.

O longa de H. Tjut Djalil nunca chegou a ser lançado oficialmente por aqui no Brasil, mas está à disposição dos internautas em cópias no YouTube em diversas versões.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: O Orfanato (2007)

Publicados

em

O Orfanato

Uma coisa não podemos negar, o cinema de terror espanhol é ‘classudo’. Mesmo as tosqueiras setentistas de Amando de Ossorio, as maluquices de Álex de la Iglesia ou até os found-footages frenéticos da franquia [REC], todos esses são filmes que têm a ambientação como ponto em comum. Ficaríamos falando horas sobre outros aqui.

O Orfanato (2007) é um belo exemplo disso. Um suspense de casa assombrada que se utiliza de ótimas locações para contar a sua história. Laura (Belén Rueda) volta ao imóvel que, há 30 anos, foi o lar para órfãos onde ela passou parte da infância. Agora adulta, seu plano é reabrir o local e receber novas crianças.

Com ela, estão seu marido Carlos (Fernando Cayo) e o filho Simón (Roger Príncep), de 7 anos. O problema, como você já deve estar imaginando, é que não são apenas pessoas vivas estão habitando o antigo casarão, que fica na Astúrias, no noroeste da Espanha, uma região costeira que caiu como uma luva para a produção.

Falei que a ambientação era legal, mas claro que só isso não sustentaria o filme. Precisamos dar destaque à atuação de Belén Rueda, que se entrega de corpo e alma (perdão pelo trocadilho), quando o sobrenatural dá às caras no roteiro (assinado por Sergio G. Sánchez). O filme ainda lançou J.A. Bayona para Hollywood e o diretor espanhol, hoje, comanda blockbusters como Jurassic World 2: Reino Ameaçado.

Com produção executiva de ninguém menos que Guillermo del Toro, O Orfanato bombou na época. E mesmo abordando um tema tão requentado no cinema fantástico, ganhou notoriedade pela peculiaridades da trama, algo que o distanciou de produções genéricas.

Particularmente acho que o roteiro tem uns furos aqui e ali, mas nada que o desabone. Achei meio forçado o menino lá com um saco na cabeça (tentando criar uma identidade visual para o ‘vilão’), mas entendo que esse tipo de artifício tem um objetivo comercial, então ok.

O que interessa é que O Orfanato segue relevante depois de mais de uma década e se você é assinante da Netflix ou do Amazon Prime Video, corra que o filme está nas duas plataformas.

P.S.: Quem faz uma ponta nesse filme é Edgar Vivar, o eterno Senhor Barriga do seriado mexicano Chaves.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Benção Mortal (1981)

Publicados

em

Benção Mortal

Sabemos que no início dos anos 80, os slashers é que reinavam no mundo do horror. E naturalmente todos queriam pegar carona no sucesso desses filmes. Um deles era o saudoso Wes Craven que ainda tentava consolidar sua carreira como diretor, mesmo tendo na bagagem filmes como “Aniversário Macabro” e “Quadrilha de Sádicos”.

Foi então que em 1981 o cineasta dirigiu “Benção Mortal” (Deadly Blessing), filme que tinha entre suas estrelas a então novata Sharon Stone em seu primeiro papel relevante. O filme na época não teve lá grande repercussão e figura entre os mais obscuros do diretor, mas isso não quer dizer que seja ruim.

Na trama acompanhamos uma jovem viúva que mora numa comunidade isolada sendo hostilizada constantemente por seus vizinhos pelo fato dela não pertencer a religião deles. Seu único contato nas redondezas são com duas vizinhas tão estranhas que são vistas quase como forasteiras.

Enquanto está sob o manto do luto, suas amigas resolvem passar um tempo com ela para que a mesma resolva o que fará da vida. Mas o que seriam dias mais leves se tornam um pesadelo quando uma série de misteriosos assassinatos acontecem. A polícia chega até a creditar os crimes a uma figura humana, mas os religiosos estão certos que os atos são obra de uma criatura demoníaca.

E embora não traga nada de novo à mesa, “Benção Mortal” coloca alguns ingredientes curiosos nessa história como o fanatismo religioso, crenças ancestrais e uma boa dose de bizarrice.

O velho Wes sabia criar um clima quando estava inspirado. As cenas de suspense são bem boas, conseguindo gerar tensão mesmo utilizando clichês da época, mas sem apelar tanto. Inclusive a famosa cena da banheira do primeiro filme de Freddy Krueger foi claramente copiada deste longa. E confesso até que me contorci de medo mais nessa primeira.

E ao contrário da maioria dos slashers, aqui as mocinhas tem um mínimo de desenvolvimento de suas personagens a ponto de torcemos para que nada aconteça a elas. As mortes não vem em grande quantidade e nem tem muito gore, ainda assim são satisfatórias na medida do possível. O elenco está bom (algo raro nesse tipo de produção) e embora Sharon Stone esteja ainda verde, dá pra notar o esforço da moça no papel da amedrontada amiga da protagonista.

Benção Mortal” está no catálogo da Amazon Prime Video e aquele tipo de filme que prende e diverte, além de servir como curiosidade para quem quiser conhecer um filme tão pouco conhecido de um diretor famoso.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending